Avançar para o conteúdo principal

Sou sim maluquinha pelos animais e com muito orgulho

Há três anos e meio, escolhi, ter um animal de estimação. Um cão. 
Não sabia nada sobre eles, aliás, tinha medo deles. Mas mesmo assim, decidi, com o meu marido termos um. 
Apesar de toda a minha ignorância sobre o assunto, sabia que, ao entrar um ser vivo em minha casa (que não pediu para lá entrar), ele seria da minha inteira responsabilidade bem como o seu bem-estar. Sabia que o teria para o resto da vida e teríamos que nos adaptar a este novo ser.
Apesar também de ter uma tendência para gostar mais da raça labrador, nunca me fez sentido ter de "comprar" um animal... para mim, uma vida não se compra... adopta-se e assim foi, procuramos várias associações e a Nikita uma rafeirinha linda, aparece nas nossas vidas.  
Hoje sei que não fomos nós que a escolhemos, ela nos escolheu. Estava lá à nossa espera e na altura certa, nós vimo-la e nos arrebatou. Até hoje não consigo explicar a "química" que tenho com ela que foi desde o primeiro olhar.
Nunca tinha pegado num cão... nunca me tinha aproximado de um cão... nunca tinha passeado, alimentado, tocado num cão (parece impossível mas é verdade)... a Nikita, ensinou-me tudo acerca do universo canino com uma paciência e compaixão que nenhum humano consegue ter.  O convívio diário com ela  tornou-me melhor pessoa. É o meu anjo da guarda. Adoro-a!

Mas, o grande ensinamento que ela dá-me é fazer-me tomar consciência do modo egoísta que vivemos e da crueldade que infligimos aos animais a toda a hora. 
Já nem falo da industria barbara que é a produção e consumo de carne e derivados de animais... Já nem falo da industria de os usar como entretenimento... Já nem falo da industria de reprodução e trafico de animais exóticos e domésticos. Falo da ignorância e na estupidez só porque sim de "donos" (para mim este termo está desatualizado ninguém é dono de ninguém, temos sim à nossa responsabilidade outros seres) de animais de estimação que optaram por tê-los mas, "que afinal dão muito trabalho..." e acabam por depositar todas as suas frustrações nesse animal e por fim abandoná-los.
Há tanta, mas tanta crueldade mascarada de bondade nesses "donos" que me mete nojo. Hoje em dia não há, aliás nunca houve, desculpa para terem um animal amarrado, espancado, esfomeado, cheio de doenças, cheio de sede, à mercê de humanos doidos, egoístas e egocentristas. Os maltratos aos animais ultrapassam a minha imaginação e está estampado em todo o lado. 
A Nikita, sensibilizou-me para essa realidade que, sempre existiu, mas que eu escolhia ignorar. Só não vê quem não quer. Chamo a atenção que maltratar um animal é, também, desrespeitar a sua essência e a sua individualidade. É privá-lo da sua liberdade, necessidades, amor e respeito. Ter a nosso cargo um animal envolve amá-lo, ter paciência, ter consciência, ética e não "desistir" deles só porque tornou-se inconveniente ou porque não sabemos lidar com eles. 
Apesar de não conseguir salvar todos, salvei a Nikita. E deixei de ignorar a realidade estampada na nossa cara. Através do meu exemplo, atitudes e acções posso influenciar positivamente quem está ao meu redor. Não me é indiferente um cão ou gato de rua... posso dar-lhe um pouco de atenção, água e comida. Posso denunciar os maltratos. Posso assinar petições. Posso sensibilizar outros "donos" à esterilização, à importância das adopções e não à compra de animais independente se são de raça ou não, à educação dos mesmos e à sua psicologia, etc... há imenso que podemos fazer em prol destes seres que coabitam connosco e por todos os outros.
Sim... escolho não ficar indiferente.
Sim... escolho tentar fazer alguma coisa.
Sim... escolho não comer carne.
Sim... sou "maluquinha pelos animais"... cada vez mais e com muito orgulho.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…