Avançar para o conteúdo principal

Caiu?... Levanta-se.


Há uma expressão que uso com a minha filha desde que ela começou a gatinhar. Sempre que cai, digo-lhe logo de seguida: "Caíste?... Levanta-te". E agora, com quase quatro anos é ela própria que se habituou a não dramatizar as quedas que dá e levanta-se (quase sempre)... sozinha. Por enquanto são só quedas físicas mas acho que esta expressão serve para todas as "quedas" que damos ao longo da vida... e quero que ela (a minha filha), por ela e para ela, se levante em cada uma delas.

Cair é muito fácil, dramatizar mais ainda, vitimizar então...ui! O desafio está no levantar. Como, quando e porquê. E, vida de bailarina é mesmo assim... caimos e levantamo-nos... vezes sem conta. Há muito que aprendi a chorar as minhas quedas, ter o tempo de dramatização, usar a vitimização mas sempre me levantei. E (quase) sempre sozinha. Porque tem de ser. Porque ninguem quer saber que caíste. Porque só aprendemos caíndo. Muitas vezes. 

Às vezes, confesso, não me apetece levantar. Demoro o meu tempo no chão. Faço birra. Estou cansada. As cicatrizes acumulam-se. E cada vez mais custa levantar e seguir. Mas sigo. Sempre. E esta é a vida de um artista. Seguimos sempre com visão, criatividade, foco e ambição.

Os tempos que vivemos não são fáceis. Completamente atípicos. Mas essa foi sempre a minha vida. Atípica e cheia de quedas. É assim, não (só) porque sou artista, não (só) porque sou bailarina. É assim porque escolho. Porque escolho o não óbvio. Porque escolho ser verdadeira com a minha essência. Porque escolho os caminhos baseados na minha forte intiução. Mas estas escolhas não significam mais facilidade. Há muitas pedras (pedragulhos) e buracos no meu caminho, na minha missão.

Escolho levantar segundo o que o meu coração diz. Mesmo que vá contra o que seria esperado. Escolho não depender emocionalmente de ninguém para seguir o que condiz comigo. Escolho ter ao meu lado, quem cresce comigo. Escolho dizer muitas vezes Não, quando sinto que é Não. Escolho dizer Sim, quando acredito que é Sim. Tudo é uma escolha. Eu escolhi dançar, quando desde pequena sabia que era bailarina. E depois foi a Dança Oriental que me escolheu. Lucky Me!!

Chateia-me ver muita gente no chão. Que não se quer levantar. Que se acomodou à sua dor e vitimiza-se. Pessoal: não é tempo de chorar. Nem de reclamar. Nem de esperar. Nem de ter medo. Nem de lamentar. É tempo de nos levantar, adaptar e (re)criar. De trabalhar. De focar. De tentar. De agir. De escolher e arriscar. E fá-lo por ti e para ti. Porque ninguém vai ter pena de ti.

Em Setembro é sempre um mês de recomeços. Então, recomecemos. Activos. Sinceros. Verdadeiros. Com coragem de mudar se for preciso. Sem desculpas. Sem esperar por algo que nunca virá porque o "talvez um dia" é agora. Hoje. Esse dia chegou. Não esperes pela oportunidade ideal. Cria a tua oportunidade. Faz. Faz acontecer. Os teus sonhos. Os teus objectivos. O teu bem-estar. E sim, vais cair nesse teu e único caminho mas depois passas só a tropeçar, e vais sempre te levantar. Custe o que custar. Não é fácil. Mas acredita e age, o resto o universo traz.


 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa.
Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou uma vi…

Depois da Revelação

Falar e expor-me, em ambiente de aula perante mulheres que anseiam aprender comigo, intimida-me. E sempre me intimidou. Porque sei o peso da responsabilidade. Ensinar esta arte é muito, mas muito mais que "passar" técnica. É conseguir ir ao encontro da alma bailante que cada aluna tem, inspirá-la e motivá-la sobressair.  Confesso que estava nervosa. Acho que nunca, mesmo já tendo passado tantos anos, deixo de me sentir insegura e apreensiva. Não quero aplicar mal as palavras, não quero confundi-las, quero que a mensagem seja clara. Falar em publico é-me ainda, constrangedor. Mas, quando o fazemos com verdade, com sinceridade, de mulher para mulher, algo mágico acontece e tudo flui. Acho que foi isso que aconteceu na formação d`O Ventre em Nós: magia. Vi mulheres carentes de respostas que gritam por companheirismo. Querem sentir que não estão sozinhas e que afinal, nós, profissionais somos humanas tal como elas. Poder, nestas ocasiões especiais, passar as minhas experiencias, re…

Conversas & Danças no Feminino - Edição Especial

CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO  Edição Especial Quarentena
A DANÇA ORIENTAL E O ISOLAMENTO by  Sara Naadirah Method
* 25 ABRIL 2020 * 16h * ON-LINE
* Da carência de mais do que só a partilha de técnica coreografica, nasce CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO.  Esta é uma formação teórica e prática de Dança Oriental, indicado para todos os níveis de aprendizagem, aspirantes a profissionais e a bailarinas que estejam no activo.  Nesta EDIÇÃO ESPECIAL QUARENTENA, e porque continuar a prática da dança em casa é diferente e pode ser um desafio, A DANÇA ORIENTAL e o ISOLAMENTO: TÉCNICO E SOCIALserá o tema principal, reflexo dos tempos que vivemos.
Programa: * INTRODUÇÃO  -  Ligarmo-nos virtualmente e dar-nos a conhecer umas às outras. Podemos não estar fisicamente mas vamos na mesma formar um "circulo" de mulheres e com ele, um circuito interactivo;
* 1ª PARTE - TEÓRICA - Breve reflexão do impacto dos tempos que vivemos;   - O desafio que é continuar a nossa prática de dança, e outras, e…