Avançar para o conteúdo principal

Trabalho Virtual

Há 15 anos atrás sonhava, secretamente, em ser bailarina profissional. 
Há 14, descobri que era através da Dança Oriental que o meu sonho se tornaria realidade e, há 12 que vivo esse sonho.
Julgava eu que ser bailarina profissional seria só treinar, ensaiar, ensinar, coreografar, escolher figurinos, musicas e dançar. 
Era bom era... mas rapidamente percebi que, cinco minutos de palco exigiam muito mais que só o que referi acima. Aliás, essa era a parte mais fácil. Nunca imaginei - e olha que imaginação não me falta - que fosse tão duro ser-se bailarino profissional, a solo e em Portugal. 
As horas que passo a preparar terreno para, TALVEZ, ter cinco minutos de palco são tão longas como cansativas e intelectualmente exigentes. Percebi que é um caminho solitário onde tens somente a tua inteligencia e força de vontade para ter esses cinco minutos de palco. 
Apoios?!!! Muitos poucos. Ajudas?!!! Nenhumas. Rapidamente aprendes a desenrascares-te e a improvisar quer no trabalho de bastidores quer em palco.
Rendi-me, anos atrás, às tecnologias como mais uma (mas importantíssima) ferramenta de trabalho e hoje, por incrível que pareça, passo tantas horas no computador e nas redes sociais como passo a dançar e tudo mais. 
Cinco minutos de palco exigem mais de cinco horas (ou dias) em frente a esta máquina. E o mais engraçado (??) é que muito provavelmente - pois nunca contabilizei - passo mais tempo a fazer todo este trabalho virtual que a dançar.
E assim, e para passar mais um tempinho nas redes sociais, rendi-me a mais uma necessidade (pois já fazia sentido) e criei uma página oficial no Facebook: Sara Naadirah Oriental Dancer/Artist 

www.facebook.com/sn.orientaldancer

Sempre neguei ter muitas "coisas" na net, e acho sinceramente que há "coisas" a mais e o que é demais também enjoa, mas não posso ignorar as tendências e, mais esta ferramenta, está a vosso dispor para fazerem o vosso LIKE e assim terem - mais - acesso a parte do meu trabalho, dança e dia a dia.



Comentários

  1. Já pratiquei danças orientais e é algo que exige muito trabalho !
    Gostei muito , beijinhos e bom trabalho :D

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

E foi num piscar de olhos...

E foi num piscar de olhos que chego aos 40 anos. É verdade. E sou daquelas que não esconde a idade. Amanhã, dia 1 Agosto faço anos, quarenta primaveras. Acho que não é uma idade qualquer. Ao fazer 40 anos deixo para trás a primeira metade da minha vida. E foi MARAVILHOSA. Apesar de todas as dificuldades, obstáculos e desafios - esta última década foi lixada - faria tudo de novo (talvez alguns twists pelo caminho) mas não me arrependo de nada. Tive momentos e alturas que me fizeram o que sou hoje e que me marcaram para a vida, se calhar, para várias vidas. Tenho saúde e a minha família também, estou viva e tenho tudo o que necessito. Não tenho do que me queixar. Começa agora a segunda metade. Já mais madura e calma, naturalmente passei a agir com ponderação. Continuo intuitiva, com "fogo no rabo" como se costuma dizer mas mais sensata. Penso no que digo, no que escrevo e danço como se fosse última vez, porque pode ser sim a última vez. Passei a ter noção que a vida se vai ex…

Revelação

Não é novidade que estive afastada de actuações durante os últimos três anos.Tive de o fazer.
Catorze anos de actividade intensa entre aulas, workshops, mentorias, espectaculos e atuações nos mais variados espaços, desfoca. E pior, há o perigo de nos tornamos máquinas. Chegou a um ponto que aquela vontade, estimulo e vigor tinham desaparecido... estava cansada, esgotada, sem a força que me caracteriza... física e psicologicamente. Parar, na altura, não me era opção (julgava eu) e assim a vida dá um twist obrigando-me mesmo a fazer uma pausa. Essa pausa tem o nome de maternidade. Gerei e criei a minha obra prima. E todo este tempo estive focada na minha pequena Raquel. Custou-me muito estar afastada mas, agora entendo que foi necessário. Tive o tempo e o espaço que precisava para pensar, ou melhor, sentir, qual seria o meu caminho na dança de entre tantos que hoje em dia o universo desta arte "permite". Depois de achar que nunca mais voltaria a dançar, dei por mim a ter saudade…

O Ventre Em Nós . Mais do que um simples evento

"THE MOST IMPORTANT THING IS TO TRY AND INSPIRE PEOPLE SO THAT THEY CAN BE GREAT IN WHATEVER THEY WANT TO DO"
 Kobe Bryant

Este é o meu lema, desde que comecei a lecionar Dança Oriental, há 17 anos atras.
Para bem - e para mal porque há sempre o reverso da medalha - a Dança Oriental, está espalhada e implementada um pouco por todo o mundo. Partiu da fonte, ramificou-se e hoje em dia existem milhares de bailarinos e com eles, mil e uma possibilidades de ensino e aprendizagem. 
Há festivais, palestras, workshops, escolas, espetáculos, competições, viagens, encontros, etc, sem contar com todas as plataformas digitais disponíveis hoje em dia. Mas, pergunto: será que a qualidade é constante?... Claro que sim, mas também tenho a certeza que não. E não vale a pena dizer-se o contrário.
Eu, como disse anteriormente, já anda nisto há algum tempo e, falando do mercado em Portugal que é onde estou inserida, venho-me apercebendo o quanto a nova geração de bailarinos sente falta de uma proxim…