Avançar para o conteúdo principal

Benditas desilusões!

‎"Apesar das ruínas e da morte,
                                               Onde sempre acabou cada ilusão,
A força dos meus sonhos é tão forte,
Que de tudo renasce a exaltação
E nunca as minhas mãos ficam vazias"
Sophia de Mello 


Perto de completar mais um ano de vida, este poema resume o que foi o meu último.
Como é fácil os sonhos se tornarem ilusões e quão perigosos são eles, pois não passam disso mesmo... ilusão que acaba em decepção.
Por vezes as desilusões são tão grandes que dou por mim a pensar... "será que os meus sonhos são puras ilusões? Será que num sonho há ilusão ou é na ilusão que nasce um sonho?"
Não tenho respostas.
Uma coisa é certa, foi por sonhar que cheguei onde estou e é a continuar a sonhar que tenho força para não desistir e ser  mais uma "maria vai com as outras". É a sonhar que nasce a minha dança. É a sonhar que faz com que não me acomode nos já conquistados. É por sentir uma sede inesgotável de insatisfação que sonho. E benditos sejam cada um deles!!!!... Mas, como nos iludimos... e falo por experiência própria. Ainda não consigo perceber quando me estou a iludir, mas sinto na pele a tristeza a que me leva cada desilusão e é aí que percebo o quanto fui, talvez ingenua, ansiosa, teimosa, beneplácita (ui... esta foi a a minha irmã que me ensinou!!).
É em cada queda (e acreditem, é com cada uma!) que me ergo mais forte. É em cada chapada que a vida me dá, que dou por mim a ter a coragem de dar a outra face e seguir com mais convicção. É quando me cortam as asas, que aterro firme no chão e aí sei que estou com os dois pés bem assentes na terra, no caminho certo  ao que quero e não perdida a voar.
Graças a Deus cada desilusão, pois é na dor de cada uma que me aproximo mais dos meus sonhos, para que um dia deixem de ser só sonhos. Esse é o meu objectivo: torá-los realidade,  e sei que quando isso acontecer, será melhor que alguma vez imaginei.
O que me espera o no meu trigésimo segundo ano de vida? 
Sinceramente espero que seja mais fácil que o anterior... lá estou eu de novo... a iludir-me...

Comentários

  1. Querida Sara,
    sonhar é positivo, pois sonhar é ter metas e objectivos. Penso que falas da ilusão e essa é bem diferente do sonho. O importante é ter consciência e aprender a distinguir o Sonho (meta e objectivo a alcançar, possível, ou seja um objectivo de sucesso) da Ilusão (que no fundo é um Objectivo fracassado à partida).
    Quem sabe eu te posso ajudar com umas sessões de Coaching? Uma das ferramentas consiste em apresentar ao Coachée o teste de objectivos de Sucesso para que este possa determinar se o objectivo X pode ser de sucesso ou se está a focar a energia no sítio errado.
    Quando através do teste percebe que o objectivo é fracassado, tudo se torna mais fácil pois deixa de o perseguir e escolhe um novo que de facto pode alcançar. Focas a energia no que queres e podes alcançar!
    A maturidade vem da experiência, do viver e fazer e acertar e errar e aprender com o erro. E essa maturidade dá-nos força e confiança e acima de tudo, alguma sabedoria.
    Acho fantástico que não te acomodes e isso dá-te garra e "ganas de vivir"!
    O próximo ano será construído agora e vais viver o que plantares agora.
    O teu trigésimo segundo ano será muito bom, sê positiva e faz boas escolhas, espero estar por perto para partilhar o que está por vir.
    Gosto muito de ti!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Querida Moonlight,
    Porque não umas sessoes de coaching?...
    é um prazer conhecer-te e poder contar com a amizade!
    beijinhos grandes
    Sara N.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…