Avançar para o conteúdo principal

A Dança Oriental em Mim... IV

Vilma Mendes, 33 anos, dança desde 2004 

"Desde sempre que tive uma paixão enorme pela dança, a forma como me fazia sentir, a energia que se criava dentro de mim quando dançava, sem perceber qual o seu verdadeiro sentido. Experimentei vários géneros, mas o facto de quase todas necessitarem de par e nunca ter um amigo/companheiro com o mesmo gosto pela dança, desmoralizou-me e não permitiu na altura que avançasse na dança.
Foi em 2004 que vi pela primeira vez uma aula de dança oriental. Na altura praticava exercício num ginásio e enquanto esperava pelo inicio da aula de grupo que iria fazer, olhei fascinada para as meninas e mulheres que estavam naquela aula de dança oriental.
Era demasiado tímida e “fechada” para entrar numa aula daquelas. Pensamentos como “tu não és capaz, não és linda como as outras mulheres que ali estão, nunca conseguirás fazer aquele tipo de movimentos…” teimavam em aparecer. Até um dia, em que ganhei coragem e entrei na aula, em que a professora era a Sara Naadirah! Lembro-me de ter sido muito bem recebida e acarinhada J
Muito lentamente e através desta dança maravilhosa, fui perdendo a vergonha, conhecendo-me melhor, ganhando auto-estima que me faltava. Descobri que conseguia fazer movimentos com o meu corpo que nunca pensei fazer e que quando estava naquelas aulas, tudo o resto, todos os problemas, simplesmente desapareciam.
Desde essa altura que ocorreu uma transformação enorme em mim mesma. Muitas mudanças surgiram interiormente e reflectiram-se no meu mundo exterior. Passei por vários ciclos, por várias aprendizagens, entrei no mundo das terapias Alternativas / Orientais, tendo períodos em que, por forças das circunstâncias, tive que parar de praticar… Uns “stand-bys” que pareceram uma eternidade.
Recomecei agora as minhas aulas de dança com a Sara e aquilo que neste momento as aulas me transmitem, está ainda mais intenso! Acredito que o facto de ter ganho uma visão mais oriental, proporcionada pelas aprendizagens no mundo terapêutico, fez com que sinta ainda mais o poder desta arte milenar.
Esta dança é maravilhosa, direccionada para o corpo feminino. Emocional e Espiritualmente, sinto que entro em meditação, que me ligo ao universo e deixo que a sua energia flua em mim. É uma entrega e uma descoberta.
Faz-me ser uma bailarina de corpo e alma. E mesmo que não o faça profissionalmente, sou e serei cada vez mais uma bailarina…"

Comentários

Mensagens populares deste blogue

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…

O meu querido mês de Agosto

Há muito que não tinha umas férias tão revitalizantes como estas últimas. Eu adoro o mês de Agosto. Não só por começá-lo com o meu aniversário, mas porque também marca o inicio de uma nova etapa e um novo ano com mais desafios. Partilho convosco os meus pontos altos: . Dormi, dormi, dormi e... dormi! Consegui pôr o meu sono em dia, apesar de me levantar sempre cedo para ir para a praia ou simplesmente passear. Não há nada como dormir numa tenda com o meu marido e cadelinha rodeados de natureza e o som do mar, fazer grandes sestas ao som do vento a passar pelas folhas das arvores. É mágico... . Estar sempre com a Nikita na praia. É fantástico... o que me diverti e o que ela nadou!! Apesar de ter de andar quilometros para ir para um local da praia quase deserta, valia a pena estarmos sozinhos e completamente à vontade. . Ter desligado o telemóvel e pc! Dar só atenção ao meu marido e ele a mim... foi otimo... . Ter comido o que me apeteceu à hora que queria, sem o minimo de restrições! Que bo…