Avançar para o conteúdo principal

E um ano passou...

E um ano passou desde que adotei (na verdade foi ela que me adotou) a minha cadelinha Nikita.
É muito difícil colocar em palavras a experiência que tem sido. Eu nunca tinha tido animais de estimação e na verdade tinha medo de cães mas, o contacto diário - ela vive dentro de casa connosco, não num jardim ou numa varanda - com este ser que considero ser especial, mudou totalmente a minha rotina e a maneira como sentia e via os cães.
Ela é a minha grande companheira e a minha fiel companhia. Silenciosa, comunica atravez do seu olhar e energia. Transmite uma calma e paz como nada mais me faz sentir. Preenche os meus dias com um Amor que não conhecia.
Quando choro lambe-me as lágrimas.
Quando riu brinca comigo.
Quando lhe dou uma ordem obedece.
Quando a chamo vem a correr.
Quando lhe dou mimo fecha o olhinhos e "curte" as festinhas.
Quando a deixo sozinha em casa fica triste mas quando chego está uns bons minutos a "dar ao rabo" louca de alegria.
Não pede nada em troca... não exige nada... 
E é por isso que lhe dou todos e mais alguns cuidados que merece. E é por isso que faço questão de a incluir em tudo o que faço. E é por isso que de madrugada vem ter comigo à cama e a deixo dormir comigo.
E é por ela que farei sempre o que conseguir para defender os animais, incluindo diminuir drasticamente o consumo exagerado de carne.
Por estes seres, viro Leão. Defendo, luto e não me calo a quem os desrespeitar e maltratar.
Aconselho: ADOTE (não compre) um cão, um gato... mas seja responsável e sensível pois aquela vida depende literalmente das nossas acções.
Aqui está uma das minhas fontes de inspiração para viver cada dia:





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…