quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Próximos shows - novembro 09

Informo, a todos que estiverem interessados, que estarei a dançar nos seguintes locais e datas:

. Al-Sahara Bar (Santos) - dias 31 Outubro e 6 de Novembro, a partir das 23h.

. Al-Arabiya Bar (Ericeira) - 27 de Novembro, a partir das 23h


Não esquecer:

Espectáculo - "Simplesmente Dançando..."

Convida-o a assistir ao seu mais recente espectáculo:

Sinto dançando,
Medito dançando,
Partilho, dançando,
Vivo,
Simplesmente Dançando…

21 Novembro 09 . 18h30 . 17,50€

Al Sahara Café Bar . Santos
Calçada do Marquês de Abrantes, 72, Santos, Lisboa

Para adquirir bilhetes contacte:
e-mail –
saranaadirah@mail.pt
tlm – 91 4258256

Não perca!!!!

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Os meus assistentes...


Vejam como os meus luxuosos assistentes "gozam" comigo!

Nesta foto, fingem que são meus fans e que ficam histéricos com o cartaz do meu próximo espectáculo.

Farto-me de rir durante os intervalos entre danças. Além da preciosa ajuda que me dão antes, durante e depois de cada show que dou, ainda conseguem fazer com que as horas passem depressa e de uma forma descontraída, aligeirando a minha tensão.

A minha irmãzinha ajuda-me a vestir/trocar de trajes e a tirar fotos. Já o meu maridinho faz de "manager" e de guarda-costas.

Mas para além de toda a diversão que fazem, eles são também os meus maiores críticos. Os comentários que fazem ao meu trabalho, dança após dança ajudam-me a melhorar de show para show.

Todos nós precisamos de ajuda, e eu mais do que nunca agradeço do fundo do meu coração toda a ajuda que eles os dois me dão, principalmente a do meu marido e amor, que não deixa de me acompanhar a todo o lado que vou dançar e já lá vão muiiiiiitos sítios e a alguns anos.

Ele é o meu maior e melhor critico, oiço sempre com muita atenção tudo o que me diz drante e depois de cada show e raramente me elogia , o que me deixa sempre frustrada a pensar que fiz uma má performance, mas quando me vou deitar completamente cansada, com dificuldade em adormecer devido a esse mesmo cansaço e a rever mentalmente toda a noite, ele diz-me ao ouvido: "descansa minha odaliscazinha..." assim consigo adormecer com a consciência tranquila que dancei fantasticamente.

sábado, 24 de outubro de 2009

Talvez tenha recebido uma missão...


Hoje tenho mais um show, aberto para quem quiser assistir em mais um bar árabe (no Al-Sahara em Santos). Estranho o rumo que as nossas carreiras por vezes tomam.

Está cada vez mais está na "moda" abrirem bares/salões de chá com temáticas árabes e como é da praxe há sempre uma bailarina sextas e sábados para "animar" a noite que prometem ser exótica...

Este tipo de bares surgiram á meia dúzia de anos atrás e na altura eram só uns dois ou três, agora entopem a minha caixa de mail com publicidade, parece que abre um novo todos os meses e todos prometem que lá é que têm o melhor chá, cachimbo de água, a bailarina do momento...

Confesso que nunca me interessou dançar nestes espaços. Sempre achei que não cobriam os meus requisitos mínimos para poder dançar (lembro que dançar não é só demonstrar movimentos uns atrás dos outros, é fazer Arte e acredito que a arte tem de estar inserida num determinado contexto senão fica sem sentido e o que mais detesto é "dar pérolas a porcos"). Estes espaços criam um ambiente que não me agrada particularmente e acho que não são propícios á pratica de demonstrar dança com todo o seu valor. Mas, por vezes temos de nos render ás "modas" e experimentar novos desafios. Se eles vêem ter comigo, porque não enfrentá-los, eles vêem por algum propósito, assim eu acredito.

