Avançar para o conteúdo principal

Dare to Dream



Há momentos que acho mesmo que sonhei muito alto ou eles são grandes demais para mim.
Por vezes, não sei se são sonhos ou já pura teimosia. Sempre, desde que me lembro, lutei contra a maré. Não para dizer que sou diferente, ou que tenho algum tipo de missão, ou blá blá blá.... simplesmente lutei sempre contra maré porque esta não me fazia - e ainda não faz - sentido.
O grande problema é que essa maré de "amigos", pessimismos, preconceitos da sociedade, os medos, as culpas, o ceticismo da família, etc... transformou-se, ao longo do tempo, num mar gigante que já não pede licença quando quer engolir-me. 
"A vida é mesmo assim" dizem-me... e sinto cada vez mais o peso desse mar quando AINDA atrevo-me a sonhar. 
Para minha tortura - ou benção, um dia saberei - não consigo deixar de ouvir o meu instinto. A minha alma criativa grita constantemente e eu, ao tentar silenciá-la, retiro-me vitalidade. Então, para não morrer, alimento o meu coração com objetivos que, para todos, é loucura e perda de tempo.
Sinceramente pergunto senão têm razão.
Quem sou eu para lutar contra, neste momento, um oceano?... 
Terei mesmo de lutar contra ou, rendo-me?
Não estarei eu a alimentar o meu ego, não estarei a viver alienada da verdadeira realidade? 
Sinceramente já não sei... 
Continuo, pelo menos por enquanto, a atrever-me a não só sonhar mas, a tentar realizar esses mesmos sonhos. A TERRA ENCANTADA (o meu novo espectáculo que subirá ao palco do Museu do Oriente dia 30 Maio) resume a minha vida, recflete os meus sentimentos, é  a expressão da minha coragem em viver o meu sonho e, é o que neste momento me mantem FELIZ, ESPERANÇOSA e LIVRE.
Perguntou-me ontem a minha mãe: para quê te metes na realização desses espetáculos...? De que é que te vale?
E eu respondi: porque é o que me faz sentir VIVA.
Ainda é essa sensação de me sentir viva (nem que seja por meros momentos) que faz com que enfrente o tal oceano e pior que ele: a minha própria e complexa mente. Que complicado é domesticá-la. Acreditar que é possível: esse é mais outro oceano....





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…