Avançar para o conteúdo principal

SER bailarino também é:

Danço, praticamente, desde que nasci. 
Ao longo de todos estes anos apercebi-me que SER bailarina é muito mais que aprender técnica, movimentos bonitos, ter corpos standartizados. 
Como mulher leoa que sou (também de signo) transformo as minhas experiências de vida  em movimento que celebro em cada dança.

Pois para mim, SER bailarina também é:

. apurar o nosso sexto sentido;
. ouvir o nosso coração/intuição;
. não pensar... agir por impulso;
. ter coragem de ir para o desconhecido;
. sensibilizar-mo-nos com a alegria e a dor dos outros;
. quebrar preconceitos;
. rir nas adversidades;
. chorar ao sentir;
. passear um cão;
. abraçar um gato;
. olhar nos olhos de um ser e ver a sua alma;
. cheirar uma flor;
. descansar à sombra de uma árvore;
. lavar a nossa alma no mar;
. sentir prazer ao acordar;
. inspirarmos vida;
. expirar energia;
. gozar cada movimento;
. impressionar-mo-nos com a simplicidade que é viver;
. celebrar o nosso corpo;
. orgulhar-mo-nos em dar;
. não esperar receber;
. parar e respirar;
. ver beleza onde não é óbvio;
. repugnarmos-nos com a falta de valores;
. resgatar pessoas;
. adoptar animais;
. andar descalça na terra;
. amar... amar...  amar... e ser amado.


SER bailarino é não ser óbvio. SER bailarino é não ser acomodado. SER bailarino é não ser cobarde. 
SER bailarino é ser selvagem. É SER fiel a nós. É conhecer-mo-nos. É SER honestos com a nossa natureza. É SER único. É PARTILHAR!
Pense nisto cada vez que dançar.

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Os Primeiros 24 Meses do Resto da Minha Vida

Foram precisos dois anos para conseguir escrever este post.  24 + 9 meses intensos e transformadores. Tal como no texto anterior - Assim Nasceu uma Mãe - precisei de tempo, distancia e lucidez para que estas palavras que aqui vou escrever sirvam-me como uma catarse. Partilho-as porque sim. Porque é preciso dar voz. Porque sinto que há mulheres a precisar de lê-las, de homens a precisar de compreender e uma sociedade a precisar de ter consciência. Porque muito se fala sobre o "cor-de-rosa" da maternidade mas pouco sobre o seu "cinzento". Eu irei partilhar o meu "cinzento" com toques "cor-de-rosa" que nada mais é que somente a MINHA verdade, sem pretender ter comparações, competições ou julgamentos que resultem em criticas ou conselhos (des)construtivos.
Há pouco tempo, enquanto a minha filha brincava num parque infantil, eu, desabafava chorando para a amiga que estava comigo. Por momentos, tive a impressão que muitas das mulheres que ali estavam tam…

E assim Nasceu... uma MÃE.

Ela dorme profundamente. Está silencio e, só agora, passado oito meses desde o nascimento da minha filha é que consigo - FINALMENTE - sentar-me com calma ao computador e retomar o blog. Não escrevo desde Junho. Não consegui. Disse que o voltaria a fazer em Novembro passado... antes de ela nascer disse tanta coisa... pensei tanta coisa... e já se passou tanta coisa. Precisei de tempo. Tempo para criar alguma distancia e assim ter capacidade de raciocínio e destreza emocional para este post. É um texto que me é difícil, mas que me exigi escrevê-lo. Escrevo-o para mim, para recordar, arrumar pensamentos, acalmar sentimentos e para pôr em palavras como foi e como é esta minha nova vivência. Ao partilhá-lo espero que chegue ao coração de muitos e à alma de de quem é mãe.
Eu demorei 36 anos a querer ter um filho. Nunca entendi o tal "relógio biológico a dar horas"(aliás, ainda hoje não percebo o que isso é) e desejo de engravidar. Muito pelo contrario! Fugia "a sete pés" de…