Avançar para o conteúdo principal

Conversa Com...

É de noite que as minhas melhores ideias surgem.
E foi numa noite de insonia que me surgiu a ideia de partilhar conversas que gostaria de ter com colegas, amigos e até mesmo familiares sobre a Dança e a Vida.
Assim está, desde o dia 1 Maio, a decorrer a 1ª Temporada de: Sara Naadirah conversa com... na, claro está, plataforma da moda dos Lives - o Instagram.
Confesso que é um desafio que me sujeitei. Eu gosto de me desafiar. 


Apercebi-me que este é um novo palco onde a Dança Oriental se pode fazer de uma outra maneira: através, não do movimento, mas do diálogo. 
Percebi também e, por causa dos tempos atípicos em que vivemos, que o pessoal estaria mais confinado, todos mais online e com algum tempo disponível para assistir. Encontrei também, nestas circunstancias peculiares, a oportunidade - que antes seria quase impossivel por causa da correria doida diária que nos encontravamos - de simplesmente conversar com pessoas que de alguma forma têm directa ou indirectamente a haver com o universo da Dança Oriental e que, nalgum momento, passaram ou marcam a minha vida. 

Há muito que entendi o quão importante são os "bastidores" da Dança ouvindo o que muitos têm para dizer. Para mim, tudo - desde que seja feito com honestidade, verdade e amor - serve para dignificar, publicitar, opinar, dar a conhecer, compreender, visionar... outros lados que no palco convencional não se consegue mostrar. A meu ver, tudo é Dança Oriental.
De cariz informal, mas falando de coisas sérias, as conversas com os meus convidados levantam véus, arrancam gargalhadas, provocam pensamentos, ouve-se, reflete-se. Vê-se o lado humano da bailarina, o companheirismo do familiar, o apoio da amiga. Faz-me explorar e deixar falar. Porque todos temos curiosidades e vontade de nos fazer ouvir.


Já conversei com quatro pessoas que escolhi por instinto e porque gosto (muito) delas... claro. A primeira foi a bailarina e um dos meus grandes orgulhos a @Catarina Branco, depois o companheiro de uma vida o meu marido @Prof.Xiko, de seguida a grande mulher/colega/amiga/bailarina @Yolanda Rebelo e a última a inovadora, muito atenta e creio, futura bailarina profissional a @Rita Pereira.
Todas estas conversas foram importantes, estimulantes e surpreendi-me sempre com as respostas relâmpado às minhas perguntas estilo Alta Pressão. 


Claro que querem assistir e devem!!! Através do meu Instagram @saranaadirah (meu IGTV) ou pelo meu canal YouTube podem fazê-lo à hora que quiserem e, se puderem, deixem o vosso comentário.
Para terminar esta temporada, vou fazer mais duas conversas... estejam atentos, que a próxima é já dia 10 Junho...


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Revelação

Não é novidade que estive afastada de actuações durante os últimos três anos.Tive de o fazer.
Catorze anos de actividade intensa entre aulas, workshops, mentorias, espectaculos e atuações nos mais variados espaços, desfoca. E pior, há o perigo de nos tornamos máquinas. Chegou a um ponto que aquela vontade, estimulo e vigor tinham desaparecido... estava cansada, esgotada, sem a força que me caracteriza... física e psicologicamente. Parar, na altura, não me era opção (julgava eu) e assim a vida dá um twist obrigando-me mesmo a fazer uma pausa. Essa pausa tem o nome de maternidade. Gerei e criei a minha obra prima. E todo este tempo estive focada na minha pequena Raquel. Custou-me muito estar afastada mas, agora entendo que foi necessário. Tive o tempo e o espaço que precisava para pensar, ou melhor, sentir, qual seria o meu caminho na dança de entre tantos que hoje em dia o universo desta arte "permite". Depois de achar que nunca mais voltaria a dançar, dei por mim a ter saudade…

Depois da Revelação

Falar e expor-me, em ambiente de aula perante mulheres que anseiam aprender comigo, intimida-me. E sempre me intimidou. Porque sei o peso da responsabilidade. Ensinar esta arte é muito, mas muito mais que "passar" técnica. É conseguir ir ao encontro da alma bailante que cada aluna tem, inspirá-la e motivá-la sobressair.  Confesso que estava nervosa. Acho que nunca, mesmo já tendo passado tantos anos, deixo de me sentir insegura e apreensiva. Não quero aplicar mal as palavras, não quero confundi-las, quero que a mensagem seja clara. Falar em publico é-me ainda, constrangedor. Mas, quando o fazemos com verdade, com sinceridade, de mulher para mulher, algo mágico acontece e tudo flui. Acho que foi isso que aconteceu na formação d`O Ventre em Nós: magia. Vi mulheres carentes de respostas que gritam por companheirismo. Querem sentir que não estão sozinhas e que afinal, nós, profissionais somos humanas tal como elas. Poder, nestas ocasiões especiais, passar as minhas experiencias, re…

O Ventre Em Nós . Mais do que um simples evento

"THE MOST IMPORTANT THING IS TO TRY AND INSPIRE PEOPLE SO THAT THEY CAN BE GREAT IN WHATEVER THEY WANT TO DO"
 Kobe Bryant

Este é o meu lema, desde que comecei a lecionar Dança Oriental, há 17 anos atras.
Para bem - e para mal porque há sempre o reverso da medalha - a Dança Oriental, está espalhada e implementada um pouco por todo o mundo. Partiu da fonte, ramificou-se e hoje em dia existem milhares de bailarinos e com eles, mil e uma possibilidades de ensino e aprendizagem. 
Há festivais, palestras, workshops, escolas, espetáculos, competições, viagens, encontros, etc, sem contar com todas as plataformas digitais disponíveis hoje em dia. Mas, pergunto: será que a qualidade é constante?... Claro que sim, mas também tenho a certeza que não. E não vale a pena dizer-se o contrário.
Eu, como disse anteriormente, já anda nisto há algum tempo e, falando do mercado em Portugal que é onde estou inserida, venho-me apercebendo o quanto a nova geração de bailarinos sente falta de uma proxim…