Avançar para o conteúdo principal

Os Meus Professores - Parte I

 Em sequência do texto anterior neste, quero falar dos meus professores de dança. Ao longo de toda a minha vida, tive muitos mas vou destacar dois que tiveram mais impacto no meu percurso: a minha professora de Ballet e a de Dança Oriental.

Tive 16 anos de Dança Clássica, passei por algumas professoras mas A MINHA professora, aquela que mais me marcou, ensinou e ajudou a ser também a professora que sou hoje, foi a Cristina Filipe. Lendária professora de ballet. Assertiva, líder, ética, uma autêntica professora (das antigas) de ballet e uma das mulheres mais inteligentes que conheço. Ensinou-me muito mais que técnica de ballet clássico. Ensinou-me a usar a inteligencia emocional e a dar voz às minhas opiniões. Ensinou-me que, se não nasceste com o "rabinho virado para a lua" tens mesmo de ir à luta e que há valores que não são negociáveis. Foi com ela, na sua academia, que tive o meu primeiro trabalho como rececionista e aí, fui aprendendo todos os bastidores de um negócio. Foi com ela que percebi que adoraria dar aulas de dança quando servia de assistente em todas as aulas antes da minha (que normalmente era a última do dia). Atenta, via como dava a aula, como lidava com as suas alunas, como ensinava, observava e absorvia. O que eu aprendi assistindo aquelas aulas é a base de como ensino nas minhas. Deu-me disciplina e nunca me passou a mão pela cabeça. Raramente me elogiava. Disse-me um dia que não precisava. Que era das mais aplicadas e trabalhadoras. Que tinha noção que só com muito trabalho chegaria lá, afinal não tinha nascido com o corpo de sonho para bailarina clássica. Mas tinha garra. Força de vontade. Muita vontade. Ganhei resiliência. Percebi que tinha talento e aprendi a "fazê-lo" por mim, independentemente do estímulo que recebia. Posso dizer que não era uma professora meiga mas era atenciosa. Era o que cada uma de nós precisava naquele momento. Eram aulas duras, e se estava mal humorada... UI!!! Mas eu ADORAVA!!!!! Levantava-me aos sábados às 6h30 da manhã, apanhava o comboio e metro para ir ter aula. Durante a semana, chegava às 22h30 ou mais tarde muitas das vezes. E foram tempos tão bons!!! Fui uma privilegiada. Ter um professor que nos marca desta maneira é sucesso garantido para a vida independentemente do que fizermos. 

Entretanto, a vida seguiu o seu rumo e deixei de ter contacto com ela durante alguns anos, mas reencontramo-nos e tive o prazer de ela já ter conhecido a minha filha e a honra ter assistido a espetáculos meus. Infelizmente, deixou de dar aulas... mas o seu legado está impresso em mim, nas minhas colegas da altura e em centenas de raparigas que passaram pelas suas aulas. Nunca a esquecerei porque aliás... cada vez que dou uma aula, ela está presente através de mim. Foi na sua academia que tive pela primeira vez contacto com a Dança Oriental. Lembro-me tão bem... estava na rececção a trabalhar quando ouvi a música que vinha de uma aula de Dança Oriental que estava a decorrer. Aquela música "mexeu" comigo... fui espreitar... na outra aula já estava a experimentar... e nunca mais parei... até hoje, quase vinte anos depois.

A minha outra grande referência foi a minha professora de Dança Oriental mas, neste caso, o que teve de muito bom... teve de muito mal. E a mágoa é grande demais para conseguir falar.





Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Sou Leão, com muito orgulho

Sou Leão, com muito orgulho e hoje faço 41 anos. Sim, aceito a idade que tenho sem complexos. Não, já não acho tanta piada fazer anos. O tempo não está a passar... está a voar. Ainda ontem adormeci com 20 anos e hoje acordo com 41. E tanta coisa já passou... e posso dizer que vivi, nesta minha segunda fase de vida, alguns dos meus melhores anos. A meu ver, entrei numa terceira fase.  Mais calma, muito mais calma. Mais madura, bem mais madura. Talvez mais confiante, mais interessante. Mas sinto o corpo a reagir à idade. Estou agora a começar a pagar as facturas das inconsciências dos anos anteriores. Sabia que vinham, mas não pensava que eram já... e não gosto. Todos os anos, na véspera do meu aniversário, gosto de fazer um reflexão do que foi. E este ano foi de acção, mudança, renascimento e cura. Todo panorama que vivemos actualmente contribuiu, como escrevi no post anterior "Acredito"... mas no meu caso acho que tinha mesmo de ser. Tudo tem o seu momento certo. E este era o

ACREDITO!

Não quis escrever este texto antes porque quis dar espaço para refletir e amadurecer pensamentos. Mas de uma coisa é certa: os tempos que vivemos não são indiferentes a ninguém.  Nunca, nem nos meus sonhos (ou pesadelos) mais loucos, pensei em viver uma Pandemia. Vi filmes, li artigos, assisti a documentários mas nunca imaginei que pudesse acontecer no meu tempo de vida. Aconteceu. E agora, em retrospectiva, não sei como não aconteceu antes, mais vezes e ainda mais letal. Confesso que no início desvalorizei... não podia ser assim tão mau... estava longe mas, quase do dia para a noite, aqui chegou ao nosso cantinho e de repente tudo muda.  Claro que fiquei com assustada... por mim, pelos meus e por tudo que teríamos de passar. E também, do dia para a noite, caiu-me a ficha: novos tempos aí vinham. Como sempre, rápido me adaptei e aceitei as directrizes, regras, condições e o medo foi substituído por oportunidade e... fé. Sim, acreditei (e ainda acredito) que esta pandemia trouxe oportun