Avançar para o conteúdo principal

Carta Aberta à Comunidade de Dança Oriental em Portugal

Caras/os colegas, alunas/os, amigas/os, amantes e curiosos da Dança Oriental e de Arte:

É conhecido a minha luta, durante já 10 anos, pela dignificação da Dança Oriental no nosso país.
Todos vocês me conhecem e sabem a seriedade e dedicação que coloco em cada dança, aula, workshop ou texto que me proponho fazer.
Todos sabem - ou pelo menos têm uma noção - do quanto é difícil ser-se bailarino neste país e, muitos não concordarão, mas sê-lo especificamente de Dança Oriental torna a "tarefa" bem mais árdua.
Eu, apesar de tudo, ADORO o nosso país. E, acredito que, se todos imigrarmos ou formos ser artistas noutro lado onde o respeito, a procura e o reconhecimento são de um outro nível (superior claro), Portugal fica entregue à bicharada do baixo nível e do vulgarismo. 
Eu não acredito que alunos, publico, amantes da Arte em geral mereça tal fado. Eu - e chamem-me o que quiserem - ainda acredito que vale a pena SONHAR em Portugal e REALIZAR esses mesmos sonhos.
Não tenho a ânsia de conquistar o mundo (mas se ele vier ter comigo ótimo!), fugir de cá, ou ir para outras galáxias. Sou uma portuguesa (lisboeta com muito orgulho) que quer trabalhar com os portugueses... por que não?!! 
Por isso, propus-me, uma vez mais, lançar-me no desafio que é idealizar, montar, e PROVAR aos mais cépticos, um novo espectáculo numa das salas mais conceituadas e exclusivas no território nacional.
Faço-o por mim sim, pela Dança que acredito e amo sim mas, faço-o também por todos nós - colegas - que sei que diariamente investem na sua dança sem qualquer rede de apoio como eu.

APELO, mais uma vez (e não me cansarei de o fazer): APOIEM-ME indo assistir ao - sim - MEU show mas que é para TODOS nós.
APELO a apoiarem as colegas que também irão actuar junto comigo.
APELO para que, gostem ou não particularmente da minha dança, façam questão de comparecer com amigos e alunos afim, de se provar aos produtores de espectáculo que vale a pena investirem em shows de dança, de DANÇA ORIENTAL.
APELO ao vosso bom senso e UNIÃO para que de uma vez por todas esta nossa dança, no nosso país suba de patamar e deixe de ser vista como de quinta categoria.
APELO a não arranjarem desculpas porque havia jogo de futebol, concerto de um estrangeiro qualquer, jantar imperdível, muito longe ou (a que mais me irrita) o bilhete é muito caro... um dia, faço-vos um inventário detalhado do investimento que está por de traz de um projecto como este, para terem uma vaga noção do que eu coloco em risco. 
APELO a esta "luta" ser de todos nós, para que num futuro próximo hajam mais espectáculos nos grandes palcos com vocês.

Neste show em particular, eu, minhas colegas e algumas alunas iremos homenagear, através da nossa dança, o ser feminino. Conto com todos vós nesta celebração, pois acredito no poder das fêmeas, das mulheres, das bailarinas, das portuguesas.
Dia 2 Março no auditório do Museu do Oriente, às 21h30. 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…