sexta-feira, 24 de junho de 2011

Porque adoro ensinar...

Para mim, ser professora de Dança Oriental é bem mais difícil de ser "só" bailarina.
Eu sou os dois. 
Assim, que comecei a dançar profissionalmente comecei também logo a ensinar... ensinar!... ao longo destes anos aprendi mais com as alunas que elas comigo.
Já passaram por mim, centenas de alunas e posso dizer que foi em estúdios de dança, com elas (e alguns eles) que desenvolvi e cresci como bailarina solista que sou.
Enquanto professora, tenho a máxima de realmente ensinar a dançar D.O. e não (só) passar coreografias,  o que seria bem mais fácil e poupava-me muita dor de cabeça. Este princípio,  faz com que exija de mim mas muito mais delas. Infelizmente, muitas não percebem a exigência não só física mas emocional e espiritual que tenho quando alguém vem aprender comigo, não aguentam e acabam por desistir. Outras simplesmente não se identificam com o meu estilo de dança (cada vez mais personalizado) e aulas que não são pré-elaboradas mas são-no na hora, conforme "sinto" as pessoas que tenho à minha frente. Noutros casos, a vida puxa-as para diferentes caminhos que não a dança, não dá para fazer tudo e muitas vezes tem de se fazer escolhas.
Ao longo destes oito anos já me  "apareceu" todo o tipo de alunas que, cada vez mais são um desafio às minhas capacidades de ensino, tolerância e paciência. A ingratidão, imaturidade e falta de respeito que muitas vezes têm, já fez com que estivesse muito perto de deixar de ensinar e dedicar-me só às performances.  Mas, sei que tenho (Graças a Deus) algumas que com todas as dificuldades inerentes à aprendizagem correcta da D.O. e limitações quotidianas, fazem questão de aprender comigo. São estas e outras ex-alunas que me relembram porque quis ensinar e porque devo continuar. Como uma que não sei quem é mas ela sabe quem sou e, de alguma maneira, as minhas aulas lhe "tocaram" e ela retribui-me com esta esta mensagem que vou partilhar convosco:

"Sara, fui tua aluna apenas durante uns escassos meses. Por motivos que não vêm aqui ao caso, não pude continuar. E sempre tive pena.
Há uns tempos atrás encontrei o teu blog, porque queria mostrar a uma amiga, que recentemente começou a ter aulas de dança oriental, quem tinha sido a minha prof. Achei o blog tão genuíno que li todos os textos que cá puseste. Nunca comentei, mas agora, correndo o risco de parecer intrometida, apetece-me fazê-lo... embora também considere que o choro é necessário para limpar as porcarias que nos consomem, queria dar-te uma palavra de apreço. Vale o que vale ouvir isto de uma desconhecida, mas... a memória que tenho de ti, nas aulas da cidade universitária, é muito boa. Não percebo nada de dança, mas, tenho sensibilidade às artes, e acho que és maravilhosa. Vi muitos vídeos teus no youtube, uma vez até te vi a dançar ao vivo, e lembrei-me do que já achava naquela altura, que tens qualquer coisa especial. Por isso, chora o que for preciso, enquanto for preciso, mas recompõe-te. Ficas muito bonita quando sorris."

Esta mensagem veio na hora certa, dando-me força para não mandar tudo para as urtigas, não faz ideia quem me escreveu, o impacto que teve em mim... é por isto que adoro ensinar... pois é tudo uma partilha.