Avançar para o conteúdo principal

Lições de Vida e de Dança VII - O Poder da Escolha

Não. Não sou nenhuma iluminada. 
Não. Não sou melhor que qualquer outra pessoa.
Não. Não sou nenhuma santa.
Não. Não sou diferente dos demais.
Sim. Escolho sim, seguir o meu instinto quando me diz ir para esquerda quando todos me dizem para ir para a direita.
Sim. Opto por marcar a diferença quando tenho a coragem (há quem confunda com ousadia) de fazer aquilo que digo, sinto, penso mesmo que não seja compreendido ou passe por maluca.
Sim. Danço aquilo que sinto, quando e aquilo que me apetece. Não me faria sentido ser de outra maneira, porque a Dança é a linguagem sagrada de Deus que, quando sintonizada, torna-se ARTE.
Sim. Escolho dar um carinho e atenção a um animal quando o podia ignorar.
Sim. Escolho tentar compreender os outros. Sim. Escolho perdoar, aceitar as minhas imperfeições e os meus limites. Sim. Escolho, mesmo sendo a única a fazê-lo, decidir pelos meus valores.
Tudo é uma escolha... e a escolha do correcto, da luz, do amor, do perdão, da sabedoria, da humildade... é sem duvida a mais difícil, a mais desafiante mas a mais recompensadora.
Não acredito do olho por olho, dente por dente. Não acredito na vingança. Não acredito no egoísmo, no ego, na magoa, no chico-espertismo.
Acredito na minha individualidade, na minha originalidade, no meu eu.
Acredito que quando descobrimos o nosso potencial, liberta-mo-nos da insegurança e da busca incessante/frustrante da aceitação dos outros. 
Acredito que os nossos actos (mais do que palavras e pensamentos), por mais doidos que pareçam, podem e fazem a diferença na vida de alguém, ou de algum ser. Há quem diga que é maluquice, eu digo que é determinação.
Acredito no profissionalismo e respeito pela dança, pela vida e pelo outros. Doa a quem doer, compreendem ou não. Confio nas minhas decisões, e na minha intuição mais do que a razão.
Há doze anos atrás, ESCOLHI, espreitar uma aula de dança onde a musica me encantava. Senti um chamamento estranho. ESCOLHI ouvir esse chamamento experimentando-a e COMPROMETI-ME em saber mais sobre ela. 
Essa escolha, ressuscitou-me, mostrou-me um caminho de auto-descoberta que ansiava encontrar e aqui estou hoje. 
Ter decidido pelo caminho da dança deu-me um sentido de vida que nem sequer sabia que existia. Fez-me agarrar o destino. Deu-me as ferramentas para poder saber quem é e ser a Sara, indomada e livre.
Acredito nas MINHAS ESCOLHAS.
Do you?!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…