Avançar para o conteúdo principal

Cisne Branco / Cisne Negro

Por vezes (e não poucas) desejaria ser uma pessoa "normal".
É cansativo ser EU.
Neste inicio de ano, tenho andado a travar uma batalha entre o meu "cisne branco" e o meu "cisne negro". Como é uma guerra interna e espiritual, não haverá vencedores, mas sim, espero entrar num "acordo" entre estes dois meus cisnes e encontrar um equilíbrio que tanto a minha sanidade mental precisa.
Maior parte do tempo estou na versão cisne branco, ou seja, estou bem, calma, com um positivismo e sensação de paz e serenidade, totalmente controlado. Mas, quando surge a minha versão de cisne negro, tudo muda. Fico negativa, zangada, não acho piada e ninguém me pode dizer nada. Fico frustrada com tudo e todos questionando tudo... é tão descontrolado que tenho medo dele!
Quando este surge, a melhor maneira que encontrei para lidar com ele, é retirar-me, ficar sozinha e em silencio o maior tempo possível, afastando-me e reflectindo sobre a minha vida. São períodos difíceis que tento ultrapassar sem medicações, sendo a minha única terapia a meditação e a dança que faço para mim própria e não para o publico.
Era bom que estivesse sempre no cisne branco onde tudo parece, repito parece, que tudo está bem, iludindo-me a mim própria com uma sensação de perfeição e controlo. Embora difícil de lidar, dou graças a Deus, que me aparece o cisne negro para me chamar a atenção e consequentemente impulsionar a minha vida para o destino que me pertence, não ficando estagnada.
Ele é o meu "abre olhos" que faz com que seja imperfeita, inconformada, realista, mas perigosamente impulsiva e solta.
Equilíbrio entre eles os dois é o que eu procuro, pois nem tanto ao mar e nem tanto à terra, preciso dos dois para viver nesta sociedade, neste mundo e para ser EU.
Para isso, percebi que nada controlo, que muitas vezes luto contra a maré errada, que tenho gasto energia com guerras perdidas, que tenho estado com os ouvidos tapados. Que muitas vezes pensamos que o melhor para nós é isto mas na verdade é aquilo. Então, agora baixei os braços e irei deixar o Destino, Deus, a Energia Universal me conduzir. Vou é estar, simplesmente atenta, com os meus cinco sentidos bem apurados, fazendo só aquilo que me apetece e quero, ouvindo o meu instinto que é a voz directa do Universo, bem mais sábio que eu...
Claro que não é simples e estou muito cansada... seria bem mais fácil ignorar tanto o cisne branco como o negro e ser um pato, uma pessoa considerada normal para esta sociedade, fazendo tudo o que é suposto. Enchendo-me de comprimidos para apagar os meus sentidos e afogar-me em comida para apazigua-los, transformando o pato em patê... seria bem mais fácil... mas sou uma artista, e só consigo por carisma na minha arte, transcendendo-me através de um processo de evolução interna. Tenho mesmo de passar por tudo isto... tem mesmo de ser difícil... que Deus me dê força...

PS: aconselho a todos a ver o filme "Black Swan", fantástico!

Comentários

  1. Querida Sara,
    nas tuas meditações, sugiro que reflictas no seguinte:
    - Controlo e perfeição não existem, isso vai levar-te sempre à desilusão.
    Não controlamos o que nos rodeia, tentar fazê-lo é gastar energia desnecessariamnte.
    O ego surge com cisne negro.
    Que tal em vez disso do controlo, valorizares o livre-arbítrio? Temos esse DOM maravilhoso que nos permite escolher como queremos reagir em cada situação, é o "empowerment" na tua vida pessoal.
    - Em vez da perfeição, valoriza o momento presente, o percurso que trouxe até ele. Define um novo objectivo atingível para te saciar.
    - Actualmente, muito é exigido à mulher.
    Tem de ser boa mulher, boa profissional, boa mãe, tem de estar sempre impecável (e por aí fora).
    Frequentemente, (generalizando) as mulheres dão tanto tempo e energia a outros, que se esquecem de dedicar tempo e energia a si próprias e depois começam a ficar irritadiças, rabugentas e aborrecidas.
    Vê se tiras tempo para dedicares a ti.
    Analisa o teu tipo de diálogo interno, muitas vezes este pode ser alterado pois não te está a ajudar.
    A nossa forma de encarar as coisas muda tudo e é isso que começa logo por facilitar ou não a situação.
    É fundamental investir na evolução pessoal. Aprender para aplicarmos em nós. É possível modificar padrões de pensamento.
    Não te digo que estarás sempre feliz, mas digo-te que podes fundir os cisnes e encontrar o equilíbrio. Consegues reduzir o tempo em que estás para baixo, porque tomas o controlo pelas tuas decisões e dás a volta por cima.
    Sempre que queiras falar, obviamente que o que falamos fica entre nós, como faço quando falo contigo.
    Abraço grande (maior do que o meu comentário :), que reescrevo pois isto foi abaixo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…