Avançar para o conteúdo principal

Outro pecado, defeito ou talvez virtude


Não consigo ser hipócrita e cínica. Danço aquilo que sinto... e não há volta a dar.
Por mais que tente, não consigo, fingir que estou alegre quando estou triste, gostar quando não gosto, rir quando me apetece chorar, mentir quando me quero dizer umas verdades.
Sinceramente até hoje não sei se isto é uma virtude ou defeito.
Ao longo da minha vida poucas não foram as situações em que se tivesse sido hipócrita tinha ganho mais, em que se o cinismo falasse mais alto tinha evitado inúmeras "saias justas".
Muitas vezes a minha mãe e até marido dizem-me que não posso ser tão directa em certas situações, que às vezes a minha antipatia com quem não gosto é-me prejudicial. Dizem-me "finge" e eu respondo "é pá, não consigo" e não dá mesmo!
Confesso que alguns comentários que dou, resposta impulsivas, atitudes de mau humor caem-me mal e transpareço uma brutalidade que não é totalmente verdadeira. Quem não me conhece fica a pensar que sou arrogante, antipática, convencida e acabo por perder com isso.
Então quando danço... o meu estado de espírito transcende a minha vontade e cada movimento é o espelho do que verdadeiramente sinto, sem falsidades. E se tento "representar" sai asneira.
A minha assistente (sister) "passa-se" comigo e repreende-me variadíssimas vezes dizendo-me: "não faças essa cara, ri" mas é impossível quando não estou para aí virada, a menos que tenha uma audiência que é simpática comigo, "puxa por mim" e respeita o meu trabalho. Aí, posso estar de mau-humor que fico logo bem disposta e esse público terá o melhor da minha dança. Mas, se acontece o contrário, aparece espectadores que têm uma atitude oposta então eu danço mas, é o meu pior, a dança é seca, fria e na minha cara fica estampada a irritabilidade e o "frete".
Agora digam-me: não ganharia mais se, mesmo não gostando da situação onde estou a dançar, fingisse que estava tudo bem?
Assumia uma personagem e representava... mas isso é teatro e eu não sou atriz, sou bailarina. E não. Não é a mesma coisa. Nota-se perfeitamente quando um bailarino está cansado ou chateado, pois a dança e em especial a Dança Oriental é o espelho da nossa alma e vivências.
Se calhar tenho de encontrar um equilibro, um meio termo e não ter atitudes extremas.
"Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Nem oito nem oitenta." Lá diz a sabedoria popular.
Será que algum dia irei conseguir esse equilibro? Algum conselho?

Comentários

  1. Para a parte da dança não sei mesmo que te diga. Não tenho experiência para tal.

    A nível pessoal posso-te dizer que o "camuflar" sentimentos e pensamentos não é cinismo. Só o é quando pensas uma coisa e dizes outra pelas costas da pessoa. De outra forma não é hiprocrisia nenhuma. É como se te dessem um presente de que não gostas mas não podes dizer isso na cara da pessoa, tens de sorrir e agradecer. É ser delicado e cuidadoso para não magoar a outra pessoa.

    Isto aplica-se a tudo na vida. Não é fingir, é guardar para nós o que não há necessidade de deitar cá para fora.

    É um exercício. Consegues treinar isso. Sei disso porque tenho treinado precisamente a coisa contrário: dizer o que sinto e penso nas ocasiões certas, para não passar por "sonsa" e sem atitude.

    Beijinho ;)

    ResponderEliminar
  2. Olá!
    O que nos rodeia é reflexo de nós próprios. Já alguma vez pensaste nisso? Talvez possas começar por aí, "analizando-te" e ouvindo o teu coração. Não o ego! O coração. O ego é um separatista. E lembra-te sempre que o Universo não nos dá nada que não consigamos resolver, ultrapassar, superar. Talvez tenhas aí um bom desafio pela frente que já tem os seus frutos, porque tu própria já estás a chegar a algumas conclusões e isso já é um bom princípio. Agora, fazer teatro, não. Temos de ser nós próprios, sentirmo-nos bem como somos, aceitarmo-nos... mas também temos de aceitarmos os outros como eles são, compreende-los e respeitá-los nas suas diferenças... Somos todos Um!

    Gostei do teu blog e vim aqui parar atráves da Moonlight Song, uma amiga de luz que conheci nestas andanças dos blogs.