Se, muitas "bailarinas" ficam em êxtase quando vão executar as suas performances (não uso o termo dançar, pois são muito poucas as que realmente Dançam) nestes bares e acham que estam a realizar grandes apresentações, e são as melhores do mundo, só porque tal individuo esteve a olhar atentamente, não a sua performance mas o seu generoso decote nada disfarçado por um soutien ainda menos disfarçado (já vi trajes de supostas bailarinas que "Meu Deus!" não tenho palavras para descrever o mau gosto e falta de, muitas vezes, vergonha na cara). Para mim, dançar nestes locais torna-se uma missão (se calhar uma missão utópica) de quem estiver a ver-me, VER Dança Oriental. Não fusões, tribalismos, espécies de danças exóticas que infelizmente, colocam tudo no grande saco da Dança Oriental, mas vejam Dança Árabe na sua mais pura e exacta versão. Pretendo que o público que está ali esteja, que supostamente sabe que vai ver Dança Oriental, veja para além do decote, pernas, ventre, lantejoulas, sei que praticamente impossível que não reparem nisso, tanto homens como mulheres, mas não quero que fiquem por aí, quero sim que vejam Arte, quase como se estivessem numa sala de espectáculos a assistir a um espectáculo, que realmente se deliciem com o show, por mais simples que seja e que saiam a dizer: "gostei da bailarina, encantou-me a sua dança, afinal a dança do ventre ( como é vulgarmente chamada) é diferente do que imaginava" e não: "gostei das pernas dela, ela era bem gira"... (para não dizer outros termos).
Dir-me-ão: isso é impossível, ali querem ver é meninas bonitas, com tudo no sítio, querem lá saber da dança...
Não creio que seja impossível, acredito que cabe a nós bailarinas "educar" mentalidades, se calhar sou sonhadora demais, mas este é o meu desejo!
Já que são estes espaços que promovem, grande parte, a Dança Oriental neste país, então quem for a um bar porque também quer ver dança, assista a boa Dança e não só um show de vaidades e exotismos.

Quero marcar a diferença e mudar (pre)conceitos será que consigo?! Pelo menos vou tentar...

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Espectáculo: Simplesmente Dançando...


Sara Naadirah
convida-o a assistir ao seu mais recente espectáculo de Dança Oriental:

Sinto dançando,
Medito dançando,
Partilho, dançando,
Vivo,
Simplesmente Dançando…

21 Novembro 09 . 18h30 . 17,50€

Al Sahara Café Bar . Santos
Calçada do Marquês de Abrantes, 72, Santos, Lisboa

Para adquirir bilhetes contacte:
e-mail –
saranaadirah@mail.pt
tlm – 91 4258256

O que seria do mundo...


Se os bailarinos não existissem?

Se os pintores, músicos não existissem?

Se os arquitectos, escultores, escritores, não existissem?

Se os cantores, actores, fotógrafos, não existissem?

O que seria do mundo se os Artistas não existissem?

Oiço muitas vezes dizerem que são dispensáveis, que são pessoas estranhas e com manias, que mais valiam era trabalharem como pessoas normais e deixarem-se de sonhos e projectos que não alimentam barrigas...

Mas será que é mesmo assim? Imaginem não haver música, poemas, dança, pintura... Não seria como o dia sem sol? A noite sem a lua? Um jardim sem flores? Porque é isto que acho que são os Artistas: o sol do dia, a lua da noite, as flores de um jardim...

Eu considero-me uma Artista, e acho que todas as bailarinas, dignas na sua profissão assim o deveriam considerar-se também, com todos os seus deveres e exigências. Mas o que é Ser Artista? É simplesmente uma profissão ou é uma forma de vida? Ou são as duas coisas?

Dizem-me muitas vezes, mesmo em tom de brincadeira: "não fazes nada, que rica vida a tua, trabalhas só umas horas, se trabalhasses das nove ás nove como eu..." mas não será que um artista está 24h sobre 24horas a trabalhar?

