Avançar para o conteúdo principal

Lições de Vida e de Dança VI - Ser Mulher

Estou aqui eu sentada a beber o meu chai tea latte e observo (algo que faço compulsivamente) o pessoal à minha volta.
Mais que os homens - que são previsíveis e aborrecidos - é no mulherio que passa que o meu interesse cai. Observo os seus comportamentos, estéticas e fisionomias. Oiço-as a falar e sei no que pensam, afinal também eu sou mulher.
SER MULHER é interessante, estimulante e desafiador. É imprevisível.
SER MULHER é, provavelmente, a mais difícil tarefa que Deus deu. Eu adoro ter nascido fêmea mas odeio o trabalho em sê-lo. 
E, com isto, não me refiro à superficial - muitas vezes obsessiva - preocupação que temos na nossa estética e fisionomia. Não. Para mim, SER MULHER, é muito mais que suas roupas, acessórios e afins. O trabalho a que me refiro vai mais fundo, à derme da mulher, ao seu útero.
Dá sim, muito trabalho e uma personalidade de fibra SER genuinamente feminina.
A propósito deste tema, e já que estamos no mês dele, faz agora um pouco mais de um ano que realizei um espectáculo dedicado a nós. Nada melhor que a dança DA MULHER (assim se intitulava) para a mulher. 
Lembro-me desse show como se fosse hoje, o quanto difícil e salvador este foi para mim.
Quis que fosse uma sincera homenagem às lutadoras deste mundo pelo simples facto de serem o que são: mulheres mas, mal sabia eu (como é impressionante que quando nos colocamos nas mãos sábias de Deus / Universo ela guia-nos e sussurra-nos pelas vias mais primitivas, no meu caso a dança) que fui bailarina e espectador naquela noite. Foi de mim para mim. 
Enquanto dançava - totalmente de improviso inspirada por uma força divina - resgatava a minha alma de um abismo de onde a vida me empurrava. A dança (oriental of course) salvou-me de mim própria. Foi para mim, um espetaculo estranho mas transformador. Senti o poder de SER MULHER e como esta dança está intimamente entranhada em nós.
SER MULHER é possuir um instinto selvagem que assusta os homens. Raça esta que teima em nos denegrir e arranja todos os estratagemas para nos descredibilizar. Estranhamente (ou talvez não) procuram, na grande maioria das vezes, uma mãe e não uma MULHER, talvez para se sentirem seguros e eternizar a infantilidade...
SER MULHER requer coragem, determinação e segurança.
SER MULHER exige fibra, personalidade e ousadia em desafiar o certo, o politicamente correcto, o estipulado e esperado numa esposa.
SER MULHER é cansativo, porque saber que a beleza que exibe vai para além do seus sapatos, cor de cabelo e bâton mostra uma sabedoria de auto-conhecimento e uma profunda confiança.
SER MULHER é lixado... seria tão mais fácil ser mais uma... mais uma barbie desesperada por atenção masculina, mais uma complexada obcecada pelo exterior, mais uma depressiva que se destrói iludindo-se que é a super-mulher.
SER MULHER é SER,  é SENTIR e fazer questão de não esconder o que É.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…