Avançar para o conteúdo principal

Lições de Vida e de Dança IX - Saber Parar e Celebrar as Vitórias

A Vida é implacável quer a ensinar-nos, quer a proteger-nos, grande parte das vezes de nós próprios.
Ela (VIDA) através de uma sabedoria superior, obriga-nos (contra a nossa teimosa vontade mas para nosso bem) a PARAR.
Saber ler os sinais que ela nos dá e SABER PARAR para reflectir em novos caminhos é algo que tenho aprendido nos últimos dois anos da minha vida e carreira. Não dá para estar sempre em estado de fogo. Há que abrandar, esperar, estar, relaxar, silenciar e... CELEBRAR.
Celebrar a Vida, Vitórias, Conquistas, Amores é algo que nunca fiz... estranho. Nos últimos 10 anos estive sempre em estado de alerta máximo, conquistando, fazendo, provando, mexendo, inventando e sonhando mas nunca celebrando. Nunca me o permiti. Talvez por achar que não merecia ou porque acho que ainda não vou nem a meio caminho daquilo que quero.
Mas, nos últimos tempos obriguei-me a parar - a Vida assim o quis - e todo o fogo que antes estava sempre lume máximo, baixou. Não se apagou, mas acalmou. Dessa forma, consegui, talvez pela primeira vez em 10 anos, respirar fundo e olhar sobre o ombro para trás e VER o que já fiz.
Sim, fiz tanta coisa mas desfrutei pouco de cada uma... Parar e Celebrar, novidade para mim...

Deixo aqui algumas imagens da minha DESAFIANTE, ESCOLHIDA e ORGULHOSA jornada... desde centenas de aulas e workshops que já leccionei a centenas de alunas, desde o mais variadíssimo publico que já me viu dançar em - também - centenas de actuações realizadas em espectáculos e eventos, passando pelas minhas viagens à escrita da minha experiência como bailarina e ser humano num blog criado para o efeito fico... orgulhosa da minha VIDA, das minhas iniciativas, da minha criatividade e força. 
GRATA é a palavra certa. Pelas pessoas que passaram por mim, pelas dificuldades que me fizeram amadurecer, pela minha autenticidade que fiz sempre questão de preservar. 
Rendida à essência que descobri da Dança Oriental que moldou a mulher que sou hoje, tanto no palco como nos bastidores.
Espantada pela originalidade e pela visão diferente que tenho na minha dança e vida, trilhadas a pulso, enfrentando os meus próprios demonios numa batalha solitária.
Muito Grata...








































Comentários

  1. Sara querida, muito me orgulho de fazer parte da tua vida. Tens um lugar de ouro no meu coração. Bem hajas, hoje e sempre! margarida

    ResponderEliminar
  2. Também no meu. Foi contigo que comecei a dançar. És linda Sara. um grande beijinho para ti.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…