Avançar para o conteúdo principal

Depende de cada um de nós...


Depois de receber dezenas de comentários ao anterior post, deixo aqui esta mensagem para todas as bailarinas e bailarinos, que verdadeiramente lutam e se esforçam pela dignificação da Dança Oriental em Portugal (e no mundo). 


Depende de cada um de nós:
- exigir de nós próprios e não depender de ninguém;
- nunca estagnar e ir sempre à procura e aprender mais e mais;
- não ser cópia de ninguém procurando a nossa própria individualidade;
- não ser uma Barbie, mas uma pessoa real com todas as suas belezas e "defeitos";
- ter força e não desmoronar à primeira ou ultima dificuldade;
- exigir condições para podermos dançar dignamente, não se trata de sermos divas mas temos os direito de ter boas condições para trabalhar como qualquer outro profissional;
- aceitar os desafios e ultrapassa-los dança a dança;
- sermos inteligentes, aquelas que dançam seja onde for, para quem for, em que condições for e por uma esmola, não são bailarinas, são marionetas  da sua própria falta de auto-estima;
- não aceitar dificuldades absurdas que ponham em causa a nossa dança ou até mesmo a nossa integridade física e/ou psicológica;
- dignificar em primeiríssimo lugar a Dança Oriental em detrimento do nosso ego, 
- ter uma auto-estima forte e sólida que transparece em cada dança;
- não ter receio de recusar trabalhos que não dignifique a dança e a nós próprios;
- exigir respeito por quem nos contrata, tal e qual como tratariam um "doutor";
- "educar" o publico que nos vê mostrando o que realmente é Dança Oriental;
- ter a humildade suficiente para dizer: "ainda não consigo, vou aprender";
- ter a humildade e conhecimento suficiente para perceber que não basta colocar um lenço na anca e abaná-la, isso não é dançar;
- ter brio nos trajes que usamos;
- respeitar cada colega;
- lembrar sempre quem nos ensinou ou ensina com respeito e carinho;
- saber quanto vale a nossa dança e não receber "esmolas" por ela;
- levantar a cada queda, isso é ser bailarino;
- lembrar o nosso primeiro amor à dança quando nos sentirmos exausto de lutar contra a maré;
- entender a Dança Oriental, ela é muito mais profunda do que nós julgamos;
- exibir Amor em cada dança pois ela é uma dádiva nossa para quem nos vê;
- amarmo-nos em cada dança pois ela é uma benção nas nossa vidas!


Os verdadeiros bailarinos, entendem profundamente o que aqui escrevo. 
A vocês, queridos/das colegas, companheiros/as de Dança: Força Camaradas!!! A Luta é Alegria, ou melhor, DANÇA!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…