Avançar para o conteúdo principal

Oriental Dance Festivals - My Experience - parte I

A minha experiência com os Festivais de Dança Oriental... É um tema que acho, nunca escrevi. Vou abordar especificamente os que participei no Cairo. Festivais estes, a meu ver, pioneiros. Neste post (primeiro de três) vou falar do porquê de participar neles.

O primeiro festival que participei foi em Junho de 2006 no lendário "Ahlan Wa Sahlan". E posso dizer que o que teve de grandioso teve de inspirador. Na altura, os Festivais não estavam na moda, nem aconteciam assim tantos como hoje em dia. Havia este e poucos mais espalhados pelo mundo. Este, era o mais mediático. Criado pela visão (a meu ver, muito inteligente) da Raqia Hassan - antiga bailarina da Reda Troup e mentora de muitas bailarinas ainda no activo - para este festival vinham bailarinos de todo o mundo aprender, conviver e "competir" onde chegavam a ser mais de quatro mil participantes. Era algo grande e impactante. E eu, sempre quis ir aprender à "fonte" e este festival conseguia reunir uma série de requisitos que a mim me faziam sentido: acontecia na capital egípcia, onde nos entretantos ia conhecer o Cairo e sentir a sua cultura. Oferecia uma palete de workshops com professores renomados, e assim conseguia fazer aulas com todos e só num local. Convivia com bailarinos de todo o mundo onde entre aulas partilhávamos experiências. E, tinha o privilégio em assistir aos espectáculos ao vivo dos os meus bailarinos de referência. Era intenso, mas muito enriquecedor. Acabava por ser mais que um mero Festival. Era uma experiência a todos os níveis. Sempre vinha esgotada, mas inspirada e renovada.

Também outro requisito que sempre achei importante num Festival era a possibilidade de ter acesso a um bom "bazar". E neste, o bazar era algo perigoso porque havia tudo que queria para a minha dança. Todo o tipo de acessórios e trajes para Dança Oriental. Foi nele que tive a oportunidade de conhecer de perto o trabalho de costureiros que adoro e comprar os trajes directamente deles. Claro que foi desastroso para a minha carteira... mas a oferta era... irresistível.

Haviam também as famosas "competições" com prémios chamativos. Embora nestas competições, houvesse a possibilidade única de dançar com músicos ao vivo (e não eram uns quaisquer músicos) e seria uma mostra dos meu trabalho para o mundo, nunca tive vontade de participar. Não era o meu objectivo nestes Festivais. Queria absorver, como uma esponja, tudo que via, sentia e aprendia. Neste especificamente que acontecia todos os anos em Junho/Julho - neste momento, por causa mas não só, da pandemia não sei se ainda se realiza, entretanto ao longo dos anos, foi perdendo a "força" que tinha no mercado pela globalização dos ferstivais espalhados pelo mundo -  participei três vezes e duas vezes no que havia em Dezembro: Curso Intensivo para Profissionais também idealizado pela Raqia Hassan. Este último era mais pequeno, mas com mais qualidade de oferta. O sistema era o mesmo, mas mais vocacionado para profissionais enquanto o de Junho era aberto para todos os níveis.

Outra "oferta" destes Festivais eram a possibilidade ter estadia no local onde se realizavam os espectáculos e workshops... e não era uma estadia num hotel qualquer... Este festival realizava-se num dos hotéis mais bonitos e conhecidos do mundo: Mena House Hotel, de 5 estrelas. Um hotel com história e muito bem localizado (com vista para as pirâmides) a um preço especial que estava incluido no pack do festival. Devo dizer que adorava ir para este hotel... aliás, aproveitei na altura logo a seguir ao meu casamento (2007) e fiz um dois em um: a minha lua de mel e o festival, tudo neste hotel.

Posso dizer que todos estes Fesivais elevaram e alavancaram a minha dança. Não só pelo que aprendi tecnicamente nos workshops e a assistir aos espectáculos mas também pela experiência de ser no Egipto. O meu local de eleição para sempre ir aprofundar conhecimentos e inspirar-me. 

Nesta foto, tirada pelo meu marido em Junho 2007, no Mena House.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Conversas & Danças no Feminino - Edição Especial

CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO  Edição Especial Quarentena A DANÇA ORIENTAL E O ISOLAMENTO by  Sara Naadirah Method * 25 ABRIL 2020 * 16h  * ON-LINE * Da carência de mais do que só a partilha de técnica coreografica, nasce CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO .  Esta é uma formação teórica e prática de Dança Oriental , indicado para todos os níveis de aprendizagem, aspirantes a profissionais e a bailarinas que estejam no activo.  Nesta EDIÇÃO ESPECIAL QUARENTENA , e porque continuar a prática da dança em casa é diferente e pode ser um desafio,  A DANÇA ORIENTAL e o ISOLAMENTO:  TÉCNICO E SOCIAL   será o tema principal, reflexo dos tempos que vivemos. Programa: * INTRODUÇÃO  -  Ligarmo-nos virtualmente e dar-nos a conhecer umas às outras. Podemos não estar fisicamente mas vamos na mesma formar um "circulo" de mulheres e com ele, um circuito interactivo; * 1ª PARTE - TEÓRICA   - Breve reflexão do impacto dos tempos que vivemos; 

Conversa Com...

É de noite que as minhas melhores ideias surgem. E foi numa noite de insonia que me surgiu a ideia de partilhar conversas que gostaria de ter com colegas, amigos e até mesmo familiares sobre a Dança e a Vida. Assim está, desde o dia 1 Maio, a decorrer a 1ª Temporada de: Sara Naadirah conversa com.. . na, claro está, plataforma da moda dos Lives - o Instagram. Confesso que é um desafio que me sujeitei. Eu gosto de me desafiar.  Apercebi-me que este é um novo palco onde a Dança Oriental se pode fazer de uma outra maneira: através, não do movimento, mas do diálogo.  Percebi também e, por causa dos tempos atípicos em que vivemos, que o pessoal estaria mais confinado, todos mais online e com algum tempo disponível para assistir. Encontrei também, nestas circunstancias peculiares, a oportunidade - que antes seria quase impossivel por causa da correria doida diária que nos encontravamos - de simplesmente conversar com pessoas que de alguma forma têm directa ou indirectamente a haver com o un