    Beijinhos de Amor e Luz,
    Angel of Light

    ResponderEliminar
  3. Olá!
    Eu acho que isso, não é um defeito mas uma virtude de certas pessoas (e principalmente das Saras, falo por mim), que consegue responder as pessoas e não fingir que não estão bem quando não estão... Conseguimos dizer o que sentimos , e algumas vezes as verdades a pessoas que as merecem ouvir, mas por vezes nós é que passamos por as mal educadas e que respondemos.. Mas para mim é uma virtude ter essa confiança e agir de forma natural não de fingir... Mas se te se ter confiança naquilo que se diz , e naquilo que se esta a sentir quando dizemos alguma coisa...

    Beijinhos
    E agredite que isso não é defeito nenhum mas sim uma virtude!!

    Beijinhos...
    Assinado: Sara Biscainho..

    ResponderEliminar
  4. Olá Sara :),
    no meu caminho é ser sempre fiel a mim própria e aos outros e isso significa não fingir, não esconder, ser verdadeira. É a postura que escolhi.
    Não será o dizer e o demonstrar que não deverão acontecer, será talvez fazê-lo de forma mais suave.
    Por exemplo, a história da menina dos kids que contaste na aula, ela podia estar a fazer tudo mal, ou desconcentrada ou o que for, mas não seria melhor se não houvesse uns berros/ou "passanços"? Não é por isso que ela percebe...
    No meu entender e do que conheço de ti, acho que passa mais por seres mais paciente e suave na forma como reajes e te expressas. E se numa sala existem 60 pessoas que não estão a ligar nenhuma ao teu show, se calhar estás tão irritada com isso que nem reparas que lá no meio há uma que está a gostar, mas que vê que estás com cara de frete.
    Ser tolerante, é uma lição muito difícil (em certas situações para mim também tem sido), mas concordo com o que escreveu a minha amiga angel of light acima (foi muito bom vê-la escrever para ti), e saliento o que para mim também tem sido uma enorme lição, temos de respeitar as diferenças dos outros (todas elas, até de sensibilidade).
    Quando nos sentimos magoados com as diferenças dos outros no fundo é o nosso ego, não podemos deixar isso acontecer.
    Cada um vai tendo a postura que vai decidindo adoptar ao longo da vida.
    Mas se te questionas, acho que a verdade é o caminho, aprendendo a ser sempre mais tolerante e com compaixão no coração.
    Pelo seu próprio caminho, aquela pessoa, naquele momento, não sabe agir/ser de maneira diferente, é o que é.
    Desculpa a extensão do comentário, mas não tenho muito poder de síntese, isto é o que sinto.
    beijinhos.

    ResponderEliminar
  5. Obrigado pelos vossos sábios comentários!!
    Que bom que é partilhar convosco as minhas ansiedades...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Sou Leão, com muito orgulho

Sou Leão, com muito orgulho e hoje faço 41 anos. Sim, aceito a idade que tenho sem complexos. Não, já não acho tanta piada fazer anos. O tempo não está a passar... está a voar. Ainda ontem adormeci com 20 anos e hoje acordo com 41. E tanta coisa já passou... e posso dizer que vivi, nesta minha segunda fase de vida, alguns dos meus melhores anos. A meu ver, entrei numa terceira fase.  Mais calma, muito mais calma. Mais madura, bem mais madura. Talvez mais confiante, mais interessante. Mas sinto o corpo a reagir à idade. Estou agora a começar a pagar as facturas das inconsciências dos anos anteriores. Sabia que vinham, mas não pensava que eram já... e não gosto. Todos os anos, na véspera do meu aniversário, gosto de fazer um reflexão do que foi. E este ano foi de acção, mudança, renascimento e cura. Todo panorama que vivemos actualmente contribuiu, como escrevi no post anterior "Acredito"... mas no meu caso acho que tinha mesmo de ser. Tudo tem o seu momento certo. E este era o

ACREDITO!

Não quis escrever este texto antes porque quis dar espaço para refletir e amadurecer pensamentos. Mas de uma coisa é certa: os tempos que vivemos não são indiferentes a ninguém.  Nunca, nem nos meus sonhos (ou pesadelos) mais loucos, pensei em viver uma Pandemia. Vi filmes, li artigos, assisti a documentários mas nunca imaginei que pudesse acontecer no meu tempo de vida. Aconteceu. E agora, em retrospectiva, não sei como não aconteceu antes, mais vezes e ainda mais letal. Confesso que no início desvalorizei... não podia ser assim tão mau... estava longe mas, quase do dia para a noite, aqui chegou ao nosso cantinho e de repente tudo muda.  Claro que fiquei com assustada... por mim, pelos meus e por tudo que teríamos de passar. E também, do dia para a noite, caiu-me a ficha: novos tempos aí vinham. Como sempre, rápido me adaptei e aceitei as directrizes, regras, condições e o medo foi substituído por oportunidade e... fé. Sim, acreditei (e ainda acredito) que esta pandemia trouxe oportun