sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Relembrar a saudade...

Esta semana na Serra da Estrela, obriguei-me a relembrar o que é a saudade.

À medida que os dias foram passando, percebi que fui sentindo saudade de:

- dançar - durante o período de férias decido não dançar, nem profissionalmente, nem para me divertir numa discoteca. Preciso como bailarina e artista parar afim de conseguir recriar/renovar, voltar aquele primeiro amor, voltar a ouvir aquela música como fosse a primeira vez, enfim... sentir saudade de me expressar através da dança.
Durante esta semana comecei a cantarolar as minhas músicas favoritas e adormecer imaginando coreografias... definitivamente tenho já saudades de dançar e que sensação boa isso é...

- casa - também durante as férias, arranjo sempre maneira de não passá-las em casa. Isso permite-me fazer com que sinta aquele bichinho de querer voltar ao meu ninho. Explico melhor: eu tenho mesmo necessidade de me afastar periodicamente de casa, não sei se é dos meus antepassados nómadas, mas preciso de estar temporadas fora de casa afim de não só sentir saudades, mas relembrar o quanto é bom ter o nosso espaço. Depois de sete dias com os meus pais... relembrei mesmo como foi bom ter saído da toca deles e ter arranjado a minha apesar de todas as responsabilidades inerentes. Adoro-os mas chego à conclusão que não devo ser mesmo filha deles, de tão diferentes que somos! Que saudades da minha casinha...

- marido - é verdade, até do marido tirei férias!! Por acaso calhou, aproveitei que ele teve de ficar a trabalhar para "descansar-mos" um do outro. É um pouco como a dança, preciso de me afastar afim de voltar a sentir o primeiro amor, relembrar o quanto sinto a falta dele quando está longe e assim quando o reencontrar... não vou descrever... usem a vossa imaginação...

Saudade... permite-vos relembrar que o que têm é fruto da vossa evolução como pessoas e fruto das vossas conquistas.
Parem um pouco, para conseguir perceber qual o caminho a seguir...
Saiam temporariamente, para perceber que têm para onde voltar...
Afastem-se, para poder sentir de novo e melhor...

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O meu novo website!!!!

Já está on line o meu website totalmente remodelado pela designer Ana Granado!!!
Dêem uma olhadela:

www.saranaadirah.com

Lá podem encontrar várias informações sobre mim, onde dou aulas, horários, artigos, etc...
E já agora... passem o link aos vossos amigos!!!


quinta-feira, 19 de agosto de 2010

E as férias continuam...


Depois de ter passado o fim-de-semana num hotel na Costa da Caparica e na casa que os meus sogros têm perto de Alenquer, esta semana passei-a em casa. Como é estranho estar em casa e não ter nada para fazer... por isso e porque tenho bichos carpinteiros, invento qualquer coisa todos os dias.
Primeiro estou a pôr em dia o cinema, depois do "Inception", "The Last Airbender", fui ver o "Contraluz" e imagine-se, hoje, sou obrigada a ir ver... os "Mercenários"... nem comento...para além do cinema, assisto também a inúmeros filmes em casa.
Retomei também o meu exercício físico diário, tem de ser... infelizmente com a idade só piora...
Fiz uma pausa da praia. Depois de ter estado em praias maravilhosas não me apetece nada ir para as da linha de Cascais, não são más mas não são "aquelas"!
Tenho feito grandes caminhadas, a última foi ir da praia de Carcavelos à de S.João do Estoril a pé, pela Marginal e voltar pelos pedregulhos ao longo do mar, extremamente cansativo e devo confessar: perigoso, claro que não fui sozinha e o que nos valeu foi ter estado a maré baixa. É incrível o que se vê...
Tenho tirado fotos a tudo e mais alguma coisa, (no meu facebook estão algumas), divirto-me imenso a observar pormenores que ás vezes passam despercebidos.
Confesso que depois de três semanas sem dançar já sinto saudades, mas obrigo-me a parar ainda mais três semanas, afim de sentir exactamente isso: saudade. Assim, quando voltar a dançar estou completamente renovada mentalmente e físicamente.
A próxima semana vai ser passada com os meus pais na Serra da Estrela, onde estes têm uma casa e lá também estão a passar férias. Aí é o regresso às memórias da minha infância, vai ser uma semana de meditação, caminhadas com a minha mãe e estabelecer metas para a próxima época.
Vou dar um saltinho a Trás-os-Montes visitar a minha única avó, tirar-lhe uma centena de fotos pois só tenho oportunidade de a ver uma vez por ano, infelizmente...
Depois regresso e rumo até ao ZMAR, na Zambujeira do Mar para acabar as férias em beleza...
Como vêem, não posso ficar quieta muito tempo!

