Avançar para o conteúdo principal

Letting go...


"Thomas: In 4 years every time you dance I see you obsessed getting each and every move perfectly right but I never see you lose yourself. Ever! All that discipline for what?
Nina: I just want to be perfect.
TL: What?
N:I want to be perfect.
TL: Perfection is not just about control. It's also about letting go. Surprise yourself so you can surprise the audience. Transcendence! Very few have it in them."

Dialgo entre o coreografo Thomas e a bailarina Nina no filme "Black Swan"

O que é a perfeição senão pura ilusão.
Mas ter capacidade de nos superar a nós próprios e nos transcender, surpreendendo-nos, é o caminho mais perto para uma "perfeição" real.

Vivemos numa espera de ilusões, onde nos iludem desde pequenos com a exigência de uma perfeição errada, valores ditos em voz alta mas não vividos nem demonstrados, mostram-nos uma felicidade pobre baseada em riqueza monetária, falam em espiritualidade mas com almas podres, ensinam-nos a ficar calados quando nos apetece gritar.
E se me tivessem logo mostrado o contrário? A verdadeira realidade?
Escusava de ter passado por tanta desilusão e ter tido uma outra educação paralela, solitária, onde percebi que a esfera era falsa...

Em vez de ter estado obsessiva em atingir a perfeição através do controlo e no racional, o que era extremamente cansativo e chato, podia ter logo entendido que é, preferível transcendermo-nos que querer atingir falsas perfeições. Que surpreendermo-nos com o imperfeito é também ter felicidade, que não ter controlo é deixar Vida guiar-nos!
Anos de um ballet e técnica perfeita, era uma aluna exemplar, uma amiga incansável, uma filha obediente, uma namorada compreensiva... Tanta regra, tanta exigência, tanta prisão... para quê, porquê, ditado por quem?!!
Tão perfeita mas extremamente infeliz, insegura, medrosa. O caminho da suposta perfeição levou-me unicamente à desilusão e à infelicidade física e espiritual. Mas, não podia ser de outra maneira, não conhecia outra maneira, era suposto ser assim.

Há dez anos atrás, foi me dado a oportunidade de dar o meu grito de liberdade: Conheci a Dança Oriental.
Poderosa dança que fez com que abrisse os olhos e deu-me coragem para VIVER o que o Universo me preparou.
Ela mostro-me o potencial que tinha não me controlando, que na imperfeição surge a força para superar e aceitar-me a mim própria e a Vida como realmente é! Com as suas qualidades e defeitos!
Ouso dizer que 95% de quem faz ou aprende D. Oriental, não tem a mínima noção da oportunidade que lhes foi dado para qualificarem a vida. Acredito que é a própria D. Oriental que, numa sabedoria incompreensível perante a nossa limitada racionalidade, escolhe minuciosamente cada um que a pratica.
Não! Não é para todos e não, não é fácil, é um longo processo... mas já que foi escolhido, aproveite e LETTING GO!
Surpreenda-se a si próprio, transcendendo-se para surpreender a própria VIDA!

Comentários

  1. Olá Querida Sara :),
    não me considero de todo dona da verdade (ou do que quer que seja), mas deixo aqui o meu modesto comentário.
    Concordo contigo, ando a aprender a aceitar as imperfeições, a deixar-me ir, evoluir e crescer com elas. A minha auto-estima tem crescido e há-de continuar.
    A Dança Oriental dá-me tanto, fez-me crescer interiormente, ajuda-me a focar-me no momento presente, libertou-me de bloqueios internos, fez-me amar-me mais e ao Divino que há em mim e este processo é contínuo e dinâmico.
    Para mim é uma honra, uma bênção na minha vida (e a concretização de um sonho de menina) poder praticar Dança Oriental.
    Sinto definitivamente que não escolhi a Dança, a Dança trouxe-me a ela.
    Mas senti que era contigo que ia aprender, eras tu. Quando a intuição e a voz do coração te falam tão alto, é quase impossível não ouvires.
    Estou a aprender acima de tudo a gostar de me ver dançar e de me deixar ir, quando aprendemos o controlo temos de aprender a libertá-lo e deixar acontecer.
    Estou a gostar ainda mais das aulas desde o workshop, quando o exercício é tomar consciência do peso, ou fechar os olhos e deixar fluir, não pensar nada, só sentir, nem deixar sair o lado auto-crítico. Apenas DEIXAR fluir.
    Acho que me conectei mais profundamente Às raízes da Dança.
    Obrigada por tudo o que me tens ensinado, como dizes, acontece no momento certo.
    Beijinhos e até amanhã.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…