Avançar para o conteúdo principal

A Dança Oriental em Mim... III

Zaahirah, 27 anos, danço há 6 anos com a mestra e amiga Sara Naadirah. :)

"O que sinto quando danço?  (Março de 2008)

Impossível dizer. Durante estes 2 anos e meio em que venho aprendendo a dançar nunca soube bem o que isso queria dizer: sentir a música, dançar com sentimento. Até hoje não sei o que isso significa. Quando danço (sozinha, nas aulas ou para amigos) apenas danço, apenas movo o corpo ao sabor das notas, sem pensar em nada ou às vezes pensando em demasia (teimosa ânsia em agradar). Mas é apenas isso: reacção à música, a cada tum/taq, a cada violino. Não me emociono com nenhuma música em especial, nem me vêem lágrimas ao olhos por mais bonita que a música possa ser. Gosto, sim, de determinadas músicas e com essas sei que a minha dança fica mais bonita, assim como sei que há músicas demasiado difíceis para mim. Mas é só. Tudo o resto são sentimentos egocêntricos (e como magoam alguns!!!)
 Quando estou triste não me consigo mexer e quando estou demasiado feliz só me apetece rodopiar. Adoro sobretudo o estar em palco e ter a sensação de que sou o centro do mundo, que nada mais importa senão eu.
Nessa altura todo o meu corpo vibra e parece que a música sai de dentro de mim e que eu voo até às estrelas, ao mesmo tempo que sou assolada por um medo terrível de que não gostem do meu jeito, do meu corpo, de MIM.
 Sei que deliro quando os amigos me vêem dançar e me abraçam e me dizem que sou fantástica (mesmo que não acredite em metade do que dizem)......... Mas isso é tudo o que consigo sentir. Isso e a angustiante pontada de inveja e vergonha por não conseguir fazer os mesmos passos lânguidos e graciosos que tu fazes, por nunca estar no ponto, por nunca conseguir brilhar......
 Quando danço nada mais sinto senão a certeza de que essa é a coisa certa, de que é o que gosto de fazer e de que a dança me torna, de alguma forma, especial. Sinto que posso morrer se algum dia parar de dançar porque já não sei viver sem ela, é como respirar.
 Se não é nada disto que se sente quando se dança, então realmente tenho um longo caminho a percorrer ou simplesmente não fui talhada para a arte..."

....................................................................................................


A Dança Oriental em Mim… (Novembro de 2011)

"A Dança Oriental mudou a minha vida numa altura em que estava completamente a afundar-me. Posso dizer que foi a minha tábua de salvação e era capaz de escrever um livro inteiro sobre o assunto, mas acho que não vale a pena. Pelo menos não aqui. E não posso dizer que as mudanças estejam a parar, porque sinto-as de dia para dia.
 Hoje quando danço, danço a sério. Não estou a tentar agradar a ninguém senão a mim mesma. Já pouco me interessa o que pensam ou dizem de mim.
Já não procuro o "brilhantismo". A mania de querer ser sempre a melhor esgotou-se (e esgotou-me). Hoje apenas danço. Curiosamente noto o efeito contrário no meu corpo: tenho uma postura mais correcta, mais ousada... vou perdendo aos poucos o complexo de "ser grande".
 Igualmente hoje já pouco consigo escrever sobre o que sinto quando danço. Já não saem palavras. É só sentir e sentir e sentir.  Por isso já me é difícil fazer aulas com coreografia longa ou seguir-te em qualquer música. Por mais que a minha cabeça esteja a pensar no que tenho de fazer, o corpo insiste em ter vida própria e quer fazer movimentos diferentes. É o teu sentir, não o meu...
 Continuo a ansiar por me mostrar em público, mas apenas pela adrenalina que me invade nessas alturas, já não para me exibir ou provar o que quer que seja. Sei o valor que tenho.
 No entanto, mantenho o que disse antes: sinto que posso morrer se algum dia parar de dançar, porque já não sei viver de outra forma. É como respirar. E é para sempre."



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…