Avançar para o conteúdo principal

Sã Loucura!

Hoje comemora-se o Dia Mundial da Dança. E como todos os anos, centenas de escolas de dança e bailarinos celebram o dia com... (muita) dança. Já eu... reflicto.
Relembro os últimos anos, tudo o que já passei para poder simplesmente dançar e, dignificar esta dança que me escolheu. E, como em todos os anos, chego à mesma conclusão: escolhi a profissão mais difícil que existe: seguir a minha paixão/intuição/amor/coração. 
O meu trabalho intitula-se SER LIVRE, que no meu caso e por acaso (se é que existem) traduz-se na forma de ARTE/EXPRESSÃO - DANÇA, mais especificamente Dança Oriental.
Sou Bailarina. 
Não dr., arq., eng.,  meritíssima Sara. Não tenho diminutivos pomposos e bem vistos socialmente antes do nome. Sou simplesmente Bailarina... e a meu ver, este dia também homenageia todos os que escolheram a via da liberdade, pois é isso que um verdadeiro bailarino é: UM SER LIVRE.

É do domínio comum que não é fácil ser bailarino. Aliás, quando digo a alguém que vivo da dança (além de acharem que estou a gozar), ainda fazem uma cara de "deves ser maluquinha". É assim que as pessoas "normais" associam a Liberdade, à Loucura. 
E acho que têm razão! 
Pois só uma pessoa louca:
. faz aquilo quer e quando quer;
. expõe os seus sentimentos mais profundos;
. não tem medo de arriscar;
. ri-se dele próprio;
. ama; perdoa; chora; 
. VÊ; OUVE; SABOREIA; CHEIRA;
. SENTE;
. diz que é feliz com um sorriso; 
. não anseia fortunas; títulos; fama;
. não consegue reprimir o seu talento, custe o que custar;
. SONHA e persegue o seu sonho... etc... etc...

Sim... acho que os bailarinos são loucos... mas se calhar, são dos que fazem parte da minoria realmente Sã deste mundo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…