Avançar para o conteúdo principal

Nós, Bailarinas e os nossos Pet`s


Há anos que estou para escrever sobre a relação que, nós bailarinas, temos com os nossos bichinhos de estimação. Hoje, provocado por um acontecimento recente na minha família fez-me repensar toda esta relação que construímos com os nossos pet`s. E acho que a palavra que melhor define o que acontece entre uma bailarina e um pet é mesmo esta: relação. Uma relação de amor profundo. De cumplicidade. De entendimento. De aceitação. De amizade. De ensinamento. Ter um animal na nossa vida é ter um companheiro leal, fiel, sem julgamentos. Para mim são Anjos da Guarda. 

Na nossa família, "havia" três. A Nikita - a minha cadelinha, a Ashy - a cadelinha da minha irmã e o Brownie... que também era da minha irmã. E digo era porque faleceu de forma fulminante e sem ninguém estar à espera há poucos dias. Nunca, mas nunca pensei que doesse tanto. E não era o cão que vivia comigo... mas a ligação que construí com ele desde o primeiro dia que o vi (que foi antes da minha irmã ficar com ele) ia para além da distancia física. É uma ligação emocional, espiritual até se aprofundarmos esta reflexão. Vou ter tantas saudades deste ser único... uma grande perda, mas fico com a sensação que o seu impacto na minha vida foi perfeito, essencial e muito, muito feliz. Tenho recordações lindas. E até na sua partida - para as estrelinhas como expliquei à minha filha - me está a guiar pois revelou-se como o sinal que precisava para mudanças que estava adiar e a recear. Um Anjo na minha vida que tive o privilégio de o acompanhar até ao momento final.

Acredito, desde que adotei - ou ela me adotou - a Nikita (primeira cadelinha da nossa família), que não são só seres especiais, são guias. Que à sua maneira ajudam-nos muito mais do que pensamos. Sentimos a sua energia curativa. Confortam-nos com a sua presença. Inspiram-nos confiança. Vivem no presente. A Nikita ensinou-me a aproveitar o momento presente. Não conheço nenhuma bailarina ou artista que não goste de animais e para nós bailarinas, o contacto com os animais desenvolve a nossa sensibilidade, traz ao de cima a nossa intuição e é comum falarmos com eles como entidades superiores que também acredito que são. Estimulam a nossa criatividade e dão-nos aquele carinho especial naquele momento de fraqueza. Olham-nos, admirando-nos e amam a nossa dança. São o amigo fiel naquela hora que precisamos. E o silêncio... não precisam de falar porque o seu olhar diz tudo. A expressão corporal que dominam comunica tudo. E para quem dança, observar a maneira como se expressão é de uma utilidade incrível. Falam não só com o corpo, mas também com o olhar que emana energia. Aliar movimento com expressão energética, o resultado só pode ser maravilhoso. Com isso, que os animais dominam como ninguém, é conseguir chegar à alma de quem nos vê dançar. Os animais ensinam-nos esta "técnica invisível". Para quem está atento, claro. 

Por isso, e muito mais, só tenho de estar grata o dia que a Niki entrou na minha vida (que está aqui a ressonar ao meu lado), à Ashy que de mansinho conquistou-nos e... ao doce Brownie que fez com que todos se apaixonassem por ele. Nunca o vou esquecer. É realmente uma relação eterna.





Comentários

Mensagens populares deste blogue

OnLine, O "Novo" Palco

Pois é... Resisti bastante. Adiei muito. Desisti algumas vezes. Até que a vida nos atropela - com uma pandemia (quem diria?!...) - e, foi neste atípico momento que percebi: ou é agora ou não é mais. Não há dúvidas, tudo OnLine ganhou uma vida própria e veio para ficar e há quem diga que entramos numa nova Era... Falo, claro, da minha lendária resistência às novas tecnologias e plataformas digitais.  Resisto porque na verdade não controlo e isso chateia-me... muito. Gosto de dominar e entender o que faço. Mas, de uma vez por todas, mergulhei no fascinante mas manhoso mundo da internet. Afinal o OnLine, já faz parte da nossa vida há algum tempo mas, atrevo-me a dizer, não com a força que tem hoje. E, ou tu te adapatas, ou "desapareces". E eu tive de me adaptar e depressa. Mas esta rapidez, sinceramente, assusta-me... toda a conjuntura que vivemos potenciou uma dependência no virtual como se de um bem essêncial se tratasse.  O virtual tornou-se uma realidade paralela que ganhou

Sou Leão, com muito orgulho

Sou Leão, com muito orgulho e hoje faço 41 anos. Sim, aceito a idade que tenho sem complexos. Não, já não acho tanta piada fazer anos. O tempo não está a passar... está a voar. Ainda ontem adormeci com 20 anos e hoje acordo com 41. E tanta coisa já passou... e posso dizer que vivi, nesta minha segunda fase de vida, alguns dos meus melhores anos. A meu ver, entrei numa terceira fase.  Mais calma, muito mais calma. Mais madura, bem mais madura. Talvez mais confiante, mais interessante. Mas sinto o corpo a reagir à idade. Estou agora a começar a pagar as facturas das inconsciências dos anos anteriores. Sabia que vinham, mas não pensava que eram já... e não gosto. Todos os anos, na véspera do meu aniversário, gosto de fazer um reflexão do que foi. E este ano foi de acção, mudança, renascimento e cura. Todo panorama que vivemos actualmente contribuiu, como escrevi no post anterior "Acredito"... mas no meu caso acho que tinha mesmo de ser. Tudo tem o seu momento certo. E este era o

ACREDITO!

Não quis escrever este texto antes porque quis dar espaço para refletir e amadurecer pensamentos. Mas de uma coisa é certa: os tempos que vivemos não são indiferentes a ninguém.  Nunca, nem nos meus sonhos (ou pesadelos) mais loucos, pensei em viver uma Pandemia. Vi filmes, li artigos, assisti a documentários mas nunca imaginei que pudesse acontecer no meu tempo de vida. Aconteceu. E agora, em retrospectiva, não sei como não aconteceu antes, mais vezes e ainda mais letal. Confesso que no início desvalorizei... não podia ser assim tão mau... estava longe mas, quase do dia para a noite, aqui chegou ao nosso cantinho e de repente tudo muda.  Claro que fiquei com assustada... por mim, pelos meus e por tudo que teríamos de passar. E também, do dia para a noite, caiu-me a ficha: novos tempos aí vinham. Como sempre, rápido me adaptei e aceitei as directrizes, regras, condições e o medo foi substituído por oportunidade e... fé. Sim, acreditei (e ainda acredito) que esta pandemia trouxe oportun