Claro que não estou a toda a hora a dançar, mas digo-vos que o meu modo de vida funde-se com a minha profissão e estou constantemente a trabalhar, a imaginar, a criar. Mas para o comum das pessoas isso não é trabalho, é prazer... e o trabalho não pode ser prazer também? Ou só trabalha quem é infeliz na sua profissão?Vou-vos contar um segredo: sabem como tive a ideia e como imaginei o meu último espectáculo? Foi a adormecer. E sabem como escolho muitas das musicas para os meus shows? É a estender roupa ou a fazer o almoço. Como vêem, não paro de trabalhar, e são nos pequenos pormenores do dia a dia que surgem inspirações para criarmos a Arte que embeleza o nosso mundo e que fazem aos simples mortais sonharem um pouco, porque o nosso "trabalho" é precisamente esse Sonhar.

Como seria o mundo, a vida, sem nós, Artistas que são incompreendidos e marginalizados, mas mesmo assim brinda-mo-vos com as nossas pinturas, poemas, esculturas, danças... e quando os simples mortais tomam contacto com a nossa Arte ficam encantados e hipnotizados. E o que recebemos em troca? Maior parte das vezes nada. Então o que nos faz continuar? Masoquismo? Não... continuamos porque simplesmente é o nosso dever como "decoradores da vida", porque quando estou a dançar e uma criança que me está a ver, sorri completamente fascinada sinto que cumpri o meu dever neste mundo, porque quando sinto no publico um encantamento, percebo o quanto é importante a minha dança, porque quando oiço as palmas, preencho a minha Alma.

É destes pequenos reconhecimentos que vive um Artista, que na maior parte das vezes, as palmas não se convertem em dinheiro para ele viver, nem numa casa para morar, mas converte-se num estranho vício que queremos mais e mais...

O que seria o mundo sem a Beleza e a Arte... o que seria do mundo sem as estranhas formas de vidas de tantos Artistas...

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Show no Al Arabiya - 16 Outubro


Normalmente danço em eventos privados onde o público em geral não pode assistir, mas, amanhã,

dia 16 Outubro, irei estar a dançar no Bar Al Arabiya, na Ericeira, a partir das 22h,

para todos que quiserem ver!

Apareçam!!! Prometo não vos desiludir...



E...

Fixe esta data:

21 Novembro, no Al-Sahara, em Lisboa

irei apresentar o meu novo espectáculo... Fique atento...


sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Workshop de Dança Oriental para Crianças


Workshop de Dança Oriental para Crianças
dos 4 aos 12 anos
com
Sara Naadirah


14 de Novembro (sábado) das 10h30 às 12h00

na, escola de dança Dança Livre
rua marquês de fronteira, 76, Campolide

Preço: 25€

Sara Naadirah, convida as crianças a experimentar a magia da Dança Oriental num workshop somente dedicado aos mais pequeninos. Elas, que se encontram em desenvolvimento físico, poderão de uma maneira divertida e diferente, desenvolver também a sua coordenação motora, intuição e criatividade.

A sua filha irá adorar este presente antecipado de Natal!!!

Entrega de certificado de participação.

Necessário: roupa confortável, umas meias para os pés, e um lenço para pôr na anca.

Inscrições:
Para se inscrever, terá de fazer o pagamento do workshop, através de transferência bancária para o nib: 0007 0271 0015 0604809 65
Quando tiver feito a transferência, terá de avisar para o e-mail: saranaadirah@mail.pt ou 91 425 82 56 dizendo o nome da criança.

Atenção: só serão aceites inscrições mediante o pagamento do preço do workshop, uma vez inscrito não haverá devolução em caso de desistência ou não comparecia no workshop.

