segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Home Sweet Home


De novo em casa...

Já tinha saudades, mas agora que aqui estou tenho vontade de voltar a sair. Bolas... nunca estou satisfeita! Também chego e começo logo a limpar, arrumar, cozinhar, lavar e tudo o que acaba em ar... não há paciência... detesto os trabalhos domésticos, mas como sou fanática em ter tudo limpo e arrumado... ponho logo mãos á obra.

Estão espantados?! Pois é, se pensam que a minha vida é um glamour de estrela de cinema, enganam-se!!! Em Portugal uma "estrela"da dança não ganha o suficiente para para ter uma "BIMBY" versão doméstica. Sim, faço tudo que uma dona de casa faz, e acho que até bem feito, mas odeio! Enfim...

Tirando esse pequeno grande pormenor, ao chegar de novo, chega também o retomar de tudo o que deixei pendente e pior ainda: a rotinazinha, que é outra coisa que detesto, fazer sempre o mesmo todos os dias. Se isso acontece, começo a ficar histérica, nervosa e insuportável ( o meu marido que o diga) e foi isso mesmo que aconteceu logo no segundo dia que cheguei. NO SEGUNDO DIA, leram bem! Por mim estava sempre a passear... mas como não posso... tenho que ter paciência... só me resta tentar fazer algo diferente todos os dias, vou tentar, mas a minha amiga rotinazinha teima em instalar-se... que chata!!

Irei retornar a dar aulas dia 2 de Setembro, e disto sim tinha saudades. Como já não danço há um mês ( não fiquem espantados, já explico) estou desejosa de voltar a rever e conhecer novas alunas, de ensinar e retomar os shows que vou fazendo.

Este ano sim, carreguei baterias. Como disse há pouco, eu preciso, pelo menos uma vez por ano, afastar-me da dança e música oriental de modo a poder sobretudo descansar. Enganam-se mais uma vez se pensam que estou sempre com vontade de dançar e 24h a ouvir música árabe, não!!! Morria de tédio... a dança é a minha Vida mas a minha Vida não é só dançar. Antes de ser a Sara Naadirah - a bailarina - também sou a Sara - simplesmente a Sara. E é quando sinto saudades que danço melhor, e tenho inspiração para os meus shows e coreografias.

É assim que me sinto neste momento, com muita vontade de dançar, cheia de ideias e força para as concretizar para um ano cheio de trabalho.

Ao contrário do que aconteceu no último. O ano lectivo que passou foi um dos piores anos que já tive. Como há um ano atrás não tive umas boas férias (para mim férias é ter obrigatoriamente sair de onde vivo, por algumas semanas, não basta uns dias) juntando uma crise pessoal enorme, o resultado foi um ano depressivo, sem a mínima vontade de dançar e sem nenhuma inspiração ou força para o que quer que fosse. Tive de me recolher mais, não quis ter a exposição que normalmente tinha, tive de recusar muitos aulas e shows porque simplesmente não tinha força física mas principalmente psicológica. Só tinha vontade de estar deitada, sem pensar em nada...

De certeza que não estão a compreender, mas imaginem: durante seis anos que luto pela dignificação da Dança Oriental no nosso país e digo-vos é uma luta constante contra a maré; todas as vezes que ou estou a dançar ou a dar aulas ou simplesmente a falar de Dança Oriental tenho de estar SEMPRE a provar que SEI o que estou a fazer ou a dizer; com o passar dos anos as ilusões que criámos no inicio da carreira são repensadas e algumas revelam-se verdadeiras desilusões; a luta constante e saturante de tentar não engordar pois sou SEMPRE julgada pela minha aparência cada vez que piso um palco, antes mesmo de apreciarem a minha dança, que isso seria sim o mais importante; a luta que é ser bailarina neste país e conseguir viver disso mesmo casada, com uma casa e contas para pagar como qualquer outra pessoa; levar constantemente com a ingratidão de muitos alunos e ignorância do público; a juntar a tudo isto a nossa vida pessoal ( estou casada á dois anos e o meu marido esteve desempregado praticamente todo o ano), social e familiar. É dose não é?

Depois de tanto lutar, no último ano fui-me abaixo. E não tenho vergonha de dizer que tive vontade de deixar de dançar, dar aulas, enfim... desistir dos meus sonhos. Hoje chego á conclusão que foi normal essa passagem - a passagem pelo deserto - como lhe chamo ( falarei melhor disto num outro texto), mas já passou e estou renovada!

Que este ano seja magnifico!!!! E vai ser...


3 comentários:

  1. Esperemos que sim, que seja um ano excelente!!

    (adoro a foto!)

    **

    ResponderEliminar
  2. Oi Sara :) vai ser, sim.
    ESte último ano foi um ano duro, de grandes desafios e obstáculos. Mas isso é mais uma razão para vermos a nossa força interior e dar-mos valor ao que é importante na vida. Perante as adversidades, vamos buscar forças que desconhecíamos existirem em nós.
    Que a bonança brinde quem atravessou a tempestade :D, certo?
    E cá estaremos nós para fazer as nossas escolhas e contribuir para um ano magnífico.

    Bj.

    ResponderEliminar
  3. A foto está maravilhosa, linda como sempre a minha professora!! Beijinhos, Claudia.

    ResponderEliminar