Avançar para o conteúdo principal

Depois da Revelação


Falar e expor-me, em ambiente de aula perante mulheres que anseiam aprender comigo, intimida-me. E sempre me intimidou. Porque sei o peso da responsabilidade.
Ensinar esta arte é muito, mas muito mais que "passar" técnica. É conseguir ir ao encontro da alma bailante que cada aluna tem, inspirá-la e motivá-la sobressair. 
Confesso que estava nervosa. Acho que nunca, mesmo já tendo passado tantos anos, deixo de me sentir insegura e apreensiva. Não quero aplicar mal as palavras, não quero confundi-las, quero que a mensagem seja clara. Falar em publico é-me ainda, constrangedor. Mas, quando o fazemos com verdade, com sinceridade, de mulher para mulher, algo mágico acontece e tudo flui. Acho que foi isso que aconteceu na formação d`O Ventre em Nós: magia.
Vi mulheres carentes de respostas que gritam por companheirismo. Querem sentir que não estão sozinhas e que afinal, nós, profissionais somos humanas tal como elas. Poder, nestas ocasiões especiais, passar as minhas experiencias, receios, superações é... encher-me de vida. Sinto que sei, que através da minha dança, ensino e mentoria posso ajudar tantas mulheres, meninas, bailarinas a empoderarem-se. Arrogância minha? Talvez. Mas o que aprendi com este evento (sim, porque aprendo mais do que ensino) é que tenho, posso e devo valorizar-me. Não é vaidade. É mérito.
Sinto também que este é, cada vez mais, o meu caminho na dança como bailarina e como ser humano: acompanhar outras mulheres. Caminho este que tem um passado que construí a pulso, sozinha e sem orientações de outras profissionais ou mesmo de outras mulheres. Orgulho-me poder dizer que tudo que transmito quer em aula, quer em palco, é fruto de um trabalho pessoal intenso e real onde observei (e observo) onde ouvi (e oiço) mais do que falei (ou falo). Tenho desejo de passar toda esta experiencia a novas gerações de bailarinas (quer à mais jovem à mais madura) e dar o que não me deram: pura amizade, respeito e admiração.
Ter voltado a atuar foi... como ter voltado a sentir o calor do sol na pele. É energizante. Quando se nasce bailarina, o seremos toda a vida. Querer anular esse meu eu, é o mesmo que morrer aos poucos. Que saudades tinha... dos bastidores, do convívio no vestiário, dos sons das decorações dos trajes, do cheiro da maquilhagem, dos nervos miudinhos, do stress em estar tudo pronto, dos risos. O sentir da adrenalina segundos antes de pisar o palco. Dançar e permitir que seja uma explosão de energia numa especie de linguagem sagrada e depois, a compensação que é ouvir as palmas. Adoro tudo que tem haver com espectaculo: o antes, o durante e o depois.
Como já tinha dito, este palco d´O Ventre em Nós seria não só especial por ser um recomeço ao lado de mulheres que habitam no meu coração mas também, porque a minha pequena Raquel foi ver-me dançar pela primeira vez. Ouvir dela no final: "Mãe, foste tão maravilhosa" foi o elogio mais genuíno que alguma vez tive. O olhar dela enquanto dançava disse-me tudo, valeu-me tudo e compensou tudo.
São deste momentos e de eventos como este que vejo materializar-se o que sempre sonhei como bailarina de Dança Oriental. Sei que vou ter de continuar a triar caminho e inventar ( e reinventar-me) palcos e trabalho... vida de artista eternamente insatisfeita como eu sou é mesmo assim. Há que aceitar. E vocês, mulheres, saibam que não estão sozinhas... é só me contactarem.



Comentários

  1. Sara, este é o melhor texto que já publicaste.
    Transpareces em cada frase, que espelham tão bem quem és.
    Podes e deves continuar a ensinar, a partilhar o teu amor, o teu sentir, podes e deves mostrar, sem receio, a tua dança, o teu corpo, deixando que ele, através da interpretação da música, irradie a tua beleza interior e exterior.
    Tu contas histórias dançando, é fácil sentir o teu sentir em cada passo.
    Dançando mostras a mulher bela e poderosa que levas contigo, dançando Sara, mostras, desde sempre, o melhor de ti.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Mar, grata pelas tuas palavras. Acompanhaste todo o meu percurso. E é tão bom ter-te conhecido. Uma aluna que se tornou uma amiga. Obrigada.

      Eliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Revelação

Não é novidade que estive afastada de actuações durante os últimos três anos.Tive de o fazer.
Catorze anos de actividade intensa entre aulas, workshops, mentorias, espectaculos e atuações nos mais variados espaços, desfoca. E pior, há o perigo de nos tornamos máquinas. Chegou a um ponto que aquela vontade, estimulo e vigor tinham desaparecido... estava cansada, esgotada, sem a força que me caracteriza... física e psicologicamente. Parar, na altura, não me era opção (julgava eu) e assim a vida dá um twist obrigando-me mesmo a fazer uma pausa. Essa pausa tem o nome de maternidade. Gerei e criei a minha obra prima. E todo este tempo estive focada na minha pequena Raquel. Custou-me muito estar afastada mas, agora entendo que foi necessário. Tive o tempo e o espaço que precisava para pensar, ou melhor, sentir, qual seria o meu caminho na dança de entre tantos que hoje em dia o universo desta arte "permite". Depois de achar que nunca mais voltaria a dançar, dei por mim a ter saudade…

O Ventre Em Nós . Mais do que um simples evento

"THE MOST IMPORTANT THING IS TO TRY AND INSPIRE PEOPLE SO THAT THEY CAN BE GREAT IN WHATEVER THEY WANT TO DO"
 Kobe Bryant

Este é o meu lema, desde que comecei a lecionar Dança Oriental, há 17 anos atras.
Para bem - e para mal porque há sempre o reverso da medalha - a Dança Oriental, está espalhada e implementada um pouco por todo o mundo. Partiu da fonte, ramificou-se e hoje em dia existem milhares de bailarinos e com eles, mil e uma possibilidades de ensino e aprendizagem. 
Há festivais, palestras, workshops, escolas, espetáculos, competições, viagens, encontros, etc, sem contar com todas as plataformas digitais disponíveis hoje em dia. Mas, pergunto: será que a qualidade é constante?... Claro que sim, mas também tenho a certeza que não. E não vale a pena dizer-se o contrário.
Eu, como disse anteriormente, já anda nisto há algum tempo e, falando do mercado em Portugal que é onde estou inserida, venho-me apercebendo o quanto a nova geração de bailarinos sente falta de uma proxim…