Para mais informações ou dúvidas, contacte para o e-mail ou telemóvel acima referidos
.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Mais um balde de água fria II

Acho que vou criar um blog intitulado: "As crónicas dos baldinhos". Não posso deixar de vos contar a última que me aconteceu, assim, conto com os vossos comentários afim de me ajudarem a perceber se estou a ficar maluca ou o mundo é que está a enlouquecer.
Estava eu descansadinha a entrar para o cinema (recomendo o filme "Distrito 9"), dia 26 de Setembro sábado - depois vão perceber o porquê das datas - quando o telemóvel toca. Não atendo pois o filme ia começar, mas quando houve o intervalo fui ouvir a mensagem que me deixaram no voicemail, e dizia (voz de homem): "Olá, queria propor-lhe um trabalho, vou enviar-lhe um mail para adiantar do que se trata."
Fiquei curiosa, e no dia seguinte, pois nesse sábado tinha chegado muito tarde, fui ler o mail. Era uma proposta para dançar em duas feiras árabes/islâmicas, uma cá em Portugal já no fim-de-semana a seguir (3 e 4 de Outubro), outra em Espanha no fim-de-semana seguinte. Fiquei bastante entusiasmada pois este tipo de trabalho é cansativo mas muito divertido. Respondo pedindo que me ligassem segunda feira, afim de perceber melhor todo o trabalho antes de aceitar ou não.
Chega segunda feira e liga-me o tal senhor, falamos sobre a proposta, coloco todas as minhas questões (antes de aceitar qualquer trabalho gosto de saber todas as condições que me oferecem e eu digo as minhas) achei bem tudo, até o cachêt que me propunham (desta vez impuseram-me um determinado valor) e aceitei. Ficou combinado ir dançar na feira cá em Portugal e a Espanha, concluímos a conversa com ele a dizer: " logo que tiver mais informações ligo-lhe para combinarmos horários e outros pormenores."
E fiquei á espera... terça... quarta... quinta... sexta já estando a preparar trajes, adereços, mala, etc, comecei a achar muito estranho não me ligarem a confirmar e informar onde tinha de ir ter, a que horas e se era preciso mais alguma coisa da minha parte. Eu tinha de ir no dia a seguir e não sabia de mais nada desde o telefonema de segunda feira anterior.
Já impaciente, por volta da 13h, resolvo ligar-lhes, não atendem. O meu instinto já dava sinal que havia qualquer coisa errada. Passado mais ou menos uma hora, ligo de novo, já pressentindo que algo não estava bem, mas acredito sempre que as pessoas são sérias e se não me deram as informações logo foi porque por alguma razão não puderam. Atendem finalmente, e digo-lhe: "olá! preciso de saber o local e as horas que precisa que eu esteja aí" (eles já lá estavam na feira a montar tendas e outros cenários) e responde-me: "ah... olá sara... como está... sabe surgiu uma confusão..." Eu comecei a revirar os olhos... " o meu sócio sem eu saber já se tinha comprometido com outra bailarina antes de eu falar consigo." E pensei eu - o quê???? e digo-lhe já com uma voz irritada: "mas quer que eu vá ou não?", pensei para comigo que por mim não há problema que haja mais bailarinas... e ele tem a "lata" - já vão perceber o porquê deste adjectivo - de me responder: "sim, sim, eu quero que venha, mas sabe, o orçamento que dispomos não dá para ter duas bailarinas, eu estou a ver se consigo com o presidente daqui, que ele pague uma parte. Dê-me até ás cinco da tarde e já lhe dou uma resposta". Eu, mesmo assim, acreditando que as pessoas são minimamente sérias digo: "então fico á espera" eram mais ou menos 14h30.
Passa as três... as quatro... as cinco... as seis... e ás sete horas, e nada de me telefonarem. Já completamente passada, resolvo mais uma vez, ser eu a ligar para saber como era. Não atende! Deixo passar mais meia hora e ligo de novo, lá têm a gentileza de atender: "ah... sara..." e digo-lhe já numa voz que ele deve ter imaginado a minha cara " então????" e diz-me aquilo que já calculava: "olhe infelizmente fica a sua vinda sem efeito..." claro que já sabia que seria essa resposta, mas queria ouvi-la da voz de quem me tinha "contratado". Fiquei tão irritada, que a falar com ele comecei a ficar rouca dos nervos. Enquanto se desfazia em desculpas falsas e explicações esfarrapadas, disse-lhe algumas, mas mesmo assim tento não descer do meu nível de educação e como sou uma incurável optimista, respiro fundo e ainda pergunto: "e para o outro fim-de-semana em Espanha, sempre quer que eu vá?" E diz-me: " em principio sim, mas terça feira (esta última que passou) ligo-lhe para falarmos melhor".
Até hoje estou á espera do telefonema...

