Avançar para o conteúdo principal
Sara Naadirah apresenta:
II Encontro – Conversas e Danças no Feminino

7 Fevereiro . 11h às 16h . espaço Dançattitude . 35€

Eu acredito que é (também) na informalidade de uma boa conversa e na partilha de experiencias, que a magia da Dança Oriental acontece.

Assim, e dando continuação ao sucesso que foi o primeiro, proponho um II ENCONTRO  onde possamos “tertúliar” e elevar a nossa dança em TÉCNICAS DE PALCO onde o tema protagonista será A BAILARINA E O PÚBLICO.

Estão TODAS convidadas a participar neste circulo feminino onde o masculino é também muito bem vindo. É especialmente dirigido a alunas de nível intermédio, avançado, aspirantes a profissionais e profissionais.

*1ª parte (teórica): 11h às 13h . partilha, dicas e entrega de material teórico;
*2ª parte (prática): 14h às 16h . sequências coreográficas de técnicas de palco.
*Entrega de Certificado de Participação

INCRIÇÕES:
. para garantir a sua participação no encontro, terá de realizar a transferência do valor (35€) para o nib indicado e, avisar de seguida que o fez para o email saranaadirah@gmail.com ou tlm 914258256 informando os seguintes dados:
*Nome
*Email
*Nº telemóvel;
*NIB: 0007 0271 0015 0604 80965 (Novo Banco)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

E foi num piscar de olhos...

E foi num piscar de olhos que chego aos 40 anos. É verdade. E sou daquelas que não esconde a idade. Amanhã, dia 1 Agosto faço anos, quarenta primaveras. Acho que não é uma idade qualquer. Ao fazer 40 anos deixo para trás a primeira metade da minha vida. E foi MARAVILHOSA. Apesar de todas as dificuldades, obstáculos e desafios - esta última década foi lixada - faria tudo de novo (talvez alguns twists pelo caminho) mas não me arrependo de nada. Tive momentos e alturas que me fizeram o que sou hoje e que me marcaram para a vida, se calhar, para várias vidas. Tenho saúde e a minha família também, estou viva e tenho tudo o que necessito. Não tenho do que me queixar. Começa agora a segunda metade. Já mais madura e calma, naturalmente passei a agir com ponderação. Continuo intuitiva, com "fogo no rabo" como se costuma dizer mas mais sensata. Penso no que digo, no que escrevo e danço como se fosse última vez, porque pode ser sim a última vez. Passei a ter noção que a vida se vai ex…

Revelação

Não é novidade que estive afastada de actuações durante os últimos três anos.Tive de o fazer.
Catorze anos de actividade intensa entre aulas, workshops, mentorias, espectaculos e atuações nos mais variados espaços, desfoca. E pior, há o perigo de nos tornamos máquinas. Chegou a um ponto que aquela vontade, estimulo e vigor tinham desaparecido... estava cansada, esgotada, sem a força que me caracteriza... física e psicologicamente. Parar, na altura, não me era opção (julgava eu) e assim a vida dá um twist obrigando-me mesmo a fazer uma pausa. Essa pausa tem o nome de maternidade. Gerei e criei a minha obra prima. E todo este tempo estive focada na minha pequena Raquel. Custou-me muito estar afastada mas, agora entendo que foi necessário. Tive o tempo e o espaço que precisava para pensar, ou melhor, sentir, qual seria o meu caminho na dança de entre tantos que hoje em dia o universo desta arte "permite". Depois de achar que nunca mais voltaria a dançar, dei por mim a ter saudade…

O Ventre Em Nós . Mais do que um simples evento

"THE MOST IMPORTANT THING IS TO TRY AND INSPIRE PEOPLE SO THAT THEY CAN BE GREAT IN WHATEVER THEY WANT TO DO"
 Kobe Bryant

Este é o meu lema, desde que comecei a lecionar Dança Oriental, há 17 anos atras.
Para bem - e para mal porque há sempre o reverso da medalha - a Dança Oriental, está espalhada e implementada um pouco por todo o mundo. Partiu da fonte, ramificou-se e hoje em dia existem milhares de bailarinos e com eles, mil e uma possibilidades de ensino e aprendizagem. 
Há festivais, palestras, workshops, escolas, espetáculos, competições, viagens, encontros, etc, sem contar com todas as plataformas digitais disponíveis hoje em dia. Mas, pergunto: será que a qualidade é constante?... Claro que sim, mas também tenho a certeza que não. E não vale a pena dizer-se o contrário.
Eu, como disse anteriormente, já anda nisto há algum tempo e, falando do mercado em Portugal que é onde estou inserida, venho-me apercebendo o quanto a nova geração de bailarinos sente falta de uma proxim…