Avançar para o conteúdo principal

As Minhas Memórias Parte III - A Descoberta do Oriente -



A Vida ás vezes traz-nos surpresas que nunca imaginamos  nem nos nossos sonhos mais ousados.

Para mim, durante muitos anos, a dança resumia-se a uma única modalidade: o Ballet. E foi precisamente no último ano que fiz ballet e que iria desistir de dançar, que de repente ouvi uma música diferente...

Eu era recepcionista na escola de dança que frequentava: Academia de Dança de Lisboa (que infelizmente já não existe), e reparei, que nesse ano lectivo (Setembro de 2001) ia haver uma nova modalidade: Dança Oriental. Nunca tinha ouvido falar em semelhante dança, juro que não fazia ideia do que se tratava e só pelo nome não me suscitava nenhum interesse. Aconteceu que numa das vezes que estava na recepção, sem fazer quase nada, começou uma aulas da tal dança e oiço a música. Foi magia! Aquela melodia entrou em mim como um suspiro que fez com que acordasse de um sono profundo. Não sei explicar, mas aquele tipo de música era-me familiar, e ressuscitou-me de tal maneira que fui espreitar a aula.

Claro que passar de espectador a praticante foi um passo. Comecei as aulas logo de seguida e tinha assim começado uma nova era na minha vida. Não fazia a mais pequena ideia do quanto me iria mudar e influenciar.

As primeiras aulas foram dramáticas. Parecia sei lá o quê a dançar, era um cubo de gelo e mesmo com 16 anos de dança não conseguia fazer praticamente nenhum movimento digno de Dança Oriental. Conseguia imitar bem a professora, até tinha coordenação, mas detestava ver o efeito quando me via ao espelho (é-vos familiar esta sensação?) sentia-me gorda, mal feita, feia, sem jeito nenhum. Mas não desistia, havia qualquer coisa divina que me mantinha nas aulas e acho que sempre foi a música. Adorava (e adoro) música árabe...

Lá fui continuando as aulas (mantendo as aulas de ballet ao mesmo tempo) e nelas fui-me obrigando a realmente ver-me no espelho, não só olhar, mas Ver-me. Á medida que ia aprendendo e fazendo os movimentos mais básicos da Dança Oriental, ia-me sentindo. E aos poucos fui percebendo que já não era assim tão má a figura que fazia, afinal não estava assim tão gorda, não estava assim tão feia, até é bem bonito estes movimentos em mim... fui-me apercebendo do incrível corpo que tinha, o quanto era bela, e o quanto é fascinante dançar.

Curiosamente, tantos anos de dança clássica e eu nunca tinha realmente dançado. Fazia exercícios, passos de dança, executava lindamente coreografias, mas dançar!? Foi nas aulas de Dança Oriental que comecei a dançar, sentir a música, expressar-me através daqueles movimentos tão simples mas complexos que, devido á carga energética que continham, "obrigaram-me" a desabrochar como uma flor na Primavera. Mas se pensam que este processo durou umas aulas, não, durou mais de um ano e esse desabrochar continuou e após 8 anos ainda continua... E foi precisamente nesse ano, que tinha o meu mais difícil exame de ballet (Junho de 2002), onde iriam avaliar a nossa capacidade de transmitir não só a técnica mas também Arte, que eu o "patinho feio", através do trabalho interno que a dança oriental me fez, consegui transmitir mais que um mero exercício, consegui transmitir dança, o que me fez passar no tal exame.

Por isso digo a todas as alunas: a Dança Oriental escolhe cada uma de vocês, não é por acaso que estão a praticá-la, muitas de vocês nem sabem bem o porquê que gostam tanto. Não quer dizer que todas tenham de ser bailarinas profissionais como eu, não! Isso é só para quem tem esse "chamado", esse "dom" ou essa "missão" nesta vida. A Dança Oriental escolheu-vos (como um dia escolheu a mim) pois tiveram a sorte de ter a oportunidade na vida, de descobrirem as deusas e os seres especiais que são. Se puserem de lado vaidades, egos, medos e comodismos, irão perceber como esta dança dá-vos o poder de se transformarem em cisnes, dá-vos força interior, faz-vos crescer espiritualmente, obriga-vos a dar um sentido na vida. E o mágico de tudo isso é que se vai reflectir em tudo e em todos que vos rodeiam.

Permitam-se mergulhar neste oceano, não tenham medo de sentir ou aperceberem-se de certos aspectos negativos na vossa vida que já se tinham resignado. Não! Saiam da vossa zona de conforto e cegueira e permitam que a dança vos melhore, transforme, dê-vos qualidade de vida interior.

Foi o que fiz, deixei-me levar para onde a dança me quis e como a minha vida se transformou! Eu que era uma pessoa forte mas insegura, que sentia mas não expressava de maneira nenhuma, que se tapava toda por vergonha do seu corpo, o "pãozinho sem sal" como me chamavam conseguiu ultrapassar todos os medos e mais alguns e aqui estou.

Parece um conto fantasioso, um processo fácil e rápido, mas não é! Tem sido uma viagem extremamente difícil e muitas vezes dolorosa mas digo-vos que vale a pena. Foi pela dança que consegui estar onde estou e ser a pessoa que sou hoje. Mas o processo continua, ainda tenho muito que desbloquear para que a minha dança se torne ainda melhor, mas principalmente, o conhecimento de mim própria seja cada vez mais profundo e a minha Vida progrida de dança para dança.

Comentários

  1. Como me revejo Sara... :) é isso tudo, a dança é o "meu" ritual de auto-superação constante! A unica coisa capaz de fazer com que me encarasse no espelho e aprendesse a valorizar-me (não vangloriar-me, mas a ser mais auto-consciente).
    Aprender que as vezes nos temos esquecidas!
    A musica, essa, mesmo sem saber dançar, entra pelos ouvidos e sai pelos poros... e quando vejo alguem dançar, mas dançar mesmo, com amor, com entrega, isso é o melhor do mundo! Isso porque eu tambem ainda tenho um caminho longo pela frente para poder faze-lo em pleno, mas entretanto vejo-o nos outros... mas pronto, temos a vantagem de esta ser uma das poucas formas de dançar onde a idade pode ser uma mais-valia né? :)
    Beijinhos e até breve numa qq aventura de dança por aí!
    Patricia Ahmar

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…