Avançar para o conteúdo principal

Missão... Será que tenho alguma?

De uma coisa eu sei: que nada sei.
Aventurei-me como bailarina profissional de Dança Oriental com profundas convicções que - apesar de tudo - tento manter a todo o custo. Não me faria sentido ser ou agir de outra maneira.
Acredito que, uma bailarina tem de ter personalidade e carácter para conseguir passar alguma coisa ao seu publico e, mais importante, para ela mesma.
Acreditar e ouvir-se a si mesma - quando tudo e todos parecem girar ao contrário - é o grande desafio para manter uma carreira durante anos. Isso implica conhecermos-nos a fundo e aceitarmos-nos. E esta é para mim a grande vantagem quando se embarca a fundo nesta dança, como já escrevi em inúmeros postes anteriores.
Nunca segui e sei (uma das minhas convicções) que nunca seguirei modas, caminhos fáceis, e carneiradas. O óbvio nunca foi para mim óbvio. Simplesmente porque não sou assim... aprendi a pensar por mim e, a depender somente de mim para fazer o que me der na real gana. Esta atitude que me acompanha ao longo dos anos, deu-me, em inúmeras situações (senão em todas), coragem e força para subir em centenas de palcos, encantar milhares de pessoas e inspirar outras centenas de alunos com uma dança que posso dizer que tem a minha personalidade.
Confio em mim, mas a insegurança e a duvida é algo que me bate à porta constantemente. 
Que futuro terei nesta Dança? Que mais posso eu contribuir? Será que já não fiz tudo? Vale a pena continuar? Terei eu alguma missão?... Esta e muitas outras perguntas assombram a minha cabeça. 
Não procuro ser diferente nem original, procuro cada vez mais, autenticidade e profundidade.
Procuro, chegar - ainda mais- a públicos descrentes em relação à Dança Oriental, coisa que têm sido uma constante ao longos deste 11 anos.
Procuro paixão em tudo o que faço... será isso algum tipo de missão? Não sei... por agora só sei que:
Say Something, I´m Giving Up On You... Não poderia dizer melhor que as letras desta musica. 

De A Great Big World e Christina Aguilera
https://www.youtube.com/watch?v=BmErRm-vApI

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…