Avançar para o conteúdo principal

Choro...

Há momentos que só passam com uma boa crise de choro.
Há situações por que passamos, que só o choro nos faz sentir menos desesperadas, menos infelizes. 
Há quem diga que chorar é um acto de fraqueza, mas eu digo que mostra que somos humanos.
Eu sou humana, passo por fraquezas, tristezas, decepções... e choro... muito.
Quando choro aproximo-me do Divino. Comunico com Algo Superior na linguagem da Alma e, por artes mágicas, acalmo-me. Reforço-me.
Para mim, as lágrimas são pequenos consolos quando nada nem ninguém nos pode valer. Choro quando sinto que a minha Alma precisa de gritar!
É preferível ela desabafar que calá-la. Mil vezes chorar a retrair cada lágrima com depressões, com raiva, com álcool, com comprimidos, a fazer passar-me fome ou (o que mais acontece nos dias de hoje) a empanturrar-me de comida.
Mil vezes prefiro chorar a retrair o que sinto, mil vezes falar a calar-me, mil vezes agir a fingir que está tudo bem.
Não é fácil (para variar) mas pelo menos é Real.

Comentários

  1. Muito verdadeiro...chorar alivia o coração e a alma

    ResponderEliminar
  2. Sara, fui tua aluna apenas durante uns escassos meses. Por motivos que não vêm aqui ao caso, não pude continuar. E sempre tive pena.

    Há uns tempos atrás encontrei o teu blog, porque queria mostrar a uma amiga, que recentemente começou a ter aulas de dança oriental, quem tinha sido a minha prof.

    Achei o blog tão genuíno que li todos os textos que cá puseste. Nunca comentei, mas agora, correndo o risco de parecer intrometida, apetece-me fazê-lo... embora também considere que o choro é necessário para limpar as porcarias que nos consomem, queria dar-te uma palavra de apreço. Vale o que vale ouvir isto de uma desconhecida, mas... a memória que tenho de ti, nas aulas da cidade universitária, é muito boa. Não percebo nada de dança, mas, tenho sensibilidade às artes, e acho que és maravilhosa. Vi muitos vídeos teus no youtube, uma vez até te vi a dançar ao vivo, e lembrei-me do que já achava naquela altura, que tens qualquer coisa especial. Por isso, chora o que for preciso, enquanto for preciso, mas recompõe-te. Ficas muito bonita quando sorris. ;)

    ResponderEliminar
  3. Querida anonima,
    não sei quem és, mas agradeço do fundo do coração as tuas palavras. Podes não imaginar mas, vieram em boa hora, para me recompor e seguir em frente.
    São alunas como tu, que me ajudam a seguir uma das profissões mais difíceis que existe- ser bailarina.
    Diz-me quem és!
    Um grande abraço! E comenta à vontade!!!!
    Sara Naadirah

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…