Avançar para o conteúdo principal

A Dança Oriental em Mim... VI

Anonimo, dança há um mês

Não sei muito bem como poderei explicar o efeito da "dança oriental em mim" porque simplesmente não a danço! Sinto-me a maior parte das vezes um automato, sem qualquer sentido de ritmo ou graciosidade. Mas, de vez em quando, em pequenos momentos - e sei que vais ficar surpreendida - sinto-me verdadeiramente bem!
Não consigo explicar-te a sensação, mas há alguns segundos por aula onde me sinto confiante, sexy, descontraída. Faz sentido?

Este ano foi bastante complicado para mim. A todos os níveis. Ultrapassei algo muito difícil, que acho - tenho a certeza, embora nunca a admita a ninguém - que me traumatizou. Fisicamente debilitou-me e deixou-me, como sabes, uma marca enorme. Pode parecer futilidade, mas custa-me ver-me assim. E isso, retirou-me a segurança, a confiança e fez-me ficar diferente. Talvez tenha ainda passado pouco tempo, mas sinto que perdi algo. 
Dançar (ou tentar!) nas tuas aulas, restitui-me, mesmo que por momentos, o que eu era. Não é sempre, não é constante, mas acredito que com o tempo vão ser cada vez mais os momentos assim. 
As aulas passam a correr e fico chateada de pensar que haverá vezes em que não poderei ir! Saio das tuas aulas SEMPRE de alma lavada. Leve e feliz. Agora, imagina o que será quando finalmente conseguir fazer um shimmy!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…

O meu querido mês de Agosto

Há muito que não tinha umas férias tão revitalizantes como estas últimas. Eu adoro o mês de Agosto. Não só por começá-lo com o meu aniversário, mas porque também marca o inicio de uma nova etapa e um novo ano com mais desafios. Partilho convosco os meus pontos altos: . Dormi, dormi, dormi e... dormi! Consegui pôr o meu sono em dia, apesar de me levantar sempre cedo para ir para a praia ou simplesmente passear. Não há nada como dormir numa tenda com o meu marido e cadelinha rodeados de natureza e o som do mar, fazer grandes sestas ao som do vento a passar pelas folhas das arvores. É mágico... . Estar sempre com a Nikita na praia. É fantástico... o que me diverti e o que ela nadou!! Apesar de ter de andar quilometros para ir para um local da praia quase deserta, valia a pena estarmos sozinhos e completamente à vontade. . Ter desligado o telemóvel e pc! Dar só atenção ao meu marido e ele a mim... foi otimo... . Ter comido o que me apeteceu à hora que queria, sem o minimo de restrições! Que bo…