Avançar para o conteúdo principal

O meu trigésimo terceiro ano:

  Quem me segue, aqui pelo blog, sabe que no final de cada época lectiva (que coincide com a passagem de mais um aniversário meu) faço um balanço do que foi o último ano.
Posso dizer que: se o ano passado tinha sido o ano da desilusão e difícil, este foi o ano do desencantamento e bem duro.

Sempre ouvi dizer que, tudo que é belo, tem de passar pelo fogo. Que este purifica. Torna mais autentico. 
Foi pelo Fogo que que passei este meu trigésimo terceiro ano de vida... e, com muita dificuldade, lágrimas, incertezas, desencantamentos, quase a rastejar (muitas das vezes) consegui sobreviver. 
Esta é a palavra certa: SOBREVIVI!

Quem me conhece sabe, que não me mascaro com relatos que a minha vida (apesar de fazer o que quero) é só glamour e facilidades. MUITO PELO CONTRÁRIO!!! Quando decidi - há 10 anos atrás - que iria seguir o meu destino, não imaginava a coragem e determinação que precisaria de ter.
Decidir não seguir a "carneirada" (tanto como bailarina e como cidadã deste mundo) tem o seu preço que não é fácil pagá-lo... é um processo que exige um amadurecimento fora do vulgar e adiantado para a minha idade.
Nunca me ensinaram a lidar com o improviso que é o meu dia a dia - curiosamente a Dança ajudou-me nisso - o meu quotidiano ensinou-me que, tudo tem uma consequência e o que plantas - em ações, palavras e pensamentos - colherás. 
Eu semeei durante todo este ano. 
Estive mais recolhida a observar, a ponderar, a processar, a sentir as chamas a passarem por mim e ter a tentação de querer sair delas vendo o caminho mais fácil e obvio.
Sobrevivi, e agora sinto-me GRATA por ter conseguido passar por tudo sem deixar de ser EU. Apesar de ter-me ido abaixo psicologicamente, espiritualmente e principalmente fisicamente, consegui ser-me fiel.
Passei pelo Fogo, saí chamuscada mas nunca estive tão lucida das minhas capacidades. E, curiosamente, nunca dancei tão bem como agora. Sinto que ultrapassei obstáculos que me impediam de sentir a plenitude que é DANÇAR sem constrangimentos, medos ou preconceitos. Pela primeira vez, olho para a minha dança e vejo DANÇA, vejo ARTE, VEJO-ME.
Foi preciso passar pelo fogo do deserto para subir os degraus que estavam bloqueados, e tornar a minha passagem por este mundo mais genuína e verdadeira. Transformei-me e sinto-me ORIGINAL, com a certeza do que quero.
Muitos poucos compreenderão o que quero dizer. Infelizmente, a ilusão baseada num encantamento mundano continua a ser mais forte e daí, dar GRAÇAS a DEUS por ter-me desiludido e desencantado em TODOS os o níveis da minha vida, tanto profissional como pessoal.


O que notei também, neste ano que passou, foi que as semente que plantei no passado deram frutos pelas vias que menos esperava:
- desta segunda vez que tentei fazer um espectáculo no Museu do Oriente, as portas abriram-se que nem o mar vermelho se abriu para Moisés. Confiaram no meu trabalho e este "Da MULHER" correu melhor que o primeiro;
- a grande surpresa, para mim, foram as minhas alunas. Elas não imaginam que a minha maior recompensa foi ver que a semente dos meus ensinamentos - que são mais que meros passos de dança - deu frutos! E que frutos saborosos!!! Conquistas nos três primeiros lugares em concursos a nível nacional e tenho o orgulho de saber que quem aprende comigo APRENDE dança e a andar pelas suas próprias pernas;
- o prazer que foi estar mais próxima de colegas que respeito e adoro! Saber que não estou sozinha embora, o caminho da dança seja na maior parte das vezes solitário. Ter a sensação de ser respeitada e também admirada pelo meu trabalho é reconfortante.

LEÃO o meu signo

Agora, à semelhança dos outros anos, vou descansar. Desintoxicar-me com água salgada e fortalecer-me com o sol e natureza. O que se sucederá no meu próximo ano de vida? Não faço ideia, mas já nem ouso planear... o que vier será bem vindo, mas por favor: chega de provação...!


PS: deixo aqui o link de uma das minhas muitas danças deste ano. Mais do que palravas, a minha comunicação corporal diz muito mais: 

Comentários

  1. Compreendo-te perfeitamente. A caminhada nem sempre e' facil... tem altos e baixos mas e' ate' ai q descobrimos quem somos e tocamos a nossa alma! Continua corajosamente, gosto de te ver voar mais e mais :)
    Beijinhos,
    Filipa N.

    ResponderEliminar
  2. Já tinhamos conversado um pouco sobre tudo isto, mas acredito, pois já te conheço um pouquito que não és piquena de desistir, e vais lutar sempre e sempre pelos teus objetivos,vi isso no espétaculo deste ano, és uma força da natureza... Força para um novo ano que acredito que seja melhor...um grande beijinho de alguem que gosta muito de ti =)
    Ana Arsénio

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito Grata Ana!!!!
      E que tenhamos muitas jantaradas com o convívio de todos!!! Bem Hajas tu e a tua família!!!
      SN

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…