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Regresso...


No outro dia, revi o filme "AVATAR". Que película genial! Sinceramente não me importava nada de ir viver para o mundo "Pandora".
Para mim, fazer campismo é um pouco uma busca pessoal incessante de reatar a ligação com a nossa Terra, tal e qual aqueles nativos do filme, têm com o planeta deles. Já fomos assim, e isso está gravado nas nossas células, quer queiramos ou não. Uns sentem essa falta, outros (a maior parte) infelizmente ignoram, mas pior, é que atrapalham os primeiros, com o seu egoísmo, egocentrismo, falta de civismo e de educação.
Por essa razão, o meu regresso a casa acabou por ser antecipado.
Apercebi-me nesta minha última estadia, que muito, muito poucos procuram o campismo como opcção. Maior parte, opta acampar pois é a solução mais barata, não tendo a miníma consciência do poder revitalizante que é estar em contacto directo com o meio ambiente, tal como faziam os nossos antepassados. Ignorando esse poder, parece que fazem questão de mostrar a falta de respeito primeiro com o meio onde estão inseridos e segundo pelos outros.
Mas, apesar de saber que ia ter de lidar com isso (todos as épocas é a mesma coisa, embora note que de ano para ano está piorar) tive uma grande desilusão: apercebi-me pela primeira vez que, os que exploram comercialmente o espaço, interessam-se mais em alimentar essas faltas de valores afim de fazerem elevadas facturações. Garantir princípios e qualidade, infelizmente parece que ainda não faz dinheiro.
Revoltando-me e não aguentando mais (agora eram todas as noites "raves" na praia até quase de manhã, lá se ía o adormecer com o som das ondas e pior, fazer as minhas caminhadas na praia vendo tudo sujo como consequência dessas mesmas festas), acabei por antecipar o meu regresso, mas claro, sem antes fazer ver o meu ponto de vista junto da gerência do parque. Ah sim... tiveram de me ouvir!!!

De todas as experiência por que passo, tento retirar lições, e desta vez retiro essencialmente três:

1º A maior parte das pessoas não opta acampar com o mesmo objectivo que eu;

2º As pessoas (infelizmente e principalmente jovens) estão cada vez mais "desligados", optando ignorar o meio ambiente, os outros e até eles próprios, parece que a palavra Valores nada já diz;

3º Tentar não voltar a acampar no mês de Agosto... quando há menos pessoas de certeza que há mais a Paz que procuro.

Se fosse eu que gerisse o parque, impunha e fazia cumprir regras que garantissem, sobretudo o respeito pela Natureza que estava a explorar e o respeito pelo próximo. Façam a vida que quiserem mas não atrapalhem os outros.
Quem não cumprisse, era posto à porta do parque. Mas claro... isso não fabrica dinheiro e não faz lucro, só resultaria mesmo no mundo "Pandora"...

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Para o que me deu!


Não é segredo nenhum e já disse várias que uma das minhas maneiras de "recarregar baterias" é estar em contacto com a natureza. Por isso, há meia dúzia de anos que todos os verões vou acampar, a fim de tentar ter essa tal ligação com o meio ambiente.
Descobri também há meia dúzia de anos um parque de campismo fantástico, onde ponho a minha tenda mesmo no limite de uma falésia sobre a praia, que me permite não ter praticamente vizinhos nenhuns e uma vista desimpedida para o mar.
Adoro adormecer e acordar com o som das ondas, dormir no chão (sem colchão), ouvir o vento nos arbustos, apreciar o cantar de um pássaro, enfim... maravilhoso...
Acordo por volta das 6h30 da manhã (sem esforço nenhum e sem despertador), calço os meus ténis, desço a falésia e ando cerca de uma hora na praia completamente vazia, é lindo... mas vou caminhando e vejo uma garrafa de plástico abandonada na areia... ando mais uns metros e vejo outra... olho para o outro lado e vejo um saco plástico... uma garrafa de cerveja... um pacote de sumo... afinal a praia paradisíaca tem as marcas da espécie humana... começo a ficar irritada!
Penso: "tenho duas hipóteses: posso ignorar todo este lixo ou apanhá-lo e colocar onde deveria ele estar, no caixote".
Não consigo ignorar... e lá vou indo, fazendo a minha caminhada matinal e a apanhar o lixo da praia!
No primeiro dia, eu e o Fernando apanhámos peça a peça e colocávamos no lixo. Agora até levamos um saco, vamos andando e apanhando, no final colocamos tudo no caixote, evitando assim fazer "piscinas" até ao bendito caixote.
Agora deu-me para isto... o melhor é que arrasto o meu maridinho para estas psicoses, mas não consigo ignorar e fingir que a poluição do nosso planeta não é nada comigo, tento fazer alguma coisa e se está algo à minha frente que não está bem então não vou deixar outro fazer, faço e pronto!
Não consigo perceber como ainda há pessoas que ficam de consciência tranquila deixando lixo no ambiente, seja praia ou campo, ou até nas suas próprias casas. Para mim já é inconcebível não reciclar quanto mais poluir desta maneira! Será que não percebem que nós fazemos parte de um todo, que está tudo interligado e que quando "ferimos" o nosso meio ambiente estamos a ferimo-nos a nós próprios? É assim tão difícil respeitar o nosso planeta?
Não entendo...
Eu deixei de pensar que o lixo deixado no ambiente é um problema de outros. É um problema de todos, e é um dever como cidadã ou melhor como espécie que habita neste planeta colaborar. Apanho mesmo e coloco no lixo... amanhã até estou a pensar levar levar três sacos para dividir e pôr a reciclar... é pá deu-me para isto... o meu marido que me ature!!!

