Avançar para o conteúdo principal

O meu pecado capital

Quem normalmente segue o meu blog, deve estar a estranhar nunca mais ter escrito nada.
Pois bem, não tenho escrito nada pelo simples facto de estar mergulhada numa enorme onda de falta de criatividade, por me sentir extremamente cansada, que me leva a um estado de preguiça avassalador.
É verdade! Acho que este é o meu pior defeito: sou extremamente preguiçosa.
Preguiça esta, que se começa a agravar nesta altura do ano em que só penso em férias, praia, em não fazer mesmo nada.
Desde Setembro do ano passado que não paro, tem sido aulas e shows semanais que me têm desgastado ao ponto de esgotar todas as minhas reservas energéticas e criativas.
Aquela máxima que "quem corre por gosto não cansa" é falsa. Corro sim por gosto, mas canso-me sim! E depois de meses seguidos a "correr" posso ser sincera e dizer: estou exausta, fisícamente mas principalmente espiritualmente/emocionalmente, o que faz com que a minha criatividade, tanto para dançar como para escrever esteja, neste momento, em baixo.
Ser bailarina e ter de lidar constantemente com público é maravilhoso mas extenuante ao mesmo tempo. Como já disse muitas vezes, quando danço, não despejo uma série de movimentos, muito pelo contrário, quando danço transmito essencialmente energia, dou aquilo que tenho e muitas vezes aquilo que não tenho, para um público que é sempre desafiante e exigente.
Não pensem que é fácil...
Mas estou estou quase de férias... e até lá ainda tenho muito que dançar... e criar... por isso tenho de sair desta preguiça e continuar.
Alguma sugestão?

Comentários

  1. Saídas com amigos, cinemas, passeios, muitos risos e festas costumam resultar! ;)

    ResponderEliminar
  2. Olá!

    É a primeira vez que venho ao teu blog (adorei) e sugiro que simplesmente te rodeies de tudo o que for belo e te possa servir de inspiração: uma flor, um beijo do teu marido, um jantar de Sábado com amigos de longa data (se calhar agora adivinhas quem eu sou).

    De cada coisa bela que passa na tua vida, partilha um pouco da sua energia, dá da tua ao apreciar a beleza do momento e recebe a energia do que te rodeia. Assim ficam ambos mais ricos e dessa riqueza brota certamente um rio de criatividade.

    Da preguiça, aproveita o descanso que tanto bem faz ao corpo como à alma e quando esta estiver cheia, pega na tua energia e escreve, dança, sente, vive, ama.

    Beijocas
    Ana

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Sou Leão, com muito orgulho

Sou Leão, com muito orgulho e hoje faço 41 anos. Sim, aceito a idade que tenho sem complexos. Não, já não acho tanta piada fazer anos. O tempo não está a passar... está a voar. Ainda ontem adormeci com 20 anos e hoje acordo com 41. E tanta coisa já passou... e posso dizer que vivi, nesta minha segunda fase de vida, alguns dos meus melhores anos. A meu ver, entrei numa terceira fase.  Mais calma, muito mais calma. Mais madura, bem mais madura. Talvez mais confiante, mais interessante. Mas sinto o corpo a reagir à idade. Estou agora a começar a pagar as facturas das inconsciências dos anos anteriores. Sabia que vinham, mas não pensava que eram já... e não gosto. Todos os anos, na véspera do meu aniversário, gosto de fazer um reflexão do que foi. E este ano foi de acção, mudança, renascimento e cura. Todo panorama que vivemos actualmente contribuiu, como escrevi no post anterior "Acredito"... mas no meu caso acho que tinha mesmo de ser. Tudo tem o seu momento certo. E este era o

ACREDITO!

Não quis escrever este texto antes porque quis dar espaço para refletir e amadurecer pensamentos. Mas de uma coisa é certa: os tempos que vivemos não são indiferentes a ninguém.  Nunca, nem nos meus sonhos (ou pesadelos) mais loucos, pensei em viver uma Pandemia. Vi filmes, li artigos, assisti a documentários mas nunca imaginei que pudesse acontecer no meu tempo de vida. Aconteceu. E agora, em retrospectiva, não sei como não aconteceu antes, mais vezes e ainda mais letal. Confesso que no início desvalorizei... não podia ser assim tão mau... estava longe mas, quase do dia para a noite, aqui chegou ao nosso cantinho e de repente tudo muda.  Claro que fiquei com assustada... por mim, pelos meus e por tudo que teríamos de passar. E também, do dia para a noite, caiu-me a ficha: novos tempos aí vinham. Como sempre, rápido me adaptei e aceitei as directrizes, regras, condições e o medo foi substituído por oportunidade e... fé. Sim, acreditei (e ainda acredito) que esta pandemia trouxe oportun