Avançar para o conteúdo principal

Lições de Vida e de Dança III - Entrega

Há um ditado popular que me encaixa perfeitamente: 
"Nós fazemos planos e Deus ri-se deles."
Imagino o quanto Deus ri-se de mim todos os anos, quando, por volta desta altura, faço planos para o próximo ano. 
Mas, acho que desta vez não vai ter sorte comigo... Não tenho tido outro remédio senão ENTREGAr-me. Entregar-me à Vida, e ao que esta me reserva sem "espingardar" muito,  sem fazer planos que nunca saem como planeei.
Acontecimentos recentes na minha vida, forçaram-me a pensar MUITO - talvez até demasiado - neste conceito de entrega a aquilo que não conseguimos (nem era suposto) controlar, que, para uma control freak como eu, é complicado. 
Sim, custa-me não ceder à ilusão do controle, que é o que realmente é: uma ilusão.
Então decidi (talvez esteja eu de novo a controlar) não me iludir mais. Simplesmente, deixei de teimar impondo o que penso que é bom para mim e entreguei-me ao que Deus tem planeado para mim (se é que tem alguma coisa planeada). 
Em vez de desconfiar e ter a prepotência de que Eu é que sei, estou literalmente - e talvez pela primeira vez na minha vida - a confiar e a deixar-me levar por algo superior. 
Chegamos a um ponto, que não temos outra alternativa senão submetermo-nos. Quando já fizemos de tudo, esgotamos todas as nossas cartas, só nos resta mesmo ENTREGAR e CONFIAR.
Surpreendentemente a coisa resulta numa paz indescritível e é impressionante como, de alguma forma, tudo se resolve e o resultado é muito melhor que alguma vez espetado. 
Claro, que já o faço há muito na dança. Aliás foi ela que primeiro me despertou para esta atitude. Entrego-me cada vez que piso o palco, cada vez que dou uma aula, cada vez que escrevo neste blog. Não planeio, não penso muito. Simplesmente FAÇO, simplesmente DANÇO numa entrega sagrada que faço a mim própria e ao meu publico. 
A sensação de alívio quando o faço é indescritível. E esta escolha - que é uma escolha - de entrega à vida e à dança não custa assim tanto... exige antes uma superação dos nossos preconceitos, crenças impostas e medos.
Por isso sugiro: dê um presente a si própria neste Natal, ENTREGUE-SE.

BOM NATAL E QUE 2014 SEJA O ANO... da ENTREGA e da ESPERANÇA.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…