Avançar para o conteúdo principal

Assim foi na Terra Encantada...

Eu acredito que há um momento certo para tudo. E, acredito que há anjos que abençoam esses momentos certos. Assim foi o meu mais recente espectáculo TERRA ENCANTADA: na hora certa, rodeada de anjos e um muito particular.
Como em tudo que faço, senti o meu instinto gritar que conseguiria idealizar e realizar um espectáculo, que fosse um resultado directo do meu coração e que viesse das profundezas da minha alma, baú onde fui resgatar memorias. 
Queria que fosse diferente de tudo que já tivesse feito e que se tornasse muito especial. E assim foi... especial onde tive a sorte de reunir não só na plateia, como em palco, pessoas muito especiais a quem eu agradeço profundamente. 
Consegui. A fasquia subiu. As portas abriram-se para um novo e mais exigente publico. 
Há muito que um projecto não me dava tanto prazer, tanto gozo onde todas as ideias fluíram e, onde em palco, criamos uma energia que contagiou e, não deixou ficar ninguém que estava a assistir indiferente. Onde e sobretudo, o objectivo é elevar a estatuto de Arte e sempre dignificar esta dança que me escolheu.
Senti-me Feliz, Realizada, Agradecida e isso transpareceu.
Ao meu lado, e em todo o processo, tive o tal anjo muito particular: o viajante que encontra esta Terra Encantada. Encantou e deixou-se encantar. O Emanuel Vicente foi o braço direito que me ajudou com o seu talento e optimismo. Obrigou-me a sair da minha zona de conforto e o resultado foi este... as imagens valem por mil palavras:
























Grata à Yolanda Rebelo, Judite Dilshad, à Dilshadance e ao Grupo Dançattitude, pelo vosso empenho e talento.
Terra Encantada estará para sempre no meu coração como um dos meus melhores e mais maduros espectáculos que fiz até hoje. Feliz por ainda - depois de doze anos como bailarina profissional de Dança Oriental e dez espetáculos realizados - conseguir surpreender-me e surpreender um publico que me segue há anos. Agradecida por conquistar novos públicos e palcos cada vez mais exigentes. Realizada por saber que todos estes anos não foram em vão e, muito otimista pois ainda tenho muito para dar e, ainda há muito por fazer no caminho da dignificação da Dança Oriental em Portugal e no mundo.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…