Avançar para o conteúdo principal

Nós, Bailarinas e os nossos Pet`s


Há anos que estou para escrever sobre a relação que, nós bailarinas, temos com os nossos bichinhos de estimação. Hoje, provocado por um acontecimento recente na minha família fez-me repensar toda esta relação que construímos com os nossos pet`s. E acho que a palavra que melhor define o que acontece entre uma bailarina e um pet é mesmo esta: relação. Uma relação de amor profundo. De cumplicidade. De entendimento. De aceitação. De amizade. De ensinamento. Ter um animal na nossa vida é ter um companheiro leal, fiel, sem julgamentos. Para mim são Anjos da Guarda. 

Na nossa família, "havia" três. A Nikita - a minha cadelinha, a Ashy - a cadelinha da minha irmã e o Brownie... que também era da minha irmã. E digo era porque faleceu de forma fulminante e sem ninguém estar à espera há poucos dias. Nunca, mas nunca pensei que doesse tanto. E não era o cão que vivia comigo... mas a ligação que construí com ele desde o primeiro dia que o vi (que foi antes da minha irmã ficar com ele) ia para além da distancia física. É uma ligação emocional, espiritual até se aprofundarmos esta reflexão. Vou ter tantas saudades deste ser único... uma grande perda, mas fico com a sensação que o seu impacto na minha vida foi perfeito, essencial e muito, muito feliz. Tenho recordações lindas. E até na sua partida - para as estrelinhas como expliquei à minha filha - me está a guiar pois revelou-se como o sinal que precisava para mudanças que estava adiar e a recear. Um Anjo na minha vida que tive o privilégio de o acompanhar até ao momento final.

Acredito, desde que adotei - ou ela me adotou - a Nikita (primeira cadelinha da nossa família), que não são só seres especiais, são guias. Que à sua maneira ajudam-nos muito mais do que pensamos. Sentimos a sua energia curativa. Confortam-nos com a sua presença. Inspiram-nos confiança. Vivem no presente. A Nikita ensinou-me a aproveitar o momento presente. Não conheço nenhuma bailarina ou artista que não goste de animais e para nós bailarinas, o contacto com os animais desenvolve a nossa sensibilidade, traz ao de cima a nossa intuição e é comum falarmos com eles como entidades superiores que também acredito que são. Estimulam a nossa criatividade e dão-nos aquele carinho especial naquele momento de fraqueza. Olham-nos, admirando-nos e amam a nossa dança. São o amigo fiel naquela hora que precisamos. E o silêncio... não precisam de falar porque o seu olhar diz tudo. A expressão corporal que dominam comunica tudo. E para quem dança, observar a maneira como se expressão é de uma utilidade incrível. Falam não só com o corpo, mas também com o olhar que emana energia. Aliar movimento com expressão energética, o resultado só pode ser maravilhoso. Com isso, que os animais dominam como ninguém, é conseguir chegar à alma de quem nos vê dançar. Os animais ensinam-nos esta "técnica invisível". Para quem está atento, claro. 

Por isso, e muito mais, só tenho de estar grata o dia que a Niki entrou na minha vida (que está aqui a ressonar ao meu lado), à Ashy que de mansinho conquistou-nos e... ao doce Brownie que fez com que todos se apaixonassem por ele. Nunca o vou esquecer. É realmente uma relação eterna.





Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Conversas & Danças no Feminino - Edição Especial

CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO  Edição Especial Quarentena A DANÇA ORIENTAL E O ISOLAMENTO by  Sara Naadirah Method * 25 ABRIL 2020 * 16h  * ON-LINE * Da carência de mais do que só a partilha de técnica coreografica, nasce CONVERSAS & DANÇAS NO FEMININO .  Esta é uma formação teórica e prática de Dança Oriental , indicado para todos os níveis de aprendizagem, aspirantes a profissionais e a bailarinas que estejam no activo.  Nesta EDIÇÃO ESPECIAL QUARENTENA , e porque continuar a prática da dança em casa é diferente e pode ser um desafio,  A DANÇA ORIENTAL e o ISOLAMENTO:  TÉCNICO E SOCIAL   será o tema principal, reflexo dos tempos que vivemos. Programa: * INTRODUÇÃO  -  Ligarmo-nos virtualmente e dar-nos a conhecer umas às outras. Podemos não estar fisicamente mas vamos na mesma formar um "circulo" de mulheres e com ele, um circuito interactivo; * 1ª PARTE - TEÓRICA   - Breve reflexão do impacto dos tempos que vivemos; 

Conversa Com...

É de noite que as minhas melhores ideias surgem. E foi numa noite de insonia que me surgiu a ideia de partilhar conversas que gostaria de ter com colegas, amigos e até mesmo familiares sobre a Dança e a Vida. Assim está, desde o dia 1 Maio, a decorrer a 1ª Temporada de: Sara Naadirah conversa com.. . na, claro está, plataforma da moda dos Lives - o Instagram. Confesso que é um desafio que me sujeitei. Eu gosto de me desafiar.  Apercebi-me que este é um novo palco onde a Dança Oriental se pode fazer de uma outra maneira: através, não do movimento, mas do diálogo.  Percebi também e, por causa dos tempos atípicos em que vivemos, que o pessoal estaria mais confinado, todos mais online e com algum tempo disponível para assistir. Encontrei também, nestas circunstancias peculiares, a oportunidade - que antes seria quase impossivel por causa da correria doida diária que nos encontravamos - de simplesmente conversar com pessoas que de alguma forma têm directa ou indirectamente a haver com o un