Avançar para o conteúdo principal

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é...
Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes.
Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era...
Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais. 
Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet.
Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa.

Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse. 
O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou uma vida própria mas que consome tempo e espaço à nossa vida real. Descobri também que há poucas "regras" e muito pouca ética no mundo OnLine. Não sabes onde estão as directrizes (nem se as há) e, sem te pedir licença julgam-te ao minuto. 

Claro, que há inumeras vantagens. Não nego a revolução positiva que a internet provocou na nossa gestão diária.  Eu própria já não me imagino sem net, tecnologias e plataformas digitais (nem sei como teria vivido este tempo sem eles). Estas últimas então, transformaram-se em preciosas ferramentas que, se bem exploradas e estrategicamente bem manipuladas, projectam-te o aos quatro cantos do mundo e o teu trabalho chega a um sem número de pessoas. O problema está em saber usá-las. Não é fácil e não é para todos como se julga. É para quem pode e sabe.

Mas, como em tudo, o desafio está no equilíbrio:
Entre a vida real e a digital. 
Entre o palco real e o palco digital.
Entre Eu e o meu Avatar.
Porque sim. Há diferença entre as duas realidades. Tu sabes que sim.
A realidade virtual é projectada, pensada, editada, idealizada.
A vida real não. Esta é autêntica. Com cheiro e sabor. Com tato. É olhos nos olhos.

Como bailarina, professora e ser humano, o digital é-me limitado. Este serve-me, e tento que não seja eu a servi-lo. Há perigo nisso... e vejo muito isso. O alimentar insaciante do ego. Da vaidade fútil. O dar voz ao nada. 
... Manhosa é esta realidade... muito sedutora... Tudo OnLine acontece. Está tudo OnLine. Fazes tudo OnLine. Estão Todos OnLine...
Sim... a nova Era está aí.. a internet activa como nunca... e o OnLine, o "novo" palco.







 





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Revelação

Não é novidade que estive afastada de actuações durante os últimos três anos.Tive de o fazer.
Catorze anos de actividade intensa entre aulas, workshops, mentorias, espectaculos e atuações nos mais variados espaços, desfoca. E pior, há o perigo de nos tornamos máquinas. Chegou a um ponto que aquela vontade, estimulo e vigor tinham desaparecido... estava cansada, esgotada, sem a força que me caracteriza... física e psicologicamente. Parar, na altura, não me era opção (julgava eu) e assim a vida dá um twist obrigando-me mesmo a fazer uma pausa. Essa pausa tem o nome de maternidade. Gerei e criei a minha obra prima. E todo este tempo estive focada na minha pequena Raquel. Custou-me muito estar afastada mas, agora entendo que foi necessário. Tive o tempo e o espaço que precisava para pensar, ou melhor, sentir, qual seria o meu caminho na dança de entre tantos que hoje em dia o universo desta arte "permite". Depois de achar que nunca mais voltaria a dançar, dei por mim a ter saudade…

Depois da Revelação

Falar e expor-me, em ambiente de aula perante mulheres que anseiam aprender comigo, intimida-me. E sempre me intimidou. Porque sei o peso da responsabilidade. Ensinar esta arte é muito, mas muito mais que "passar" técnica. É conseguir ir ao encontro da alma bailante que cada aluna tem, inspirá-la e motivá-la sobressair.  Confesso que estava nervosa. Acho que nunca, mesmo já tendo passado tantos anos, deixo de me sentir insegura e apreensiva. Não quero aplicar mal as palavras, não quero confundi-las, quero que a mensagem seja clara. Falar em publico é-me ainda, constrangedor. Mas, quando o fazemos com verdade, com sinceridade, de mulher para mulher, algo mágico acontece e tudo flui. Acho que foi isso que aconteceu na formação d`O Ventre em Nós: magia. Vi mulheres carentes de respostas que gritam por companheirismo. Querem sentir que não estão sozinhas e que afinal, nós, profissionais somos humanas tal como elas. Poder, nestas ocasiões especiais, passar as minhas experiencias, re…

O Ventre Em Nós . Mais do que um simples evento

"THE MOST IMPORTANT THING IS TO TRY AND INSPIRE PEOPLE SO THAT THEY CAN BE GREAT IN WHATEVER THEY WANT TO DO"
 Kobe Bryant

Este é o meu lema, desde que comecei a lecionar Dança Oriental, há 17 anos atras.
Para bem - e para mal porque há sempre o reverso da medalha - a Dança Oriental, está espalhada e implementada um pouco por todo o mundo. Partiu da fonte, ramificou-se e hoje em dia existem milhares de bailarinos e com eles, mil e uma possibilidades de ensino e aprendizagem. 
Há festivais, palestras, workshops, escolas, espetáculos, competições, viagens, encontros, etc, sem contar com todas as plataformas digitais disponíveis hoje em dia. Mas, pergunto: será que a qualidade é constante?... Claro que sim, mas também tenho a certeza que não. E não vale a pena dizer-se o contrário.
Eu, como disse anteriormente, já anda nisto há algum tempo e, falando do mercado em Portugal que é onde estou inserida, venho-me apercebendo o quanto a nova geração de bailarinos sente falta de uma proxim…