Avançar para o conteúdo principal

ATITUDE ... na Dança e na Vida

 ATITUDE.

O que é?... Como consegui-la?... De onde vem?... É assim tão fundamental?... 

Sim. É. Atitude, no momento certo pode fazer a diferença do tudo ou nada. Do muito e do pouco. De um caminho ou outro. Da realização ou da frustração. Decide momentos chave na nossa vida. Alavanca a nossa dança a um patamar difícil de superar. Sim. Ter atitude na Dança e na Vida é essencial.

Mas ok... bora lá ter atitude... conseguem?... Pois. Não é assim tão fácil, pois não?

Este termo comecei a ouvi-lo com a Dança Oriental, logo nos meus primeiros passos. Pensava: "ok, eu sei o que é ter atitude, vou aplicá-la, agora é que vai ser." E acabava por não ser nada. Pois é.… dizer é fácil. Demonstrar é difícil. Explicar é ainda mais. E eu, como gosto de reflectir, durante anos esmiucei o que é isto de ter atitude porque todos o diziam mas explicar como ter ou o que é... nada. 

Mais uma vez, foi na prática diária de Dança Oriental, tanto no palco de sala de aula, como no palco de um espectáculo, que fui entendendo mais a fundo este conceito. Queria, mais que entender para colocar em prática, partilhar o segredo. Percebi que - atenção que esta é a minha visão e não uma verdade absoluta - a atitude vinha da confiança que tinha em mim mesma. Quanto mais confiante estava, mais presença tinha. Mais brilho tinha. Menos medo sentia. Então era isso: ter confiança. Em mim, na minha dança, na vida. Estava desvendado..., mas... não fiquei satisfeita, porque esta descoberta levou-me a outra pergunta: o que é ter confiança?

Fui um pouquinho mais a fundo e comecei a perceber que quanto mais segurança tinha, em qualquer coisa que fazia, mais confiante estava. Ok, então é isso: a confiança vem da segurança que tens. Estava decifrado. Não... porque agora pergunto: e como ter essa segurança? De onde vem?...

Escavei mais um pouco e, dei por mim certo dia a preparar uma coreografia para um workshop importante que ia lecionar. Senti que quanto mais bem preparada estava com a tal coreografia, sabendo-a de cor e salteado e de traz para a frente mais segurança tinha e algum receio que pudesse sentir, acabou por se esvanecer. Tinha-me preparado ao máximo para aquele workshop. Todo o conhecimento que adquiri para ensinar aquela coreografia levou-me a sentir segurança que por sua vez, deu-me confiança no que iria fazer e assim consegui a ATITUDE certa para naquela aula brilhar.

Então cheguei à seguinte conclusão: o Conhecimento leva à Segurança que nos dá a Confiança para termos Atitude. É isto. Simples não é?... só que não!

Adquirir conhecimento dá trabalho. Nada, mas mesmo nada, cai do céu. Mas tenho uma boa notícia para te dar: é que tudo isto só depende de ti e de mais ninguém. És tu que tens de ir atrás do conhecimento porque atitude requer todo um esforço e muito força de vontade. E se é para ser então vamos fazer acontecer. Este tem de ser o teu mindset. Mas isto dá mesmo muito trabalho. E ninguém, OUVE, ninguém vai fazê-lo por ti. Não há diva, ou professora, ou bailarina que te dê atitude. Só te podem inspirar. Tu é que tens de construi-la em ti. E de uma vez por todas: ter atitude, não é ser convencida ou arrogante ou vaidosa como muito se confunde. É SERMOS. No tom certo e alinhado com os nossos objectivos e expectativas. Há que também conseguir equilíbrio na atitude que requer não só esforço mas amadurecimento. É um processo. E, quanto mais conscientes estiverem para o conceito, melhor vão conseguir projectar. Não é fácil, mas é possível.

Na Vida e na Dança. Adquire conhecimento. Sente Segurança. Ganha Confiança e transparece Atitude. Esse é o caminho (também) para o teu sucesso. Para a tua felicidade. Por ti.








Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Conversas & Danças no Feminino - Edição Especial

CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO  Edição Especial Quarentena A DANÇA ORIENTAL E O ISOLAMENTO by  Sara Naadirah Method * 25 ABRIL 2020 * 16h  * ON-LINE * Da carência de mais do que só a partilha de técnica coreografica, nasce CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO .  Esta é uma formação teórica e prática de Dança Oriental , indicado para todos os níveis de aprendizagem, aspirantes a profissionais e a bailarinas que estejam no activo.  Nesta EDIÇÃO ESPECIAL QUARENTENA , e porque continuar a prática da dança em casa é diferente e pode ser um desafio,  A DANÇA ORIENTAL e o ISOLAMENTO:  TÉCNICO E SOCIAL   será o tema principal, reflexo dos tempos que vivemos. Programa: * INTRODUÇÃO  -  Ligarmo-nos virtualmente e dar-nos a conhecer umas às outras. Podemos não estar fisicamente mas vamos na mesma formar um "circulo" de mulheres e com ele, um circuito interactivo; * 1ª PARTE - TEÓRICA   - Breve reflexão do impacto dos tempos que vivemos; 

Conversa Com...

É de noite que as minhas melhores ideias surgem. E foi numa noite de insonia que me surgiu a ideia de partilhar conversas que gostaria de ter com colegas, amigos e até mesmo familiares sobre a Dança e a Vida. Assim está, desde o dia 1 Maio, a decorrer a 1ª Temporada de: Sara Naadirah conversa com.. . na, claro está, plataforma da moda dos Lives - o Instagram. Confesso que é um desafio que me sujeitei. Eu gosto de me desafiar.  Apercebi-me que este é um novo palco onde a Dança Oriental se pode fazer de uma outra maneira: através, não do movimento, mas do diálogo.  Percebi também e, por causa dos tempos atípicos em que vivemos, que o pessoal estaria mais confinado, todos mais online e com algum tempo disponível para assistir. Encontrei também, nestas circunstancias peculiares, a oportunidade - que antes seria quase impossivel por causa da correria doida diária que nos encontravamos - de simplesmente conversar com pessoas que de alguma forma têm directa ou indirectamente a haver com o un