Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2021

ATITUDE ... na Dança e na Vida

 ATITUDE. O que é?... Como consegui-la?... De onde vem?... É assim tão fundamental?...  Sim. É. Atitude, no momento certo pode fazer a diferença do tudo ou nada. Do muito e do pouco. De um caminho ou outro. Da realização ou da frustração. Decide momentos chave na nossa vida. Alavanca a nossa dança a um patamar difícil de superar. Sim. Ter atitude na Dança e na Vida é essencial. Mas ok... bora lá ter atitude... conseguem?... Pois. Não é assim tão fácil, pois não? Este termo comecei a ouvi-lo com a Dança Oriental, logo nos meus primeiros passos. Pensava: "ok, eu sei o que é ter atitude, vou aplicá-la, agora é que vai ser." E acabava por não ser nada. Pois é.… dizer é fácil. Demonstrar é difícil. Explicar é ainda mais. E eu, como gosto de reflectir, durante anos esmiucei o que é isto de ter atitude porque todos o diziam mas explicar como ter ou o que é... nada.  Mais uma vez, foi na prática diária de Dança Oriental, tanto no palco de sala de aula, como no palco de um espectáculo

A Crítica

Confesso que é algo que não gosto de receber. Sejam as críticas que forem. Gosto de elogios, de feedbacks, de opiniões, até que me corrijam, mas que me critiquem não. Irrita-me. E é logo daquelas coisas que me fazem revirar os olhos. Mas o que é exactamente uma crítica?...  Dir-me-ão que é tudo aquilo que descrevi em cima. Talvez. Mas, há uma variante que, para mim, faz toda a diferença: o tom com que é dito. A meu ver, tudo pode ser dito desde que se coloque o tom certo. E a mim irrita-me o tom da critica. Muito mais que as palavras e piora quando não peço.  Toda a minha vida ouvi críticas. Boas, más, construtivas, maldosas, inocentes, perspicazes, destrutivas, inteligentes. Eu própria já dei muitas... mesmo muitas. E sei o tom com que disse muitas delas. Sei também que certos tons meus feriram alguns. Muitos deles não foram de propósito. Era a única maneira que sabia para tentar elevar algumas dessas pessoas. Foi assim comigo. Não cresci, profissionalmente falando, a passarem-me