Avançar para o conteúdo principal

O Ventre Em Nós . Mais do que um simples evento



"THE MOST IMPORTANT THING IS TO TRY AND INSPIRE PEOPLE SO THAT THEY CAN BE GREAT IN WHATEVER THEY WANT TO DO"
 Kobe Bryant

Este é o meu lema, desde que comecei a lecionar Dança Oriental, há 17 anos atras.
Para bem - e para mal porque há sempre o reverso da medalha - a Dança Oriental, está espalhada e implementada um pouco por todo o mundo. Partiu da fonte, ramificou-se e hoje em dia existem milhares de bailarinos e com eles, mil e uma possibilidades de ensino e aprendizagem. 
Há festivais, palestras, workshops, escolas, espetáculos, competições, viagens, encontros, etc, sem contar com todas as plataformas digitais disponíveis hoje em dia. Mas, pergunto: será que a qualidade é constante?... Claro que sim, mas também tenho a certeza que não. E não vale a pena dizer-se o contrário.
Eu, como disse anteriormente, já anda nisto há algum tempo e, falando do mercado em Portugal que é onde estou inserida, venho-me apercebendo o quanto a nova geração de bailarinos sente falta de uma proximidade mais visceral com outros bailarinos que lhes são referencia. Percebi que, aprendem técnica. adquirem fatos maravilhosos, têm acesso às melhores musicas e com elas arrojadas coreografias mas, há ausência de profundidade, alma, arte e muitas vezes, seriedade. Falta-lhes teoria, simplesmente estarem, e com a mente aberta em conversas francas em ambiente intimista com esses tais mestres.
Daí (também) o surgimento de O VENTRE EM NÓS, e tal como o nome indica, queremos - eu e a Yolanda que a ideia deste projecto veio dela - que seja mais profundo que um simples evento e diferente de tantos outros. Queremos chegar ao intimo das questões e desfazer inseguranças. Queremos dar a atenção que muitas bailarinas carentes da mesma precisam. Queremos personalizar. Dar potencial. Autenticar cada bailarina. Queremos uma partilha honesta e generosa.
Não é um evento para massas, é para quem - independentemente se faz dança há um dia ou há 10 anos - quer despertar em si a sua melhor versão e que, através da dança se empondere, tanto no palco da dança como no palco da vida, já que uma é um reflexo da outra.
Daí o tema desta edição: ORIENTAL FOR STAGE . DÁ VIDA Á BAILARINA QUE HÁ EM TI. Esta será a III Edição e, pela experiencia dos anteriores, o feedback é um sucesso. 

O evento está dividido em duas partes:
. formação intensiva conjunta teórico-prática de quatro horas onde eu e a Yolanda estaremos "sem poses de diva" a dar estrategias personalizadas de como preparar, dançar e conquistar 3 musicas em 3 ambientes diferentes. Iremos abordar o tal planeamento e execução da dança coreografada e improvisada face ao tipo de evento, publico, local e, como diluir a distancia/limites entre a bailarina e o publico a fim de gerar proximidade emocional desconstruindo a técnica.           
. espectáculo/tertúlia de carácter intimista e informal onde haverá proximidade com o publico e onde está inserido um Open Stage para quem quiser, simplesmente, se apresentar mostrando as suas criações e um desfile da marca Bellydance Design.

Se queres participar ou só vir assistir ao espectáculo, inscreve-te ou reserva o teu bilhete que serão todos bem-vindos!!!Mas apressa-te, as vagas estão a esgotar!!!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Porque máquina, eu não sou!

Eu, não escolhi ser bailarina. A Dança me escolheu, disso, tenho a certeza. Nasci assim. Inquieta, criativa, intuitiva. Não gostava (não gosto) de falar, gosto de comunicar com o corpo. E é isso que a Dança é para mim: um dialogo. Mas há na nossa vida, momentos de recolhimento que convidam à introspecção. Eu estou nesse momento. Assim o intui, e como sempre, faço o que quero. Esta é uma das grandes lições que a Dança Oriental me ensinou: fazer respeitar a minha vontade. Depois de 15 anos de vida profissional intensa como bailarina, professora, etc... senti a necessidade de fazer uma pausa. Durante essa pausa nasceu a minha filha - a minha criação mais audaciosa e exigente - e com ela tudo mudou. O nosso corpo transformasse, a nossa mente ganha outras prioridades, o nosso espirito amadurece, o nosso ego arrefece. Hoje sou outra pessoa. Durante estes últimos (quase) três anos mantive-me quieta, observando e refletindo - e esta é outra grande lição que a D.O. me mostrou: OUVIR, VER e PE…

E foi num piscar de olhos...

E foi num piscar de olhos que chego aos 40 anos. É verdade. E sou daquelas que não esconde a idade. Amanhã, dia 1 Agosto faço anos, quarenta primaveras. Acho que não é uma idade qualquer. Ao fazer 40 anos deixo para trás a primeira metade da minha vida. E foi MARAVILHOSA. Apesar de todas as dificuldades, obstáculos e desafios - esta última década foi lixada - faria tudo de novo (talvez alguns twists pelo caminho) mas não me arrependo de nada. Tive momentos e alturas que me fizeram o que sou hoje e que me marcaram para a vida, se calhar, para várias vidas. Tenho saúde e a minha família também, estou viva e tenho tudo o que necessito. Não tenho do que me queixar. Começa agora a segunda metade. Já mais madura e calma, naturalmente passei a agir com ponderação. Continuo intuitiva, com "fogo no rabo" como se costuma dizer mas mais sensata. Penso no que digo, no que escrevo e danço como se fosse última vez, porque pode ser sim a última vez. Passei a ter noção que a vida se vai ex…

Revelação

Não é novidade que estive afastada de actuações durante os últimos três anos.Tive de o fazer.
Catorze anos de actividade intensa entre aulas, workshops, mentorias, espectaculos e atuações nos mais variados espaços, desfoca. E pior, há o perigo de nos tornamos máquinas. Chegou a um ponto que aquela vontade, estimulo e vigor tinham desaparecido... estava cansada, esgotada, sem a força que me caracteriza... física e psicologicamente. Parar, na altura, não me era opção (julgava eu) e assim a vida dá um twist obrigando-me mesmo a fazer uma pausa. Essa pausa tem o nome de maternidade. Gerei e criei a minha obra prima. E todo este tempo estive focada na minha pequena Raquel. Custou-me muito estar afastada mas, agora entendo que foi necessário. Tive o tempo e o espaço que precisava para pensar, ou melhor, sentir, qual seria o meu caminho na dança de entre tantos que hoje em dia o universo desta arte "permite". Depois de achar que nunca mais voltaria a dançar, dei por mim a ter saudade…