Avançar para o conteúdo principal

Atarefada com:

. a minha cadelinha;
. preparação de meu espectáculo.

Realmente ando um pouco ausente do blog, mas não é por mal, é porque estas duas "tarefas" ocupam-me mesmo quase todo o meu tempo disponível.
A minha Nikita está super bem mas é traquina... tenho de andar sempre de olho nela para não me "comer" a casa e reclama sempre por mimos. Eu, como mãe babada não consigo resistir às investidas dela para os passeios (que adoramos), carência constante de caricias que me deixam completamente desarranjada, para a brincadeira - é incrível como está sempre disponível para a bola e a corda e claro não deixo - à boa maneira do meu mestre em psicologia canina Cesar Millan - aplicar-lhe disciplina e, noção de respeito pelo papá e pela mamã. 
Teria de criar outro blog para contar toda a minha experiência com esta maravilhosa criatura, é fantástico e é incrível o que ela me está a ensinar - sim! eles ensinam-nos não só valores mas, e principalmente, o que é AMOR verdadeiro e incondicional. Apesar de ainda ser uma bebezona, é uma companheira... para tudo!! Mas, apesar de tudo de bom que um cão nos traz, traz-nos também o sentido de dever e responsabilidade  Para mim, é um compromisso que tenho: ela dá-me tudo e eu dou-lhe parte do meu tempo e uma dedicação especial.

Também ando a mil a preparar o espectáculo que me está a tirar, literalmente, o sono. É sempre assim... invento, procuro, realizo, busco pelos meus sonhos mas, acho que sempre que o faço tira-me anos de vida. Não imaginam a pressão que tenho sobre mim especialmente com este show. Além de ter de lidar com toda a minha insegurança - sim!!! tenho inseguranças e muitas - tenho de garantir que todos os meus colegas e alunos convidados se sintam bem e preparados, que o publico delire (no mínimo) com o espectáculo e, e principalmente que consiga (e esse é o meu grande objectivo) mostrar aos mais cépticos e preconceituosos em relação à Dança Oriental, que, a que se faz em Portugal, é uma ARTE, ao mesmo nível de todas as outras danças e, que, há sim bailarinos/profissionais competentes e com talento no nosso país.
AJUDEM-ME AMANTES DA DANÇA em concretizar este "NOS MEUS SONHOS..." comparecendo no espectáculo, apoiando-nos e mostrando que este não é só o meu sonho, é de todos nós: ter auditórios cheios com espectáculos de DANÇA, onde os profissionais estejam unidos somente pelo AMOR a esta ARTE. Para que os produtores, empresários e todos que fazem a "máquina andar" percebam que é um excelente negócio investir na Dança e sim... na DANÇA ORIENTAL!!!!
Conto convosco!

Comentários

  1. Adoro tudo que escreves . Es tao Humana simples e delicada ao mesmo tempo.
    Saudades

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…