Avançar para o conteúdo principal

Oriental Dance Festivals - My Experience - parte III

Não queria deixar de falar sobre a minha experiência com os Festivais no Cairo sem referir, especificamente, o que mais gostei neles: os espectáculos - o de abertura e, principalmente, o do encerramento. Escrevi, nos posts anteriores, que o espírito que senti nestes Festivais, dificilmente voltaria a encontrar. E, o ambiente que se criava nos espectáculos que lá aconteciam, muito menos. Estes eram algo majestoso, mas para mim em particular, muito inspirador. 

Havia actuações todos os dias do Festival, bem como nos Cursos Profissionais, mas o da abertura e o do encerramento eram especiais. Nestes, reuniam todas as participantes para assistir as bailarinas mais "sonantes". Aquelas que eu mais queria ver. E assistir ao vivo, com banda a tocar, é outra coisa... é não só inspirador como aprende-se muito. Eu adorava esses momentos. Aliás, adoro. Ali via como uma bailarina conseguia captar a atenção e entreter quase 5 mil pessoas. E, tenho que lembrar, não eram umas pessoas quaisquer... eram estudantes/bailarinos de todo o mundo incluindo mestres que eram ou tinham sido os seus professores. Não imagino a pressão e a responsabilidade nesses artistas... mas faziam magia.

Nestas actuações, que ficava doida para assistir, corria para perto do palco para ver bem. Nestas situações ia sim muito mais cedo para ficar na fila (cheguei a ficar horas) para entrar no salão onde iria decorrer o jantar seguido do espectáculo. Era uma guerra para conseguir bons lugares nas mesas espalhadas pelo salão. Relembro que não eram espetáculos realizados em auditórios, mas sim, no maior salão do hotel onde ficávamos. O palco era improvisado (e bem pequeno) e o publico ficava distribuído pelas mesas, tipo festa de casamento. O espectáculo propriamente dito, só acontecia muito depois do jantar... lá para a meia noite... e arrastava-se por vezes até 2/3 da manhã... mas valia muito a pena. No entretanto, enquanto jantavamos e esperavamos as "cabeças de cartaz" actuavam as que tinham ganho na competição, bailarinos de folclore e cantores. Que saudades tenho de ver um espectáculo assim. Sem grandes técnicas audiovisuais a que nos habituamos e exigimos aqui no ocidente, mas com uma verdade e com uma identidade difícil de explicar. Era variado, divertido e interactivo.

Eram autênticos, onde se via que a tal bailarina sonante, realmente, esforçava-se para fazer o seu melhor. Apresentavam-se com uma atitude muito diferente de quando actuam num casamento, espaço "turístico" ou de entretenimento. Ali, notava-se a preocupação delas em verdadeiramente dançarem e mostrarem (e provarem) porque é que merecem a atenção e admiração que lhes dão. E provavam. Vi Arte. Dança pura e dura. A identidade desta dança sem floreios. A dinâmica que a bailarina criava com o publico e o comando que geria com os músicos. E estes... a alegria e o orgulho que demonstravam em tocar para nós. O que eu aprendi naqueles espectáculos não tem preço... saia de lá com o coração cheio e com humildade. Eu era só uma miúda, que nada sabia comparado com estes "monstros" de palco.

Como já disse, dificilmente volto a assistir a algo assim. Não porque não haja qualidade nos Festivais por esse mundo fora. Há muito bons festivais e muito bons espetáculos. Mas o ambiente conta muito. E o contexto também. E aqueles Festivais, naquela altura específica, geraram muitos dos bailarinos que hoje criaram os seus próprios Festivais e levaram o que aprenderam para os seus países.

Ter participado neles foi das melhores decisões da minha vida, não só como bailarina, mas como pessoa também. Custou (muito) na carteira, mas foi dos melhores investimentos que fiz. Guardo lembranças para a Vida e experiências que me moldaram para ser quem sou hoje. Guardo também episódios caricatos que fizeram destas minhas viagens aventuras que irei contar aos meus netos!!! Sei que voltarei ao Cairo para fazer um curso que ando a "namorar" faz alguns anos... embora saiba que, a magnitude daqueles Festivais não vou encontrar. Mas vou à procura de outras coisas... afinal a dança, a Arte, é um "organismo" vivo e em constante transformação. Ansiosa pela próxima aventura...

Na foto: eu com a Madame Raqia Hassan - criadora do Festival "Ahlan Wa Sahlan" em 2009





Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Sou Leão, com muito orgulho

Sou Leão, com muito orgulho e hoje faço 41 anos. Sim, aceito a idade que tenho sem complexos. Não, já não acho tanta piada fazer anos. O tempo não está a passar... está a voar. Ainda ontem adormeci com 20 anos e hoje acordo com 41. E tanta coisa já passou... e posso dizer que vivi, nesta minha segunda fase de vida, alguns dos meus melhores anos. A meu ver, entrei numa terceira fase.  Mais calma, muito mais calma. Mais madura, bem mais madura. Talvez mais confiante, mais interessante. Mas sinto o corpo a reagir à idade. Estou agora a começar a pagar as facturas das inconsciências dos anos anteriores. Sabia que vinham, mas não pensava que eram já... e não gosto. Todos os anos, na véspera do meu aniversário, gosto de fazer um reflexão do que foi. E este ano foi de acção, mudança, renascimento e cura. Todo panorama que vivemos actualmente contribuiu, como escrevi no post anterior "Acredito"... mas no meu caso acho que tinha mesmo de ser. Tudo tem o seu momento certo. E este era o

ACREDITO!

Não quis escrever este texto antes porque quis dar espaço para refletir e amadurecer pensamentos. Mas de uma coisa é certa: os tempos que vivemos não são indiferentes a ninguém.  Nunca, nem nos meus sonhos (ou pesadelos) mais loucos, pensei em viver uma Pandemia. Vi filmes, li artigos, assisti a documentários mas nunca imaginei que pudesse acontecer no meu tempo de vida. Aconteceu. E agora, em retrospectiva, não sei como não aconteceu antes, mais vezes e ainda mais letal. Confesso que no início desvalorizei... não podia ser assim tão mau... estava longe mas, quase do dia para a noite, aqui chegou ao nosso cantinho e de repente tudo muda.  Claro que fiquei com assustada... por mim, pelos meus e por tudo que teríamos de passar. E também, do dia para a noite, caiu-me a ficha: novos tempos aí vinham. Como sempre, rápido me adaptei e aceitei as directrizes, regras, condições e o medo foi substituído por oportunidade e... fé. Sim, acreditei (e ainda acredito) que esta pandemia trouxe oportun