Avançar para o conteúdo principal

O que quero para 2013

PAZ, PAZ e mais PAZ...

Nunca esta palavra me fez tanto sentido. Anseio PAZ. Não que 2012 não tenha sido um ano bom. Foi... durante o primeiro semestre, porque o segundo foi de fugir.
Durante este último ano que passou, entrou na minha vida (em Março) o ser mais fantástico que conheço: adotei a Nikita, a minha cadelinha que tem sido a alegria lá de casa - e concretizei um sonho muito esperado em Maio - o meu espectáculo "Nos Meus Sonhos" no Museu do Oriente.
O que dizer destes últimos seis meses... muitas noites sem dormir com preocupações, ter de lidar com frustrações, desilusões e outros "ões" que nem vale a pena recordar. 
Só posso dizer que foi difícil... em termos pessoais, emocionais e espirituais. Profissionalmente está a ser duro. Esta "crise" afectou MUITO toda a classe artística deste país.
Pensei seriamente em desistir e ir embora mas... quem me conhece sabe que só me permito desesperar por uns momentos. Sim... desespero, choro, entro em depressão e também tenho crises... sim, sou humana como todos vocês. Não sou a supermulher e muitas vezes - por um curto período de tempo - passa-me pela cabeça mandar tudo pelos ares. Depois, seco as lágrimas, sacudo a juba (não fosse eu Leão), dou uma boa gargalhada, durmo e sonho.
Como o Sonho comanda a minha vida!... E é por isso que acredito que 2013 será um EXCELENTE ano. 
Não pelo que ouço nos meios de comunicação, não pela crise financeira que teima ficar, não pelas previsões do horóscopo, não pelo fado instalado no nosso país. Mas porque acredito em mim e na minha capacidade de dar a volta por cima. Porque depende só de mim ser feliz. Porque são as minhas decisões intuitivas e do coração que irão atrair prosperidade em tudo que tocar. Porque dependo da minha dança e talento.
Depende de mim atrair PAZ e será esta a minha resolução para 2013.

Desejo-vos para o novo ano todas as cores do arco-íris, a força da água e a inspiração do vento. 



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…