Avançar para o conteúdo principal

Canso-me...

Quero pedir desculpa, a todos que me seguem, por estes últimos tempos não ter escrito quase nada.
Podia arranjar mil justificações para a minha ausência no blog mas, a razão é só uma: estou numa fase pouco criativa em termos de pensamentos. Sim! Não me tem apetecido filosofar. 
Acontece que, com inúmeras coisas para organizar, agendar, criar, ensinar, actuar desde que começou o ano lectivo, a última coisa que quero é sentar-me ao computador e pensar.
E, como já se escreve tanta coisa, não quero ser mais uma a "encher chouriços" só porque sim. Criei o blog para poder partilhar as minhas reflexões diárias enquanto ser humano e bailarina, escrevendo o que ache importante e, como só faço o que me apetece, sempre com o objectivo de ter prazer e me sentir bem, simplesmente não tinha nada de importante para partilhar.

Assim sou eu: faço o que me apetece, quando quero, ao meu jeito. Sou controladora, por vezes obsessiva, mandona. Gosto de liderar. Estar à frente, compreender o que se passa à minha volta. Dominar. Criar e inventar caminhos para seguir teimosamente os meus sonhos e objectivos.
Mas sinceramente, por vezes ser eu, cansa-me...
Não é fácil ter a personalidade e a intuição que tenho. Ter a responsabilidade total de todas as minhas decisões e vida requer uma determinação constante. Uma auto-confiança e auto-estima fortes o que é cansativo. Nem todos os dias são bons... sou humana, tenho defeitos e fraquezas. E graças a Deus por isso, pois são nesses momentos que lembro que não sou a super mulher, sou simplesmente uma mulher.
De vez em quando gosto ser liderada, que pensem por mim, que me controlem, que decidam por mim, que me corrijam, que me calem, que me parem. Que me defendam de mim própria. Que me amem.
Esta também sou eu... insegura e carente...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…