Avançar para o conteúdo principal

12 anos depois...



Quando abri o programa do Museu do Oriente, e me deparei com a publicidade do meu próximo espectáculo, simplesmente sorri...
Reflecti sobre o que foi preciso para conseguir ter um espectáculo meu num auditório tão requisitado e restrito como este.
Foram precisos 12 anos...
De trabalho diário, de persistência, de lágrimas mas também de muitos risos misturados com boas doses de loucura.
12 anos a provar que a Dança Oriental é mais do que uma dança exótica de meninas bonitas com nove espectáculos realizados, os dois últimos neste espaço.
Esta foto, enche-me de orgulho por saber que construí um nome respeitado na área da dança e onde agora, abrem-me as portas sem colocarem em causa a qualidade que ofereço.
Este espectáculo é, a meu ver, o meu melhor até agora. Idealizado com maturidade, tempo e sempre com a ousadia que me é característica.
Estou desejosa de subir, mais uma vez, neste palco e, com os meus colegas, partilhar com o publico a minha Dança Oriental nas suas mais diversas vertentes.  Será diferente, mágico e MUITO especial, para mim e para quem se deixar encantar.
Esta foto reflecte o que foi a minha visão há 12 anos quando decidi ser bailarina profissional... um caminho difícil mas que resultará na TERRA ENCANTADA.


Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…