sexta-feira, 14 de junho de 2013

Moderno Oriental???

Afinal o que é isto de Moderno Oriental ou Moderno Árabe? Um estilo novo? Uma dança nova? Uma nova vertente?
Simplifico: é a mais pura e real Dança do Oriente.
Confusos??? 
Ora pensem um pouquinho: 
O que é a D. O. senão a nossa e individual expressão corporal, vinda directamente da alma numa linguagem ancestral e universal?!
A meu ver, o Moderno Oriental ou Árabe (como quiserem chamar) não é mais que o título rotulando a contemporânea tendência desta dança. Mas, que tendência é esta??


Para perceber o que se passa hoje em dia com a D.O. tem de se recuar no tempo e saber o mínimo da história desta e, o mais importante, o que é a essência da D.O.
Se analisarmos bem o percurso da D.O. ao longo dos tempos, percebemos (entre muitos aspectos) dois que acho importante para o assunto:
1º - a essência sagrada que esta possuía foi-se perdendo dando lugar a uma dança - embora rica em movimentos - superficial;
2º - dessa superficialidade evoluiu para uma dança comercial onde o exterior e um amontoado de movimentos bonitos se sobrepõe à sua essência original.
Entendo, que foi importante esta passagem, e teve os seus frutos: de uma dança rural e desconhecida passou a ser mundialmente conhecida e glamorosa. Grande nomes surgiram não só na dança mas também na musica. Estes, contribuíram com grande obras de arte que, ainda hoje são a plataforma de inspiração para as bailarinas e músicos. 
Mas, do outro lado da moeda, surgiu preconceitos que ainda se fazem sentir. A meu ver, tem haver com a absoluta ausência dessa essência original.
Esta "nova" tendência (rotulada como Moderno Oriental) não são as fusões inventadas, nem tem nada haver com os trajes da moda, muito menos haver com espectáculos quase circenses, com um sem numero de adereços. Não! 

O verdadeiro Moderno Oriental, é a tendencia onde bailarinos vão resgatar a tal essência sagrada da dança, tornado-a pessoal e original. É uma fusão entre o movimento, a musica, o corpo e a alma que culmina não só numa mera coreografia, mas numa comunicação sagrada entre o bailarino e o seu publico.

Quando digo "sagrada" obviamente não me refiro ao conceito de religião. Refiro-me ao mergulhar profundamente no que sinto pela dança e elevá-la ao estatuto que merece. É dar-lhe a importância devida, não a desvalorizando vulgarizando-a. 
É sobrepô-la a egos, vaidades, inseguranças e faltas de auto-estima. 
É uma busca incessante pela originalidade que há em nós, através do conhecimento profundo do nosso corpo , os movimentos característicos desta dança e partilhá-la com o mundo. 
Claro, que esta tendência reflecte todo o quotidiano dos dias de hoje, muito diferente de trinta , quarenta anos atrás. Sofre a influencia de vários estilos de musica e dança. Novas mentalidades que com as suas criatividades deram uma lufada de ar fresco, ditando, neste preciso momento, "as novas regras" mas... para interiorizar este conceito de Moderno Oriental, é preciso ter humildade em querer (sobretudo) sempre aprender, tendo esta máxima - que uso para mim própria - como, através da D.O., me posso conhecer melhor e assim tornar-me um ser humano melhor.

BOAS DANÇAS... BOAS DESCOBERTAS...



Sem comentários:

Enviar um comentário