Quis contar-vos mais este caricato episódio, para, como disse no início, me digam se será que estou a ficar maluquinha ou as pessoas estão a perder completamente o respeito e a consideração umas pelas outras?
Por favor, digam-me: fiz alguma coisa de errado? Ou será que as bailarinas neste país (e no mundo) não merecem respeito pelo seu trabalho? Somos assim tão descartáveis ao ponto de não sermos levadas a sério e de não terem mínima consideração, de pelo menos avisar que afinal já não vão precisar dos nossos serviços? Pelo menos da outra vez - no texto Mais um balde de água fria - ainda enviaram uma mensagem, desta vez, tive eu de perceber que afinal já não ia dançar! Será que pensam que não tenho mais nada que fazer? Se danço danço, se não danço também não faz mal? Não sou confiável? Será que pensaram que se não dissessem nada eu também não iria perguntar, nem aparecer?
Ainda por cima, tive uma outra proposta para ir dançar noutro evento nesse mesmo fim-de-semana, e recusei pois já estava comprometida com os que me deram a balda! Mereço, não mereço?
Sei que tive um ataque de choro pela raiva que estava a sentir. Detesto saber que fui gozada, desrespeitada como pessoa e bailarina, mas sei que infelizmente tenho de levar com pessoas e empresas deste tipo. Felizmente não são todos assim, mas assusta-me o crescimento da falta de consideração que há pela seriedade das bailarinas, o pensarem que se não for uma é outra, e não interessa a qualidade, experiência e dedicação.
E agora pergunto-vos: de quem é a culpa? De nós, bailarinas, que muitas passam uma atitude muito pouco profissional, e infelizmente por umas pagam as outras, ou as entidades/pessoas que nos contratam, que generalizam e pensam que são todas iguais?
Dá que pensar...

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Workshop de Dança Oriental

“Coreografia Clássica Egípcia de Véu e Percussão”


31 de Outubro (sábado) – 10h às 13h


Local
:
escola de dança Dança Livre
Rua Marquês de Fronteira, nº76, Campolide




Programa
aprender uma coreografia clássica egípcia dividida em duas partes distintas:
1ª parte - introdução e desenvolvimento com técnica de véu;
Intervalo – espaço onde pode colocar as suas dúvidas e curiosidades sobre Dança Oriental,
saboreando um chá tipicamente egípcio;
2ª parte – finalização com interpretação de percussão.

Objectivos
através desta coreografia poderá:
- adquirir a técnica base da dança;
- possíveis ligações entre movimentos;
- interpretar a música clássica e percussão;
- adquirir ou aperfeiçoar técnica de véu;
- aprender mais sobre o universo da Dança Oriental.

Nível Aberto
- para todos os níveis:
- este workshop destina-se a todos que querem, cada vez mais, aprofundar os seus conhecimentos sobre a dança.

Será entregue:
- cd com a música da coreografia;
- certificado de participação.

Preço: 45€

Inscrições:
- para se inscrever terá de fazer o pagamento de no mínimo 25€ ;
- através de transferência bancária para o nib: 0007 0271 0015 0604809 65 (BES);
- os 20€ restantes terá de os entregar á professora no dia do workshop;
- se preferir pode fazer a transferência do valor total;
- quando tiver feito a transferência, terá de avisar para o e-mail: saranaadirah@mail.pt ou 91 425 82 56 informando o seu nome, telemóvel, e o valor que transferiu.

Dúvidas e mais informações contacte:
saranaadirah@mail.pt
- 914258256
- facebook.com/sara.naadirah
- http://saranaadirah.hi5.com