Avançar para o conteúdo principal

A verdadeira revolução...

Hoje soube da noticia que está a rodar o mundo: a agressão à jornalista americana que cobria as últimas novidades sobre a queda do regime no Egipto.
Fiquei profundamente desiludida...
Com este triste episódio, os egípcios que agrediram esta mulher, envergonharam a nível mundial, toda esta revolução, que eu ousei dizer publicamente que tinha orgulho nela por não ter havido violência.
Como é possível??!!! Metade luta por dignidade e a outra metade estraga tudo... e mais uma vez, o ocidente vai ficar com uma péssima imagem do médio oriente.

Este acontecimento deixa-me a pensar, confirmando, talvez, o que receava: será que houve realmente uma mudança ou simplesmente caiu um regime que será substituído por outro igual ou pior?
Irá ficar tudo na mesma, mas com outras caras?

No meu ver, a mudança tem de ser cultural, educacional, social. Não basta só uma mudança governamental, a verdadeira mudança está nos valores que um povo tem e pergunto: como pode um país evoluir, a todos os níveis, se o valor que dão à Mulher é igual a que dão a um objecto que pensam que têm o direito de possuir?
Para o homem árabe (claro que há excepções), não percebem o mal que foi feito aquela mulher, pois acham que ela merecia, senão não estaria ali. Estaria em casa, com o marido ou pai ou irmão e não a trabalhar como jornalista num país estrangeiro, rodeada de colegas masculinos. Para eles, ela queria...
Eu sei bem o que é ser assediada nas ruas do Cairo, já fui apalpada, insultada com
"piropos" nojentos e tentativas de ser negociada como mera mercadoria, sem o mínimo do meu consentimento, simplesmente por ser... Mulher... estrangeira com liberdade de fazer e andar onde quer e sozinha! Para muitos, sou só mais uma à procura de companhia masculina...

Infelizmente, a falta de respeito à Mulher não se passa só no Médio Oriente, passa-se em TODO O PLANETA, seja em países de terceiro mundo ou primeiro mundo.
Quantas mulheres neste preciso momento estão a ser vitimas do abuso de poder que os homens julgam ter?? Milhares...
Mas, nós mulheres TEMOS PODER de mudar este cenário, embora eles digam que não... foi um grupo de mulheres que salvou a jornalista, resgatando-a. Elas sabem o que é ser mal tratadas e a solidariedade entre nós neste tipo de abuso não tem fronteiras, raças, credos... somos mulheres e sabemos como é, mesmo que nunca tenhamos passado por alguma agressão!
Quando é que isto irá mudar???? Quantas mais mulheres têm de morrer e sofrer????
Acho que deviam ter sido ELAS a fazer a revolução no Egipto.
Colocar uma delas no poder... isso sim seria uma mudança... isso sim seria uma verdadeira revolução!

Comentários

  1. Sara, concordo inteiramente contigo!
    Subscrevo.
    Cabe-nos nunca ceder naquilo em que acreditamos, não calar jamais, essa também é uma forma de luta.
    Beijinhos e bom fds.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…