Avançar para o conteúdo principal

Praticando o Desapego

Eu sei, eu sei... tenho de agradecer tudo o que tenho todos os dias. Sentir-me grata e feliz por todas as conquistas... eu sei. E sou! Acreditem, sou.
Mas então porque é tenho momentos que me sinto a pessoa mais infeliz do mundo... serei eu uma ingrata?!...
Eu tenho tudo e não não tenho nada, é o que sinto. Aprendi a não subestimar e/ou anestesiar o que sinto. Se isto faz de mim uma ingrata, então eu o sou. Lidar com a (minha) verdade é o caminho para a (minha) felicidade.
Não quero mais. Quero é melhor. Melhor qualidade de vida, de afectos, de amor, de trabalho, de dança... uma versão melhorada de mim. Esta é a minha ambição.
Confuso, certo?... Assim - também - sou eu... uma grande confusão... de pensamentos, de sentimentos, de vontades. Disciplinar a minha cabeça, através da prática do desapego é um grande desafio (mais um para a colecção). O universo colocou-me esta tarefa nas mãos que esgota a minha bagagem emocional a um nível quase insuportável.
É muito cansativo ser EU.
Não mais... melhor. Praticar o desapego. Bolas... ser, verdadeiramente feliz dá MUITO trabalho.



PS: só consegui ver, ainda, os três filmes mais recentes da Star Wars... próximo fim-de-semana serão os outros três. É tão bom viajar com aquelas personagens... adoro mundos fantásticos sustentados por uma boa história. 
May The Force Be With You!!!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…

O meu querido mês de Agosto

Há muito que não tinha umas férias tão revitalizantes como estas últimas. Eu adoro o mês de Agosto. Não só por começá-lo com o meu aniversário, mas porque também marca o inicio de uma nova etapa e um novo ano com mais desafios. Partilho convosco os meus pontos altos: . Dormi, dormi, dormi e... dormi! Consegui pôr o meu sono em dia, apesar de me levantar sempre cedo para ir para a praia ou simplesmente passear. Não há nada como dormir numa tenda com o meu marido e cadelinha rodeados de natureza e o som do mar, fazer grandes sestas ao som do vento a passar pelas folhas das arvores. É mágico... . Estar sempre com a Nikita na praia. É fantástico... o que me diverti e o que ela nadou!! Apesar de ter de andar quilometros para ir para um local da praia quase deserta, valia a pena estarmos sozinhos e completamente à vontade. . Ter desligado o telemóvel e pc! Dar só atenção ao meu marido e ele a mim... foi otimo... . Ter comido o que me apeteceu à hora que queria, sem o minimo de restrições! Que bo…