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Um novo vício!


Fotografar...
Imaginem o que é que o meu Amor me ofereceu nos meus anos: uma máquina fotográfica!!
Há anos que queria uma e ele lá me surpreendeu com uma fantástica, que faz tudo e mais alguma coisa...
Agora passo a vida a brincar com ela. Tiro fotos a tudo... faço zooms... tiro a preto e branco... em sépia... cor natural... especial praia... auto-retratos... retratos ao meu amorzinho... especial paisagens... etc... um sem fim de experiências!
Uma brincadeira girissíma, mas cara... já me fartei de gastar dinheiro em pilhas!
Esta máquina come pilhas como eu como chocolates!
Solução: tenho de ir á Kodak comprar umas de lítio recarregavéis para ver se dura mais de 10 minutos.
Mas vale a pena... adoro fotografia e adoro fotografar, de tal maneira que me passou pela cabeça:
Deixo a dança para me dedicar à fotografia?
Talvez não tanto...

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Depois de um ano...


... a escrever no blog, apercebo-me que me encontro no mesmo local continuando a escrever nele.
Pensei há um ano atrás que não ia aguentar tanto tempo, mas aqui estou... na mesma mesa a escrever esta mensagem.
Descobri que escrever não é assim tão difícil como julgava, acho que o segredo é transcrever o que sentimos e pensamos sem grandes frases ou palavras difíceis. Percebi que escrever ajuda-me a organizar idéias e melhor: a partilha-las com muito mais gente que possa imaginar.
O saldo ao fim deste ano como blogger é bastante positivo. Recebi inúmeros comentários interessantes, elogios, mas também criticas... umas construtivas outras nem por isso...
Este desafio que me propus acho que está a ser superado! Bem como o lidar com este "bicho" que é o pc, net, etc... apesar que gostava de saber pôr mais "macacada" no blog, mas enfim... vou tentando...

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Lá estou eu nos 31...


Tinha de ser... era inevitável... sou oficialmente uma trintona!
O mais engraçado é que quando tinha 20 anos, não queria por nada chegar aos 30, e agora acho que esta idade é bem melhor.
Há precisamente 10 anos atrás, não tinha casa própria, não sabia o que queria da vida, dependia dos meus pais, estava a tirar um curso frustante, tinha engordado imenso, era infantil, insegura, parecia que vivia em guerra com o mundo e comigo própria, insistia em não viver... dois únicos aspectos positivos: comecei o relacionamento com o meu marido e comecei a aprender Dança Oriental.
Dez anos depois tenho a minha casa, não dependo dos meus pais, "tirei" o bendito curso e consegui emagrecer (bom... mais ou menos... engordo...emagreço...enfim...), continuo esse relacionamento e tornei-me bailarina.
Hoje sei o quero, amadureci, desenvolvi a minha auto-estima, (re)encontrei espiritualidade, sinto Paz, VIVO! A vida é bem melhor aos 31!!!
O grande desafio que sinto agora é encontrar EQUILÍBRIO.
Em todos os aspectos da minha vida, sou de extremos. Anseio perceber onde há equilíbrio...
Será que daqui a 10 anos o terei encontrado?...