Avançar para o conteúdo principal

Porque adoro ensinar...

Para mim, ser professora de Dança Oriental é bem mais difícil de ser "só" bailarina.
Eu sou os dois. 
Assim, que comecei a dançar profissionalmente comecei também logo a ensinar... ensinar!... ao longo destes anos aprendi mais com as alunas que elas comigo.
Já passaram por mim, centenas de alunas e posso dizer que foi em estúdios de dança, com elas (e alguns eles) que desenvolvi e cresci como bailarina solista que sou.
Enquanto professora, tenho a máxima de realmente ensinar a dançar D.O. e não (só) passar coreografias,  o que seria bem mais fácil e poupava-me muita dor de cabeça. Este princípio,  faz com que exija de mim mas muito mais delas. Infelizmente, muitas não percebem a exigência não só física mas emocional e espiritual que tenho quando alguém vem aprender comigo, não aguentam e acabam por desistir. Outras simplesmente não se identificam com o meu estilo de dança (cada vez mais personalizado) e aulas que não são pré-elaboradas mas são-no na hora, conforme "sinto" as pessoas que tenho à minha frente. Noutros casos, a vida puxa-as para diferentes caminhos que não a dança, não dá para fazer tudo e muitas vezes tem de se fazer escolhas.
Ao longo destes oito anos já me  "apareceu" todo o tipo de alunas que, cada vez mais são um desafio às minhas capacidades de ensino, tolerância e paciência. A ingratidão, imaturidade e falta de respeito que muitas vezes têm, já fez com que estivesse muito perto de deixar de ensinar e dedicar-me só às performances.  Mas, sei que tenho (Graças a Deus) algumas que com todas as dificuldades inerentes à aprendizagem correcta da D.O. e limitações quotidianas, fazem questão de aprender comigo. São estas e outras ex-alunas que me relembram porque quis ensinar e porque devo continuar. Como uma que não sei quem é mas ela sabe quem sou e, de alguma maneira, as minhas aulas lhe "tocaram" e ela retribui-me com esta esta mensagem que vou partilhar convosco:

"Sara, fui tua aluna apenas durante uns escassos meses. Por motivos que não vêm aqui ao caso, não pude continuar. E sempre tive pena.
Há uns tempos atrás encontrei o teu blog, porque queria mostrar a uma amiga, que recentemente começou a ter aulas de dança oriental, quem tinha sido a minha prof. Achei o blog tão genuíno que li todos os textos que cá puseste. Nunca comentei, mas agora, correndo o risco de parecer intrometida, apetece-me fazê-lo... embora também considere que o choro é necessário para limpar as porcarias que nos consomem, queria dar-te uma palavra de apreço. Vale o que vale ouvir isto de uma desconhecida, mas... a memória que tenho de ti, nas aulas da cidade universitária, é muito boa. Não percebo nada de dança, mas, tenho sensibilidade às artes, e acho que és maravilhosa. Vi muitos vídeos teus no youtube, uma vez até te vi a dançar ao vivo, e lembrei-me do que já achava naquela altura, que tens qualquer coisa especial. Por isso, chora o que for preciso, enquanto for preciso, mas recompõe-te. Ficas muito bonita quando sorris."

Esta mensagem veio na hora certa, dando-me força para não mandar tudo para as urtigas, não faz ideia quem me escreveu, o impacto que teve em mim... é por isto que adoro ensinar... pois é tudo uma partilha.

Comentários

  1. Opa.. Que bonito!!! Adorei, força Sara! E já agora, ela tem muita razão, ficas linda quando sorris!! Beijinho grande, Cláudia (D.O)

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que gostas tanto de ensinar, Sara, és uma grande professora. É essa exigência não só física mas emocional e espiritual e essa tua capacidade de ensinar realmente a dançar com aulas feitas na hora, em vez de coreografias, que te torna numa professora tão boa (além de, claro, seres uma grande dançarina). Em todas as aulas que eu tenho contigo, eu aprendo mais alguma coisa. Aprendi e evolui tanto contigo em tão pouco tempo… e cada vez sinto mais que tenho uma infinidade de coisas a aprender contigo - és uma fonte inesgotável. Para mim, és, sem dúvida, uma inspiração.

    ResponderEliminar
  3. Sarah es perfeito ao meu ver beijos grandes fostes a maior professora que tive

    ResponderEliminar
  4. Fico feliz que o meu comentário tenha tido um efeito tão positivo! ;) Senti tudo o que disse.

    Também sou professora (recém formada) e acho que os professores que se empenham no que fazem devem apoiar-se uns aos outros, porque ensinar, seja dança ou línguas ou lá o que for, exige muito de nós.

    Imagino que seja difícil recordares-te de mim, porque só estive uns cinco meses nas tuas aulas (e era uma aluna muito desengonçada, hehehe). As aulas eram na cidade universitária e estive lá no primeiro semestre de 2005/2006, se não estou em erro.

    Bom, como disseste, é tudo uma partilha. E acredito o nosso trabalho, quando é sentido, alcança muito mais gente do que à partida poderíamos prever.

    Um beijinho,
    Cátia R.

    ResponderEliminar
  5. Querida Sara,
    tenho tanto a dizer no seguimento da nossa conversa ontem à noite.
    Tenho de escrever calmamente para transpor as ideias.
    De qualquer forma, quero que saibas que adorei a N/conversa e que hei-de contar a experiência de transformação tão profunda que a Dança Oriental tem feito na minha Vida e no meu Ser. Fiquei com vontade de partilhar.
    Algo que já disse várias vezes, para mim é uma honra e uma bênção ser tua aluna!
    Obrigada pela paciência e por me ajudares nesta transformação no casulo!
    Beijo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…

O meu querido mês de Agosto

Há muito que não tinha umas férias tão revitalizantes como estas últimas. Eu adoro o mês de Agosto. Não só por começá-lo com o meu aniversário, mas porque também marca o inicio de uma nova etapa e um novo ano com mais desafios. Partilho convosco os meus pontos altos: . Dormi, dormi, dormi e... dormi! Consegui pôr o meu sono em dia, apesar de me levantar sempre cedo para ir para a praia ou simplesmente passear. Não há nada como dormir numa tenda com o meu marido e cadelinha rodeados de natureza e o som do mar, fazer grandes sestas ao som do vento a passar pelas folhas das arvores. É mágico... . Estar sempre com a Nikita na praia. É fantástico... o que me diverti e o que ela nadou!! Apesar de ter de andar quilometros para ir para um local da praia quase deserta, valia a pena estarmos sozinhos e completamente à vontade. . Ter desligado o telemóvel e pc! Dar só atenção ao meu marido e ele a mim... foi otimo... . Ter comido o que me apeteceu à hora que queria, sem o minimo de restrições! Que bo…