Avançar para o conteúdo principal

É sempre uma escolha...

Viver é também, saber escolher.
Se analisarem, temos sempre duas hipóteses de "caminho": podemos seguir A, B ou até mesmo inventar uma C.  
Na busca da opção racionalmente mais certa, pensamos demais, receamos demais, reclamamos demais, imaginamos demais, desencorajamo-nos demais, orgulhamo-nos demais!
E se adicionássemos a voz do nosso instinto? Optamos ouvi-la, ou simplesmente cala-se num amontoado de sons externos, provocados já por uma formatação social estabelecida, óbvia e esperada?
Eu penso que, é nas escolhas mais instintivas que fazemos no quotidiano, que nos torna pessoas mais felizes ou infelizes.
Por isso:
Eu escolho estar alegre, mesmo quando tudo esmorece.
Eu escolho rir quando o cenário é para chorar.
Eu escolho amar quando apetecia odiar.
Eu escolho humildade quando o orgulho tenta prevalecer.
Eu escolho ter esperança quando não parece have-la.
Eu escolho não irritar-me quando me chateiam.
Eu escolho falar mesmo quando me viram as costas.
Eu escolho ir em frente mesmo que tenha de inventar o caminho.
Eu escolho ouvir a voz do meu instinto mesmo quando ele fala baixinho.
Eu escolho no meu no meu dia a dia estar bem, tirando o máximo prazer em tudo que faço, aprendendo em cada situação.
Eu escolho sempre ser feliz... mesmo que, para isso, não opte pelo caminho mais óbvio... mesmo que não agrade a todos... mesmo que "desamigue" muitos "amigos".
Eu escolho ser eu mesma... não é fácil... mas é uma escolha!

Comentários

  1. Oi Sara :)
    partilho a escolha de vida e o conteúdo do post de hoje.
    Socialmente criam-se muitos "monstros papões", agora é o da Crise económica que mais se fala. Sim, estamos em crise, é real e temos de sair dela, mas não temos de paralisar por medo e vivermos aterrorizados pelo amanhã.
    Não devemos temer o desconhecido, é nesta altura que a minha Vida está a mudar porque escolhi fazê-lo, é tudo menos racional, mas sinto que é o caminho certo e isso faz-me feliz. Quem me apoiar, muito obrigada. A quem me tentar demover, não vale a pena, não me vão "enfiar minhocas na cabeça", acredito que o meu passo no desconhecido é o passo certo e fazermos o que nos apaixona e podermos viver e receber o que merecemos é importante! É muito importante termos amor na cama, paixão no trabalho, comida na mesa e dinheiro na conta, paz e saúde para viver isso em pleno.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…